Sergio Leite comenta nova fase da Usiminas pós-pandemia

Divulgação


Como parte da agenda interna, Sergio entregou o novo Laboratório Químico de Qualidade na Aciaria

O presidente da Usiminas, Sergio Leite, esteve em Ipatinga nos dois últimos dias participando de reuniões com líderes das usinas, em visita às áreas de produção da empresa e entregando oficialmente o novo laboratório da Aciaria. Na ocasião, o executivo reforçou o quanto é importante identificar oportunidades neste momento para se construir, conjuntamente, uma nova fase na Usiminas, tão logo seja ultrapassada a pandemia do Coronavírus.

Destacou ainda a necessidade de que todos continuem focados na perenidade da empresa, para que a Usiminas seja cada vez mais competitiva, ágil e produtiva, sempre com foco no cuidado com as pessoas. Mesmo durante a pandemia, Leite tem mantido a rotina de visitas à Usina – sempre respeitando as medidas de saúde e as regras de distanciamento - de forma a se manter próximo das equipes e observar de perto as medidas de prevenção adotadas.

Como parte da agenda interna, Sergio entregou o novo Laboratório Químico de Qualidade na Aciaria, um local onde são realizadas análises químicas em gusa, aço líquido, escória de aciaria, placas e produtos finais. Todas as análises são feitas em conformidade com os requisitos estabelecidos pelos clientes e em atendimento às normas de qualidade, segurança e meio ambiente.

A visita em Ipatinga foi acompanhada pelos vice-presidentes Industrial, Américo Ferreira Neto, e de Tecnologia e Qualidade, Kohei Kimura e foi uma oportunidade, também, para o presidente destacar a chegada dos novos líderes em posições importantes anunciada essa semana pela companhia, como Heltom Muzzi, que assume a Diretoria Executiva de Produção da Usina de Ipatinga.

Já publicado:
Usiminas divulga resultados do primeiro trimestre de 2020
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Adler 31 de maio, 2020 | 22:07
Usiminas morreu em marco de 2011 junto com Rinaldo Campos Soares , dps desta perda acabou salario , acabou condicao de trabalho ,obras, PL e etc... Tudo si foi com ele , tinhamos orgulho da Usiminas , hj eh apenas mais um empreiteira qualquer, meu avo faleceu mes de marco deste ano aos 95anos , ate seu ultimo dia vestia ah camisa da Usiminas e acreditava que aquela empresa qe ele havia aposentado , era ah mesma coisa nos dias de hoje,tinha orgulho , mau sabia que a realidade eh bem diferente, Usiminas ja era, quem ganhou , ganhou , quem nao ganhou esquece.
Kepler Muzzi 28 de maio, 2020 | 21:16
Empresa com foco.
Eduardo Santos 28 de maio, 2020 | 17:19
A Usiminas deveria ter vergonha na cara, em plena pandemia tenta dispensar 900 pessoas que ao longo de sua vida se dedicaram pra fortaceler a imagem da empresa.
Esta empresa é exemplo de que?
Ramiro Silvano da Silva Filho 28 de maio, 2020 | 15:46
Infelizmente somos apenas um número para Direção da Usiminas,Exemplo deste descaso é política ingrata que o Grupo Usiminas sempre tenta impor nas plantas de Cubatão e Ipatinga(demissões em massa ),salários e jornadas exploratórias e miseráveis para quem fica.Enquanto isso distribui milhões para seus Acionistas e alta hierarquia.
Leoncio Simoes 27 de maio, 2020 | 20:59
Vai aumentar o salario?
Ninguem quer mais trabalhar na usiminas
EU sou do tempo onde quem trabalhava tinha moral,home tem vergonha.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO