19 de novembro, de 2021 | 15:00

Réu acusado de matar o pai de criação em Ipatinga é sentenciado a 26 anos de reclusão

Wellington Fred
Julgamento foi encerrado na tarde de sexta-feira, no Salão do Júri Vito GaggiatoJulgamento foi encerrado na tarde de sexta-feira, no Salão do Júri Vito Gaggiato

Levado a julgamento pelo Conselho de Sentença nesta sexta-feira (19) em Ipatinga, André Rodrigues do Nascimento, de 24 anos, foi considerado culpado pela morte de seu pai de criação, Francisco Alves dos Santos, de 66 anos. Com as qualificadoras triplas (motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima) a pena foi fixada em 26 anos de reclusão em regime fechado. André respondeu ao processo recolhido à prisão e ao fim do julgamento voltou para o cárcere. Além deste crime ele também já tinha sido sentenciado por roubo à mão armada. André ficou conhecido em Ipatinga por praticar crimes e se apresentar fantasiado como o personagem Coringa.

A sessão desta sexta-feira foi presidida pelo juiz titular da Vara do Tribunal do Júri, João Paulo Júnior. O promotor de Justiça, Jonas Junio Linhares Costa Monteiro atuou na acusação e a defesa do réu ficou a cargo da Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais.

Conforme noticiado à época pelo Diário do Aço, Francisco Alves foi esfaqueado no início da madrugada de oito de agosto, véspera do Dia dos Pais, na rua Amarilis, no bairro Esperança em Ipatinga.

O relatório policial aponta que o idoso dormia quando foi surpreendido pelo filho adotivo armado com uma faca, que lhe aplicou golpes, no pescoço e várias partes do corpo. Socorrido por uma equipe do SAMU, o homem foi levado para o Hospital Márcio Cunha onde ficou internado por mais de 30 dias e morreu dia 13 de setembro de 2020.

Testemunhas ouvidas pela polícia informaram que pai e filho de criação beberam juntos à noite. Francisco Alves foi para sua casa e lá foi esfaqueado pelo jovem. Acusado de ser o autor do crime, André Rodrigues, estava em cumprimento de pena no sistema prisional por causa de um roubo que ele praticou em um restaurante no bairro Cidade Nobre e havia recebido o benefício de saída pelo Dias dos Pais.
[imageme75429]
Preso por policiais militares nas imediações do local do crime, no bairro Esperança, o jovem presidiário afirmou que a intenção era mesmo a de matar o seu pai de criação.

Antecedentes

Quando era adolescente, André Rodrigues participou do assassinato de Joana Aparecida da Silva Santos, de 49 anos, a mando do marido dela, crime praticado em 2012, no bairro Jardim Panorama. Ficou 45 dias internado no Centro Socioeducativo.

Já, maior de idade, André participou de seguidos assaltos e, por usar uma máscara, ganhou o apelido de Coringa, arqui-inimigo do personagem Batman, no Cinema. Em 2018, André foi preso pela primeira vez, depois de um roubo à mão armada em um restaurante no bairro Cidade Nobre.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário