23 de janeiro, de 2021 | 08:10

Minas Consciente deverá ser revisto e permitir maior abertura dos serviços não essenciais

Reprodução
Carlos Eduardo Amaral destacou que a revisão do Minas Consciente não pode ser identificada como uma flexibilizaçãoCarlos Eduardo Amaral destacou que a revisão do Minas Consciente não pode ser identificada como uma flexibilização

O programa Minas Consciente do Estado deverá passar por uma revisão em seu modelo, de forma que as atividades não essenciais possam ter uma maior abertura. A informação é do secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, em entrevista à imprensa, na manhã desta sexta-feira (22). O programa Minas Consciente foi criado com o objetivo de orientar a retomada segura das atividades econômicas nos municípios do Estado durante a pandemia de covid-19. O anúncio foi feito no mesmo dia em que foi registrado um novo recorde de casos positivos da doença em Minas: 9.593 infecções entre quinta e sexta-feira.

Nessa sexta-feira, o município de Ipatinga anunciou que deixou o Minas Consciente, conforme já publicado pelo Diário do Aço.

Na entrevista, o secretário Carlos Eduardo reconheceu que o número de casos de covid-19 está elevado no Estado e que a taxa de ocupação de leitos vem se mantendo no topo há alguns dias. “Isso tem duas formas de ser avaliado. Primeiro, uma informação até que é boa, é que parou de subir. E a outra é que estamos em um nível mais alto, ou seja, ainda não caracterizou a queda”, citou.

Carlos Eduardo também destacou que a revisão do Minas Consciente não é para ser identificada como uma flexibilização. “Esse termo não é adequado. É uma revisão. Mais de 70% da população [está] vinculada é [a] serviços essenciais. Então significa que o restante dos serviços está entre 30%. E o que estamos tentando rever no Minas Consciente é passar a ter um padrão que envolva todos os segmentos. Aqueles que são ditos essenciais e os não essenciais terão protocolos restritivos e semelhantes. Os essenciais terão um pouco mais de restrição, de forma que os não essenciais possam ficar mais abertos”, explicou.

O secretário ainda ressaltou que isso ainda está em estudo e que equipes técnicas estão avaliando tal modificação, mas que possivelmente na próxima semana haverá alguma sinalização. “A cada dia buscamos trabalhar mais a longo prazo. E com a vacinação, a expectativa é que assim que chegarmos naqueles grupos mais vulneráveis, já vacinados, que são os grupos que efetivamente ocupam a terapia intensiva em sua maioria. Vamos começar a ter uma redução mais severa e brusca da ocupação de leitos.

Estado bateu novo recordo de casos registrados da covid-19



Minas Gerais registrou, nesta sexta-feira (22) um novo recorde de casos de covid-19 confirmados em 24 horas. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) foram 9.593 infecções entre quinta e sexta-feira, totalizando 677.809 desde o início da pandemia.

O último recorde havia sido batido no dia 15 de janeiro, quando o estado registrou 9.120 casos em 24 horas.
Ainda conforme o relatório, 62.818 pessoas estão em acompanhamento e outras 600.981 se recuperaram da doença no estado. Entretanto, 14.010 vidas foram perdidas na luta contra o coronavírus Sars Cov 2. A taxa de letalidade do vírus está em 2,1% em Minas Gerais.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário