07 de dezembro, de 2020 | 14:59

Tragédia na BR-381: motorista que conduzia ônibus se apresenta à polícia

Desaparecido desde a tarde de sexta-feira (4), quando um ônibus caiu da Ponte Torta, na BR-381, em João Monlevade, matando 19 pessoas, o motorista do veículo se apresentou à polícia nesta segunda-feira (7).

Conforme divulgado pelo jornal O Popular, de João Monlevade, Luiz Viana de Lima, acompanhado de uma advogada, chegou por volta das 13h30 na Delegacia Regional da Polícia Civil da cidade. Nem ele e nem a advogada responderam aos questionamentos da imprensa. Também se apresentou à polícia um representante da Localima, empresa responsável pelo ônibus.

O acidente matou 19 pessoas e deixou 29 feridas. Dez ainda estão internadas em dois hospitais: oito no Hospital Santa Margarida, em João Monlevade, e duas no Hospital de Pronto Socorro João XXIII, em Belo Horizonte.

Também no início da tarde desta segunda-feira, dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) transportaram 14 mortos na tragédia de Belo Horizonte para Mata Grande (AL). Quatro famílias preferiram transportar os corpos de seus entes de carro, numa viagem que dura cerca de um dia e meio.

Responsabilidade pelo veículo
Após prestar depoimento, o representante da Localima afirmou aos jornalistas presentes na porta da delegacia que o ônibus foi locado para a empresa JS Turismo, e que ela seria a responsável pela linha e venda de bilhetes de passagens.

Flaviano Carvalho esclareceu que a Localima está prestando assistência às famílias das vítimas. “A empresa Localima é apenas de locação e não faz transporte clandestino”, afirmou.

Já publicado

Corpos de vítimas de acidente na BR-381 serão levados hoje em avião da FAB
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário