Após chuva intensa, equipes trabalham na limpeza em Ipatinga

Maior parte das intervenções diz respeito a desmoronamentos provocados pelo encharcamento do solo e encostas

Divulgação


Mais de 200 homens estão mobilizados para os serviços de limpeza

Com mais de 200 homens mobilizados, além de caminhões, dezenas de máquinas e equipamentos, a força-tarefa criada pela administração de Ipatinga para atuar na prevenção e também dar respostas a problemas decorrentes da chuva intensa que cai no município vem atuando ininterruptamente desde sábado (25). A maior parte das intervenções diz respeito a desmoronamentos provocados pelo encharcamento do solo e encostas, assim como o carreamento de lama para vias públicas, provocado por cortes irregulares de terrenos

Num período de apenas duas horas, na tarde de sábado, Ipatinga foi assolada por uma precipitação pluviométrica gigantesca de 44 milímetros. Em 12 horas, conforme medição dos pluviômetros instalados em quatro regiões da cidade, no mesmo dia, foram 111 mm e, em 24 horas, 172 mm. Nas últimas 72 horas, choveu 217 mm no município. Dias antes, já havia chovido cerca de 130 mm no curto espaço de apenas três horas. A previsão é de que neste domingo a chuva caia com menor intensidade e volume.

As concessionárias de água e energia elétrica, assim como empresas contratadas, atuam ao lado das secretarias municipais para socorrer chamados da população e atuar em demandas identificadas pelas equipes do governo. Além do próprio prefeito Nardyello Rocha, titulares e servidores de todas as pastas estão empenhados, em especial as secretarias de Serviços Urbanos e Meio Ambiente, Segurança e Convivência Cidadã, Obras e Assistência Social. Estruturas foram montadas no estádio Ipatingão, escola Artur Bernardes, no Canaã, e ginásio Fefezão, no Ideal, para eventuais situações de desabrigo. Contudo, até o início da tarde, nenhuma remoção de família dos endereços originais foi realizado ou houve registro de vítimas.

E equipes dedicadas à limpeza de vias estão trabalhando em vários pontos da cidade, em decorrência de quedas de barrancos e árvores, assim como pequenos alagamentos.

7 de Outubro
Em relação aos equipamentos públicos, um dos locais mais afetados foi o Centro Cultural e Esportivo 7 de Outubro, no Veneza, em função do transbordamento do ribeirão Ipanema na tarde de sábado.

A comunidade Vila da Paz, junto ao bairro Cidade Nobre, também começou a ser invadida pelas águas no mesmo período, mas o nível do curso hídrico baixou nas primeiras horas da noite, dando alívio aos moradores. O governo informa que providenciou neste domingo a retirada de lama, após ter atuado junto aos residentes - e sem sucesso -, na véspera, para que deixassem a área por questão de prudência. Havia um temor das famílias de que suas casas pudessem ser saqueadas e, em caso de emergência, preferiam se refugiar em andares superiores, com apoio também de vizinhos.

A lavagem das ruas da parte mais baixa da Vila da Paz teve ainda o objetivo de proteger a população contra a formação de poeira após a volta do sol e até mesmo risco de doenças como leptospirose.

Zona rural
Outra frente de trabalho atuou neste domingo na zona rural, sobretudo desobstruindo estradas de acesso ao Ipaneminha, Ipanemão e Pedra Branca. Outra equipe de limpeza foi designada para a BR-381, próximo à Estação Ferroviária, sentido Centro/Horto, onde uma encosta cedeu, atingiu a ciclovia e também parte da pista de rolamento.

“Além desses locais, já foram desobstruídos outros pontos como a avenida Getúlio Vargas, no Caravelas; avenida Galileia, no Canaãzinho; a José Raimundo, nas Chácaras Vagalume. Logo após a desobstrução na zona rural iremos providenciar a limpeza entre o bairro Limoeiro e o Parque das Cachoeiras. Um ponto também reincidente em acúmulo de lama, diante de loteamento irregular nas imediações, é a rua Tucanuçu, nas Chácaras Madalena”, pontuou o secretário de Serviços Urbanos e Meio Ambiente, Agnaldo Bicalho.

Defesa Civil
A Defesa Civil, ligada à Secretaria de Segurança e Convivência Cidadã, registrou 62 chamados em dois dias. Para atender às ligações dos moradores de várias partes da cidade, foram montadas seis equipes que atuam na avaliação de áreas de risco. Por medida de segurança, algumas famílias decidiram ir para casa de parentes. “Neste momento, o que nós pedimos é que ninguém faça a retirada de terra dos barrancos que cederam, porque o solo está muito encharcado, podendo ocorrer deslizamentos”, orienta o secretário de Segurança, Ednilson Emerique Caldeira.

Causas e previsão
A forte chuva ocorrida se deve a uma frente fria que chegou no dia 22 de janeiro e que acabou se intensificando no fim de semana, principalmente no Vale do Aço. De acordo com o meteorologista Ruibran dos Reis, as últimas chuvas estão 30% acima da média histórica em termos de precipitação acumulada para este mês.

Ainda conforme o meteorologista, o sistema frontal que estava estacionado no Vale do Aço já avançou para as regiões Norte e Nordeste do Estado, mantendo-se entre a divisa de Minas com a Bahia. Para os próximos dias a tendência é de muita nebulosidade, com possibilidade de chuvas isoladas, sem previsão de temporais. “Iremos ter chuva no Vale do Aço até o dia 31 de janeiro, mas nada muito significativo”, projetou.

Prevenção
“Ipatinga é uma das poucas cidades do Leste de Minas Gerais que teve menores problemas com as chuvas. Isso nos honra e nos dá a certeza de que estamos no caminho certo, cuidando da cidade inclusive com obras e serviços que não têm visibilidade, como aquelas que dizem respeito às redes subterrâneas. Os pontos de alagamento foram todos extirpados, inclusive locais históricos de inundação como o viaduto da Vila Ipanema, e a rua Cravo, no Bom Jardim. Em muitos locais que enchiam e famílias perdiam tudo, desta vez a situação não se repetiu. Na avenida Livramento, no Veneza, os moradores passaram pelos temporais sem inundação, vendo solucionado um problema que se repetia há 20 anos. Em menos de dois anos de mandato, nós trabalhamos de forma diligente, planejada e organizada, e estamos colhendo o resultado agora”, avaliou o prefeito Nardyello Rocha.

Doações
Em função dos graves transtornos causados pela chuva no Vale do Aço, a Usiminas informou que um grupo de voluntários da empresa vai iniciar uma campanha de doação em prol dos desabrigados.

Poderão ser doados alimento não perecíveis, itens de higiene pessoal, material de limpeza, vestuário, roupas de cama e banho.

As doações serão recebidas na Portaria 1, Centro; Portaria 3, Bom Retiro; e Portaria 1 da Usiminas Mecânica. Mais informações pelo número (31) 3829-3320

Mais:
Famílias são evacuadas de área de risco na Prainha
Abastecimento de água na região fica prejudicado por causa da chuva
Famílias do Santa Rita são retiradas de suas casas
Comportas abertas na UH de Sá Carvalho
Cheia leva acesso ao Vale Verde, em Ipaba
Chuva intensa deixa dezenas de famílias desabrigadas em Timóteo
Cerca de 30 famílias estão desabrigadas em Coronel Fabriciano
Moradores são orientados a deixar casas em Santana do Paraíso
Chuva intensa deixa Bom Jesus do Galho debaixo d’água
Avenida em Coronel Fabriciano está interditada
Em Coronel Fabriciano, Prainha segue debaixo d'água
Em Fabriciano, 80 pessoas estão desalojadas
Usina Hidrelétrica em Nova Era abre comporta e rio pode voltar a subir



Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

MAIS FOTOS

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO