08 de setembro, de 2021 | 07:14

Sinditanques encerra paralisação

Coordenada pelo Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais, paralisação pressiona o governo a reduzir o ICMS nos preços dos combustíveis

Arquivo SinditanquesMG
Paralisação foi iniciada segunda-feira e pressiona o governo de Minas a reduzir o ICMS sobre os preços dos combustíveis Paralisação foi iniciada segunda-feira e pressiona o governo de Minas a reduzir o ICMS sobre os preços dos combustíveis
Com atualização às 8h20
A paralisação dos tanqueiros em Minas Gerais foi encerrada. Na manhã desta quarta-feira os caminhões tanque voltaram a ser abastecidos na Refinaria Gabriel Passos, em Betim.

Anunciada pelo Sindicato das Empresas de Transportadores de Combustíveis de Minas Gerais (SinditanquesMG), a paralisação durou pouco mais de 24 horas e foi suficiente para provocar desabastecimento em alguns postos.

Os caminhões que deveriam ter chegado na noite de segunda-feira ou manhã de terça-feira não chegaram e, com isso, começou a faltar combustíveis em alguns postos.

Motoristas que voltavam da viagem no feriado de 7 de Setembro enfrentaram dificuldades em alguns postos de combustíveis para reabastecerem, principalmente com etanol e gasolina.

Em Ipatinga, no começo da noite de domingo alguns postos já apresentavam falta de gasolina e em um deles faltava etanol. “O caminhão que foi abastecer em Belo Horizonte ainda não chegou. Ficamos sem gasolina pela manhã e o etanol está no fim também”, explicou um frentista.

O presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sindtanque-MG), Irani Gomes, anunciou segunda-feira(6) que a greve seria por tempo indeterminado. O dirigente ainda não se posicional em relação ao fim do movimento.

O que querem os tanqueiros?

O SinditanquesMG reivindica redução do ICMS, por parte do governo de Minas Gerais. Irani Gomes atribui o preço alto dos combustíveis, para o consumidor final, ao imposto estadual e quer uma resposta positiva do governador Romeu Zema (Novo) no sentido de redução.

O governo do Estado afirma que as alíquotas não passaram por alterações recentes. Em janeiro de 2018 (o ICMS sobre preço da gasolina passou de 29% para 31% e sobre o etanol, de 14% para 16%) e em janeiro de 2012 (o ICMS do diesel saltou de 12% para 15%).

No mês de agosto, quando passou pelo Vale do Aço, o governador Romeu Zema (Novo) foi questionado pela reportagem do Diário do Aço sobre eventual redução na alíquota do ICMS sobre os preços dos combustíveis e explicou sobre as dificuldades.

“Eu sei que redução de impostos é um anseio de todo mineiro. Desde que me candidatei, assumi o compromisso de não aumentar nenhum imposto. Mas temos que lembrar que Minas Gerais tem situação financeira muito frágil. Nós ainda temos dificuldade em pagar folha de pagamento e 13º salário. E a própria lei [Responsabilidade Fiscal] impede redução de impostos, pelos estados, quando a despesa com pessoal está acima do limite da receita corrente líquida, que é o caso de Minas. Mas estou trabalhando neste sentido, estamos caminhados para que, no futuro, nós venhamos a ter redução de impostos e o mineiro pague um pouco menos por alguns produtos essenciais”, afirmou o governador.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Antonio

08 de setembro, 2021 | 18:29

“Opa.... O bacana... Dobra a sua língua pra falar do presidente.... Mais respeito.”

Kkkk

08 de setembro, 2021 | 13:39

“Paralisação de engano,tem alguém querendo aparecer. O que não aparece mesmo são resultado pro povão. Esta conversa pra min,entra num ouvido e sai no outro.Os picaretas estão surgindo da terra igual minhoca Tô de saco cheio desse tipo de gente.”

Anderson Vitor

08 de setembro, 2021 | 10:50

“Classe mercenária. Quem apoia o Bolsonaro não merece apoio.”

Juca

08 de setembro, 2021 | 09:05

“O brasil tem que investir em carros eletricos como esta fazendo em varias partes do Mundo e nao ser refem de petroleo .”

Envie seu Comentário