24 de novembro, de 2021 | 21:24

Investigador é denunciado à Justiça após indiciamento pela Polícia Civil

Arquivo DA
Denúncia formulada junto à Justiça teve como base relatório da corregedoria da PCMG Denúncia formulada junto à Justiça teve como base relatório da corregedoria da PCMG

A 11ª Promotoria de Justiça do Ministério Público em Ipatinga, denunciou à Justiça o investigador da Polícia Civil, Elton Pereira da Costa, de Santana do Paraíso, onde o policial ocupa também o cargo de vereador.

O promotor de Justiça, Jonas Júnio Linhares Costa Monteiro, denunciou o investigador pelos crimes de difamação, injúria e ameaça, baseado em relatório elaborado pelo delegado corregedor da PCMG, Fernando José Barbosa Lima, que indiciou o investigador por meio do Núcleo Correcional do 12º Departamento de Polícia.

Conforme apurado nas investigações realizadas pela Polícia Civil, em março e abril deste ano, após ser deixado de fora de uma operação policial que apurava o caso da enfermeira Priscila Cardoso, sequestrada na saída de seu local de trabalho a Unidade Básica de Saúde do bairro Cidade Nova, em Santana do Paraíso e assassinada logo em seguida, o investigador passou a ameaçar e a ofender moralmente, pelas mídias sociais, um inspetor, um investigador e dois delegados da PC, dentre eles o prefeito de Santana do Paraíso, Bruno Morato.

As mensagens, pelo WhatsApp, ganharam repercussão na cidade no início do ano. Alegava o investigador, que fora ele quem descobriu o homem que passou a ser investigado como suspeito dos crimes e que fora ignorado por seus pares no andamento da investigação. A briga interna extrapolou os limites da corporação e viraram um escândalo.

Conforme a denúncia do MP, pelas mídias sociais o investigador passou a xingar e a atribuir práticas criminosas a outro investigador e ao inspetor do Núcleo Correcional. “Durante as investigações, o policial tentou fugir sentido a Governador Valadares, levando computadores e outras mídias e só não conseguiu por ter se envolvido em um acidente de trânsito na BR-381”, afirma o relatório.

O relatório da corregedoria cita que, "faz-se mister ressaltar que tais áudios, de autoria do investigado, também geraram forte mácula à imagem da Polícia Civil de Minas Gerais e, mesmo que de maneira indireta, aos demais órgãos estatais responsáveis pela segurança pública", cita o relatório.

Na conclusão, o relatório da Polícia Civil e a denúncia do Ministério Público apontam que o investigador buscava participar da operação policial com repercussão na região, visando angariar dividendos políticos nas mídias sociais, mas, por não ter sido autorizado, principalmente a integrar a equipe que foi ao estado do Espírito Santo buscar o autor confesso preso, passou a ofender seus superiores e colegas.

Além dos crimes de difamação, injúria e ameaça, o Ministério Público requer que o denunciado seja condenado em dano moral coletivo, no valor de R$ 50 mil, como forma de reparação.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Valdecir Vieira dos Santos

25 de novembro, 2021 | 19:22

“NÃO PODEMOS ESQUECER DO INCISO CINQUENTA E SETE DO ARTIGO QUINTO DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL.”

Ana Furtado

25 de novembro, 2021 | 08:12

“Parabéns a Polícia Civil e Ministério Público, unindo forças contra os maus policiais da região. Recentemente temos visto mais ações nesse sentido, o que mudou? Se investigarem mais chegarão a outras pessoas. Uma boa polícia começa dando força aos bons policiais e não escondendo os crimes praticados pelos maus.”

Envie seu Comentário