Investigação aponta que mais de R$ 300 mil foram desviados pelo vereador Gilmarzinho, em Ipatinga

Além do recolhimento de parte do salário de assessores, Gilmarzinho é investigado por nepotismo cruzado e ameaças contra vítimas

Wôlmer Ezequiel


O gabinete do vereador Gilmarzinho foi alvo de um mandado de busca e apreensão, na tarde de quinta-feira
Atualizada às 18:07 26/04/2019
Um dia após a prisão do vereador Gilmar Ferreira Lopes, o Gilmarzinho (PTC), 63 anos, os integrantes do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) de Ipatinga explicaram, nesta sexta-feira (26), a prisão do parlamentar e de sua filha, Gilcelia de Oliveira Lopes Daniel, 36 anos, que atuava no gabinete do pai. Gilmarzinho está recolhido à Penitenciária Dênio Moreira de Carvalho, em Ipaba, e sua filha está no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp), em Ipatinga.

Os integrantes do Gaeco informaram ontem à imprensa que Gilmarzinho é investigado por concussão, nepotismo cruzado com um vereador de Coronel Fabriciano, ameaças de morte e recolhimento de mais de R$ 300 mil de assessores, sendo o maior valor desviado, até então, no âmbito da Operação Dolos, que investiga mais seis vereadores pelos mesmos delitos. Além disso, há denúncias segundo as quais Gilmarzinho e sua filha pressionaram as vítimas a mentirem em depoimento.

Nepotismo cruzado

Conforme o promotor de Justiça Fábio Finotti, nesse caso do vereador Gilmarzinho foi descoberto um esquema de nepotismo (favorecimento de parentes a ocupar determinado cargo), porém, praticado de forma "cruzada" com um vereador de Coronel Fabriciano. "Conseguimos reunir provas que indicam nepotismo cruzado. Gilmar tinha um filho de um vereador de Coronel Fabriciano trabalhando em seu gabinete, enquanto sua filha trabalhava no gabinete desse vereador de Fabriciano. Além de improbidade administrativa, em tese, temos um crime de tráfico de influência, uma vez que havia essa troca recíproca de benefícios", informou.

O promotor ressaltou que, mesmo após as prisões de outros vereadores, foi observado que os repasses de parte do salário de assessores para Gilmarzinho eram feitos normalmente. "O que motivou a investigação é que mesmo com o início das operações e das prisões de parlamentares, os procedimentos ilícitos continuavam ocorrendo dentro do gabinete de Gilmarzinho".

Fura-fila

Além do nepotismo cruzado, o promotor de Justiça Francisco Ângelo relatou que o vereador Gilmarzinho tinha influências sobre assessores da administração municipal, que foram indicados pelo próprio vereador. "Foi possível perceber que existia uma ingerência muito grande nesses cargos indicados, dos quais ele tinha poder e acesso na administração municipal, de forma que era possível privilegiar certas pessoas, servindo como um mecanismo de 'fura-fila' para determinados serviços públicos, inclusive, na área da saúde".

Operadora do esquema

Segundo Francisco, a filha do vereador, Gilcelia de Oliveira Lopes Daniel, atuava no gabinete de seu pai como uma operadora dos esquemas ilícitos. "Ela fazia toda a articulação para que os valores fossem repassados. Até hoje já apuramos 12 testemunhas, que confirmaram tais práticas, e que houve um desvio de mais de R$ 300 mil dos assessores".

Ameaças

Outro crime pelo qual o vereador é investigado está relacionado a ameaças de morte, conforme Francisco Ângelo. "O vereador chegou a dizer que demorou muito para ocupar tal cargo e que se alguém falasse contra ele, essa pessoa poderia perder a sua vida".

Documentos

O delegado da Polícia Civil Gilmaro Alves informou, na entrevista, que no momento em que os policiais foram até o enderenço de Gilmarzinho para efetuar sua prisão, na tarde de quinta-feira (26), encontraram o vereador retirando documentos de dentro da sua residência. "Quando os policiais chegaram, Gilmarzinho estava com um veículo automotor próximo de sua casa, em companhia de outras pessoas, retirando vários documentos da casa. Ao ser questionado, em conversa preliminar com os policiais, ele afirmou que estava retirando os documentos para incinerá-los. Recolhemos esse material para análise e para verificar o que tinha de importância. A filha do vereador também foi presa em sua residência. Além disso, apreendemos celulares e mídias, e com autorização judicial, estamos tendo acesso às conversas, sendo que algumas já são objeto de interesse das investigações", concluiu Gilmaro.

HC de Paulo Reis negado

Na entrevista com os representantes do Gaeco, também foi informado que o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou um habeas corpus do ex-vereador Paulo Reis (Pros), que está preso preventivamente desde o dia 27 de março.

Mais:
Nova operação do Gaeco mira agiotagem na Câmara de Ipatinga
Vereador Gilmarzinho e sua filha são presos em Ipatinga
Vereador Luiz Márcio depõe em CP no dia 14 de maio

Veja, abaixo, o vídeo com a entrevista no Gaeco:

Investigação aponta que mais de R$ 300 mil foram desviados pelo vereador Gilmarzinho, em Ipatinga
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Nojo de Política 28 de Abril, 2019 | 02:00
Ze de minas, vc falou tudo.
O que tem de coisa errada em Mesquita nao é brincadeira.
Nepotismo ta correndo solto na prefeitura.
A familia do prefeito e da primeira dama estao todos na prefeitura.
Isso tem que ser denunciado.
Anônimo 27 de Abril, 2019 | 20:43
Vereador lixooo.
Furava fila mesmo no posto e a gerente do Bom Jardim é conivente, cadeia pra todos.
William 27 de Abril, 2019 | 12:38
Conheço pessoalmente o Gilmarzinho. Nunca transpareceu ser desonesto. Se for verdade espero que passe um bom tempo na cadeia. Esse povo não aprendeu a lição do Lula. O país mudou. Lugar de ladrão é atrás das grades.
Rodrigo Oliveira 27 de Abril, 2019 | 08:39
O GAECO está fazendo um trabalho extraordinário de desratização da câmara.
Entretanto, se não for feita uma profunda reforma administrativa (a nível nacional) esta praga da velha política irá se repetir.
Indicação política tira a independência do vereador para fiscalizar o executivo, além de colocar analfabetos funcionais em cargos estratégicos (salvo raras exceções) o que diminui a qualidade dos serviços públicos prestados a população.
Ipatinga poderia dar o exemplo para o Brasil e virar essa página repugnante da nossa história política.
Joao 27 de Abril, 2019 | 00:22
de que adianta um justiça que tarda mais não falha se o povo é burro
Ze de Minas 26 de Abril, 2019 | 19:20
É muito dinheiro fácil na mão destes corruptos eleitos pelo povo pra não fazer nada pelo seu município,e se investigar ( Cel.Fabriciano,Timoteo,Ipatinga,Santana do Paraiso, Mesquita e os outros do entorno,não vai sobrar ninguém. E o pior que o dinheiro é do: remédio,hospital,segurança,escolas e merendas,mas viram é sítios,fazendas,carros de luxo e ........
Lucia Paiva 26 de Abril, 2019 | 18:46
A pergunta é: Quando irão fazer um pente fino nos políticos de Timóteo? Acho bom ser rápido, pois já tem vereador que mandou a família se mudar pra Porto Seguro. rs
Barrabas 26 de Abril, 2019 | 17:35
Cada vez que aprofunda as investigacao os podres vai so aparecendo tem muitos ai com rabo preso.uma envestigacao geral seria o fim de muitos.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO