09 de maio, de 2022 | 10:23

China fecha parques e determina novas restrições para conter surtos de covid-19

Com agências internacionais
Divulgação
Atualmente a China pratica política de 'zero casos', que inclui o isolamento de bairros ou cidades inteiras, sempre que um surto é detectadoAtualmente a China pratica política de 'zero casos', que inclui o isolamento de bairros ou cidades inteiras, sempre que um surto é detectado

Parques da capital, Pequim, foram fechados nesta segunda-feira (9), mediante o restabelecimento mais restrições para conter a propagação de variantes do coronavírus, que têm feito ressurgir focos localizados de covid-19. O número de novos casos diários continua a aumentar e a cada dia o governo estabelece mais restrições.

Pequim registrou 49 infecções nas últimas 24 horas, incluindo 16 casos assintomáticos, elevando o total da atual onda para pouco mais de 700.

Atualmente a China pratica política de 'zero casos', que inclui o isolamento de bairros ou cidades inteiras, sempre que um surto é detectado. Barreiras físicas são instaladas nas entradas das cidades ou bairro, de acordo com a necessidade de contenção de surtos da doença.

Nesta segunda-feira, dois distritos, Chaoyang e Shunyi, na capital, estão completamente isolados. Os moradores foram instruídos a ficar em casa e os habitantes de outras áreas da cidade proibidos de entrar nas zonas atingidas.

Todos os serviços de transporte público em Chaoyang - que abriga quase 4 milhões de pessoas e complexos comerciais - foram interrompidos, e os funcionários de escritório estão trabalhando em casa.

O Parque Chaoyang, um dos maiores de Pequim, foi fechado até novo aviso, juntamente com a Floresta Olímpica e os parques de Shunyi.

"O número de novos casos ainda está em níveis altos", disse o porta-voz do governo municipal de Pequim, Xu Hejian, nesse domingo.

"A batalha contra o vírus está num impasse. Devemos intensificar o controle em áreas-chave", afirmou.

Os moradores de Pequim passaram por três rodadas de testes em massa desde o início do surto, juntamente com outras medidas de precaução, para impedir a propagação da doença.

No distrito de Dongcheng - o centro cultural da cidade - as pessoas devem apresentar um resultado de teste PCR negativo feito nos sete dias anteriores para ter acesso a locais públicos.

As reclamações sobre a inconveniência causada pelas medidas antiepidêmicas aumentaram.

Um consultor português radicado na capital chinesa, que prefere não ser identificado, disse à Lusa ter recebido ordem para ficar em casa nos próximos 17 dias, após dois moradores no seu condomínio terem testado positivo.

O condomínio, situado na zona oeste de Pequim, é composto por 12 prédios e abriga mais de cinco mil pessoas. Todos os moradores vão ter que cumprir quarentena e serão sujeitos a seis rondas de testes.

Grades foram colocadas em torno dos edifícios, para impedir a saída dos moradores, segundo fotografias partilhadas pelo consultor.

"Todos os prédios foram cercados com barricadas, apesar de apenas em um edifício existirem dois moradores que testaram positivo", descreveu. "Isso faz algum sentido?", perguntou.

Já publicado:
Ipatinguense que mora na China relata situação do país em meio a surto de covid-19

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário