28 de novembro, de 2020 | 17:50

Novo sistema de tarifação de água e esgoto está em discussão em Minas Gerais

Alex Ferreira/Reprodução
Agência Reguladora (Arsae-MG) discute quanto consumidores vão pagar pela conta de água e tratamento de esgoto nos próximos quatro anosAgência Reguladora (Arsae-MG) discute quanto consumidores vão pagar pela conta de água e tratamento de esgoto nos próximos quatro anos

Na semana que passou foi realizada a primeira parte da audiência do Conselho Consultivo de Regulação da Arsae-MG, quando foi debatida a nova sistemática de tarifação de água e esgoto em todo do Estado de Minas Gerais.

Na prática o que está em discussão é quanto o consumidor vai pagar nos próximos quatro anos. O anúncio da audiência foi noticiado uma semana antes, pelo Diário do Aço.

O assunto é polêmico, porque a agência reguladora trata a tarifação de maneira uniforme, sem levar em conta a especificidade de cada região.

Por causa da pandemia de covid-19, a audiência foi realizada de forma virtual pelo canal do YouTube da Arsae-MG (Arsae Minas Gerais).

Além de discutir temas como Metodologias de Tarifa Social, Revisão Tarifária da Copasa e da Copanor, entre outros, também foi feita uma apresentação sobre os impactos do Novo Marco do Saneamento.

O Procurador Jurídico do Município de Timóteo, Humberto Abreu, participou da audiência e admite que saiu dela preocupado. “Foram duas horas e meia de debates. Grande parte do tempo foi tomado pela discussão da tarifação. A situação é preocupante porque eles discutem uma tarifa para Minas Gerais como um todo. A tendência é que as tarifas piorem para os consumidores. Se não tiver uma ação coordenada entre prefeitos da Região Metropolitana do Vale do Aço (RMVA) e deputados que representam a região, as pessoas podem ser ainda mais sobrecarregadas com os custos dos serviços”, detalhou.

Reprodução
Humberto Abreu: Humberto Abreu: "Se alguém quer discutir cobrança de água e tratamento de esgoto, de forma forma séria e encontrar uma saída a hora é agora"


“Politiqueiros não deram as caras

Humberto abreu também afirmou que um dos aspectos curiosos da audiência foi a ausência de figuras da política timoteense, que, durante a campanha eleitoral passada tumultuaram o processo com informações falsas a respeito do contrato e dos serviços prestados no abastecimento de água e tratamento de esgoto em Timóteo. Nenhum dos atores envolvidos na discussão partidária apareceu na audiência para pedir uma solução.

“O assunto da Copasa em Timóteo é igual urso que hiberna durante quatro anos. Durante o período eleitoral todos o trazem à tona, discutem, acusam de forma injusta e apresentam supostas soluções. Passou o período eleitoral o urso hiberna novamente e só reaparece quando começa uma nova campanha eleitoral. Agora é o momento desse pessoal dar a cara e tratar o assunto de forma séria e encontrar uma saída”, afirma o procurador.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Eduardo Carvalho

29 de novembro, 2020 | 22:39

“Nesta semana estivemos no fórum de Timóteo cobrando uma decisão sobre nossa Ação Civil Pública, que questiona a cobrança da tarifa de esgoto de 97,5%. Com o fim das eleições esperamos que o judiciário aprecie nosso pedido de tutela de urgência de suspensão da cobrança da tarifa abusiva. Em nossa tese, defendemos que a cobrança da tarifa de esgoto de 97,5% viola o plano de municipal de saneamento de 2010, que recomendava tarifa de esgoto de 60% e cobrança só depois de 100% de esgoto tratado. Podemos afirmar sem receio, que pelo menos até maio de 2020, 87,5% do esgoto doméstico do Município não foi tratado e lançado in natura no rio Piracicaba. Cerca de 17200 usuários pagaram 97,5% de esgoto sem que o serviço fosse prestado. A devolução dessa cobrança indevida é obrigação da Copasa. Coragem ,perseverança e justiça!”

Angelo

29 de novembro, 2020 | 20:42

“Quem tem olhos vejam bem. Quem define as tarifas é a tal da a agência reguladora. E quem manda na agência reguladora é o governador. Se ele vai privatizar então já precisa deixar as tarifas altas para tornar a venda da Copasa atraente. Ou alguém está mesmo achando que os valores serão diminuído depois da privatização???”

Wemerson

29 de novembro, 2020 | 15:33

“Esse pessoal está de brincadeira estão roubando a população e ninguém faz nada”

Duvido

29 de novembro, 2020 | 12:19

“Cadê os deputados do Vale do Aço?”

João Basílio

29 de novembro, 2020 | 06:36

“A copasa tem é que tomar vergonha e tratar a população com respeito, tem 5 dias que a agua do bairro cidsde nova chega turva e suja e eles não explicam o motivo.”

Envie seu Comentário