Sobrevivente da covid-19 recebeu no sábado filho nascido enquanto estava em coma no HMC

Moradora da zona rural de Mesquita, mãe comemora a vitória dupla ao receber menino com 60 dias e bem de saúde; esse é o oitavo filho de Jussara Anício

Reprodução de vídeo


Jussara Anício comemora uma vitória dupla: sobreviveu à covid-19 e o filho foi salvo

Vencer a covid-19 já é uma vitória para qualquer pessoa nesse momento de pandemia, mas a mesquitense Jussara Aparecida Anício Ferreira, de 42 anos, tem algo a mais a comemorar. Ela estava grávida quando foi contaminada e teve que ser internada, ficou quase um mês em coma, período em que a equipe médica fez um parto de emergência para salvar a criança. Somente hoje, 60 dias depois do nascimento, o menino, saudável, foi parar nos braços da mãe, que também é uma sobrevivente.

Jussara conta à reportagem do Diário do Aço que, em uma consulta de pré-natal, no dia 29 de maio passado, relatou ao ginecologista que sentia falta de ar e cansaço havia há três dias. O especialista desconfiou que eram sintomas de contaminação com o coronavírus e a encaminhou para o Hospital Márcio Cunha, em Ipatinga.

Ela ainda passou pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no bairro Canaã, de onde saiu em uma unidade do SAMU e levada para o hospital Márcio Cunha novamente. O seu quadro de saúde agravou-se rapidamente e ela ficou desacordada.

Temendo pela vida do bebê a equipe médica que cuidava de Jussara tomou a decisão de fazer o parto da criança que ela esperava. Eduardo Rangel Ferrera Neto, nasceu no dia 3 de junho, de um parto cesáreo.

“O fato é que do momento em que sai da UPA em diante não vi mais nada. Fiquei 28 dias em coma, na UTI e mais três na enfermaria. Recebi alta médica no dia 29 de junho, mas meu filho permaneceu hospitalizado. Somente nesse sábado (8) eu o recebi, mais de 60 dias depois do nascimento. Posso dizer que para mim é uma vitória em dobro”, comemora a mãe.

Jussara agora busca ajuda para o pai dela, já idoso, que sobreviveu a uma amputação de perna e precisa de uma prótese


Jussara também agradeceu ao ginecologista e obstetra do Hospital Márcio Cunha, Anderson Azevedo Andrade, um dos profissionais que cuidou de seu caso. Após receber a alta médica ela fez questão de ir agradecer ao profissional.

Jussara disse que hoje se sente recuperada, mas ainda sofre os efeitos do tratamento para se recuperar da covid-19. “Dormência nas mãos e só posso andar devagar. Sinto a respiração ofegante se fizer esforço”, relata em entrevista ao Diário do Aço.

Oito filhos

A mãe conta que Eduardo é o seu oitavo filho. "O mais velho tem 24 anos, o segundo tem 21, o terceiro 18 anos, uma menina de 10, outra de 8, uma de 5 e um menino de 2. Agora Eduardo chegou para aumentar a fila", detalha.

Contaminação

Jussara diz não ter certeza de onde se contaminou com o coronavírus, mas não descarta que tenha sido nas viagens que fez para acompanhar o pai, com quem mora na zona rural de Mesquita. Com 90 anos, ele teve que ser submetido a uma cirurgia para amputação de uma perna.

Nas idas e vindas acredita que foi contaminada. O pai, que passou pela amputação, não foi contaminado e recupera-se da cirurgia.

A família, inclusive, busca ajuda para adquirir uma prótese de membro inferior. “Ele está bem de saúde, mas o efeito psicológico da perda da perna é pesado. Apesar da idade sempre foi uma pessoa muito ativa e ter que ficar limitado agora tem sido muito duro para ele. Meu pai sonha em conseguir uma prótese, mas não temos recurso nesse momento para essa aquisição”.

Jussara explica que a família aceitaria doações, caso alguma pessoa possa ajudar. O contato pode ser feito com a família pelo telefone (33) 99172-1039.

Veja outra história de superação:
Após ficar dias intubado por covid, médico ipatinguense celebra recuperação


Mãe em Mesquita MG é sobrevivente da covid 19 na gravidez

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Dionísio Ribeiro da Silva 09 de agosto, 2020 | 14:33
Deus salva quando ele que parabéns que Deus abençoe

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO