Promotor de Justiça ajuíza Ação Civil Pública contra Masinho

Na ação, o promotor relata que até Masinho ser preso preventivamente, "eram praticado atos ilícitos, no exercício do cargo público"

Arquivo DA


O ex-vereador Masinho está preso preventivamente desde o dia 8 de abril

O Titular da 7ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público de Ipatinga, o promotor Fábio Finotti, ajuizou uma Ação Civil Pública contra o ex-vereador Osimar Barbosa Gomes, o Masinho (PSC), que está preso desde o dia 8 de abril, na Penitenciária Dênio Moreira de Carvalho, em Ipaba. A ação contra Masinho foi ajuizada na segunda-feira (20) e acusa também dois ex-assessores parlamentares de Masinho, entre eles, seu ex-chefe de gabinete, Rodrigo Vieira Ramalho, que também está preso.

Na ação, o promotor relata que até Masinho ser preso preventivamente, “eram praticado atos ilícitos, no exercício do cargo público, uma vez que estabeleceu um sistema de exigência de vantagens indevidas, imposto a todos os servidores públicos indicados por ele, para ocuparem cargos na Câmara Municipal ou na Prefeitura de Ipatinga”.

Conforme a ação, o valor arrecadado pelo ex-parlamentar e por seus cúmplices chegava, em alguns casos, a até R$ 4 mil por mês. A ação ainda cita oito servidores que repassavam parte do pagamento. “O esquema funcionava da seguinte forma: os servidores que ocupavam o cargo de assessoria no gabinete, recebiam, somente, de R$ 900 a R$ 1.000. Assim, tais servidores eram obrigados a repassar tudo que excedia esses valores, independente da remuneração correspondente ao cargo público”, cita a ação.

Prisão

Osimar Barbosa Gomes, o Masinho (PSC), e o então chefe de gabinete, Rodrigo Vieira Ramalho foram presos no dia 8 de abril desse ano e recolhidos à Penitenciária Dênio Moreira de Carvalho, em Ipaba.

No mesmo dia da prisão, uma equipe de policiais do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e membros da Promotoria Criminal do Ministério Público cumpriram um mandado de busca e apreensão no gabinete do ex-vereador. Também foi alvo de buscas a casa de Rodrigo, onde foram encontrados mais de quarenta pacotes com papel tamanho A4, mais de dois mil copos descartáveis e outros objetos de escritório.

Esses materiais foram recolhidos e posteriormente restituídos à Câmara de Ipatinga.

Vítimas

Conforme o Gaeco, há ainda informações segundo as quais o vereador fez ameaças contra algumas assessoras para que não denunciassem o esquema, sendo citado na ameaça a morte da vereadora Marielle Franco, no Rio de Janeiro.

Desvio

Após a prisão de Masinho, os promotores informaram que as investigações apontavam que o ex-vereador recolheu, aproximadamente, R$ 240 mil de quatro assessoras ao longo do mandato parlamentar.

Mais
Suplente de Masinho toma posse na Câmara de Ipatinga
Vereador Luiz Márcio nega acusações
Após prisões de vereadores, comissões permanentes da Câmara Municipal de Ipatinga são reorganizadas
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Cidadão Que Paga Impostos 23 de Maio, 2019 | 11:22
Podia era passar o resto da vida na cadeia, mas sabemos que o Brasil nunca foi um país serio e na minha visão nunca será. Que pena!

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO