Jovem executado em bar em Ipatinga já tinha escapado de outros atentados

Atirador matou jovem à queima roupa e também disparou contra mulher e adolescente

Álbum pessoal


Natural de Itabira, Vitor Henrique Silva tinha 25 anos

O jovem que foi assassinado em um bar, na madrugada de sábado, em Ipatinga já tinha sofrido outros dois atentados e escapado com vida. Natural de Itabira, tinha diversas passagens pela polícia e também já tinha sido preso em Ipatinga.

Vitor Henrique Silva, de 25 anos, foi assassinado a tiros na madrugada de sábado (22) na rua Rubilita, no bairro Jardim Panorama (Caçula), em Ipatinga. Ele encontrava-se em uma das mesas de um bar, quando foi surpreendido pelo assassino que disparou os tiros à queima-roupa. Uma jovem de 22 anos também saiu ferida durante o crime.

O crime, noticiado mais cedo pelo Diário do Aço teve grande repercussão e levantou um debate nas mídias sociais sobre o funcionamento de estabelecimentos comerciais na madrugada.

O assassinato foi praticado por volta das 3h, conforme apurações do Diário do Aço. Vitor estava na companhia de N.A.S., de 22 anos, e uma adolescente de 15 anos. Eles bebiam e conversavam. O jovem estava sentado de costas para a rua.

O autor do crime parou uma motocicleta nas proximidades da Escola Municipal Everson Magalhães e caminhou até onde Vitor se encontrava. Uma testemunha viu que o criminoso não retirou o capacete e já apareceu com uma arma de fogo em punho, quando se aproximou da mesa onde estavam as vítimas.

Somente então Vitor olhou para trás. Nesse momento foi surpreendido pelo assassino, que chegou a encostar o cano da arma de fogo no rosto dele. Em seguida, disparou os tiros. N.A. e a adolescente saíram correndo, mas o atirador também efetuou tiros contra a jovem de 22 anos, que sofreu lesões no braço e na perna, no lado esquerdo. O autor do crime voltou à motocicleta e fugiu em seguida.

Uma equipe do SAMU foi acionada para socorrer as vítimas, mas Vitor foi encontrado morto. Já a acompanhante, N.A. foi atendida pelos socorristas e encaminhada para o Hospital Márcio Cunha, onde ficou internada.

Após os trabalhos da perícia, o corpo de Vitor foi removido ao Instituto Médico-Legal (IML) de Ipatinga para ser necropsiado. Até o fechamento dessa edição policiais militares atuavam no levantamento de dados que levassem ao assassino e à motivação para o crime.

Vitor é a quinta pessoa assassinada esse ano, em Ipatinga. No mesmo período do ano passado foram registrados dois homicídios.

Vítima estava em mesa de bar quando atirador chegou pelas costas

Primeira vez

N.A., no hospital, informou aos policiais que conhecia Vítor havia meses, mas foi a primeira vez que saiu com o jovem. Ela ainda acrescentou que terminou um namoro há algum tempo, mas não acredita que o ex-namorado possa ter alguma relação com o fato pois ele é uma pessoa tranquila. Esse ex-namorado chegou a ser encontrado, porém os policiais descartaram, inicialmente, algum envolvimento dele no caso.

Os policiais militares conseguiram identificar que Vitor foi alvo de uma ameaça no ano passado, inclusive, chegaram até o suspeito da ameaça durante o rastreamento. Esse suspeito do fato foi localizado, mas negou qualquer relação com o homicídio afirmando que a situação com Vítor já havia sido resolvida. Acrescentou que a vítima teria problemas com outras pessoas por ela ser “tirada” ou seja, que gostava de humilhar os outros.

Itabirano já tinha escapado de outros atentados



O Diário do Aço apurou que Vitor morava atualmente no bairro Veneza II, em Ipatinga e era natural de Itabira, onde já havia se envolvido em crimes diversos, além de ter sido vítima de dois atentados.

No primeiro ele escapou de ser baleado, mas no segundo, ocorrido em abril de 2015, o jovem foi atingido por dez tiros de um total de 15 disparados por um homem armado com pistola semiautomática.

A vítima só não foi executada porque havia policiais militares nas proximidades e prenderam o atirador no momento que ele recarregava a arma para terminar o “serviço”.

O motivo do crime, conforme apurações da polícia na época, seria uma vingança. Vitor seria suspeito de ser autor de um homicídio na cidade. Desde a sua recuperação, o jovem havia se mudado para Ipatinga.

A última ocorrência dele foi uma prisão por suspeita de envolvimento com o tráfico de drogas ao ser encontrado com entorpecente na avenida Macapá, no bairro Veneza I, em Ipatinga, no dia 31 de outubro de 2019. Vítor foi autuado em flagrante e recolhido à Penitenciária Dênio Moreira de Carvalho, em Ipaba, mas liberado provisoriamente um dia depois.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Papo Visão 26 de Fevereiro, 2020 | 21:50
" Muito velório rolou de lá pra cá, qual a proxima mãe que vai chorar...? " ????
Papo Visão 26 de Fevereiro, 2020 | 21:48
Diz o mandamento : Amem uns aos outros , Mas ate pela sombra você pode ser morto .??
William 23 de Fevereiro, 2020 | 13:01
O rapaz teve varias oportunidades de mudar de vida e nao quis,Deus faz de tudo para resgatar os seres humanos que vive distante dele, mas quando a pessoa rejeita a palavra de de Deus o seu final e triste.olha quantos livramentos que Deus deu para ele e mesmo assim ele nao acordou.Que esses jovens possam acordar para a realidade que estamos vivendo.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO