21 de maio, de 2022 | 10:57

Emoção marca o velório do soldado Arruda em Ipatinga

Pai afirmou em entrevista ao Diário do Aço que o filho sonhava em ser policial desde criança, passou no concurso da PMMG e há dois trabalhava em BH

Wellington Fred
O velório ocorreu na casa da família do soldado Arruda, no bairro Esperança, em IpatingaO velório ocorreu na casa da família do soldado Arruda, no bairro Esperança, em Ipatinga
Dezenas de policiais militares, principalmente de Belo Horizonte, acompanharam durante a noite e a madrugada o velório do corpo do soldado Gustavo Henrique Arruda, de 24 anos, morto em ação no fim da noite de quinta-feira (19) no bairro Jardim Alvorada, na região Noroeste da capital mineira. O velório foi realizado na casa da família do policial, na rua Beladona, no bairro Esperança. O sepultamento será às 11h, no Cemitério Parque Senhora da Paz.

Amigos e colegas do Batalhão de Choque, da PM de Belo Horizonte vieram fazer a despedida. Resignados, evitaram dar declarações acerca do ocorrido.

Em entrevista ao Diário do Aço, o pai, José Nilson, de 64 anos, afirmou que o filho tinha como sonho de criança ser policial militar, passou no concurso público e foi designado para ser policial em Belo Horizonte há dois anos. Gustavo era o caçula de um total de três irmãos. Uma irmã mora em Portugal e um irmão mora em Ipatinga.
Wellington Fred
Pai afirmou em entrevista ao Diário do Aço que o filho sonhava em ser policial desde criança, passou no concurso da PMMG e há dois trabalhava em BH Pai afirmou em entrevista ao Diário do Aço que o filho sonhava em ser policial desde criança, passou no concurso da PMMG e há dois trabalhava em BH

O promotor de Justiça Jonas Junio Linhares Costa Monteiro, da 11ª Promotoria de Justiça da comarca de Ipatinga, era amigo do soldado Arruda. Os dois conviveram juntos em Ipatinga. Conforme o promotor, Gustavo tinha anunciado que aguardava passar os três anos do estágio probatório na PM em BH para pedir transferência para a PM em Ipatinga, sonho que foi interrompido na noite de quinta-feira passada.

Já publicado:
Soldado PM de Ipatinga é morto durante operação em Belo Horizonte

Entenda o caso

O soldado Gustavo Henrique Arruda, de 24 anos, era lotado no Batalhão de Choque em Belo Horizonte, morreu durante troca de tiros na noite de quinta-feira. A major PM Layla Brunnela afirmou em entrevista à imprensa da capital, nesta sexta-feira (20), que policiais militares foram até o local dos fatos, no bairro Jardim Alvorada, averiguar uma denúncia de que o dono de uma lanchonete na rua Flor D'água, identificado como Adriano Ferreira de Matos, de 33 anos, era envolvido com tráfico de armas de fogo. Adriano, segundo a polícia, revendia armas para criminosos.
Wellington Fred
José Nilson: ''Meu filho se esforçou muito para realizar o sonho, mas encontrou alguém que interrompeu tudo''José Nilson: ''Meu filho se esforçou muito para realizar o sonho, mas encontrou alguém que interrompeu tudo''

Os policiais foram sem farda e, durante a negociação, houve um desentendimento entre um sargento da PM e o suspeito. O soldado arruda estava à paisana, portanto, sem colete balístico e, ao tentar intervir na confusão, acabou baleado nas costas. Adriano, o dono da lanchonete, segundo a PM, foi quem atirou no militar.

O comerciante e a companheira dele estão presos. O quarto suspeito de envolvimento no caso, um jovem de 23 anos, se entregou na tarde desta sexta (20). Ele é genro de Adriano Ferreira de Matos, dono de uma lanchonete apontado como responsável pelo tráfico de armas. O jovem negou envolvimento com os tiros dados no local do crime, mas confessou que estaria vendendo uma arma que era dele.

Wellington Fred
Colegas de farda, do Batalhão de Choque da PM da capital vieram acompanhar o velório Colegas de farda, do Batalhão de Choque da PM da capital vieram acompanhar o velório


Wellington Fred
Familiares e colegas de farda carregam o corpo do policial para o sepultamento no fim da manhã deste sábado Familiares e colegas de farda carregam o corpo do policial para o sepultamento no fim da manhã deste sábado


Wellington Fred
Cortejo saiu do bairro Esperança em um carro do Corpo de Bombeiros Militares Cortejo saiu do bairro Esperança em um carro do Corpo de Bombeiros Militares

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário