Núcleo de Emergências Ambientais envia equipe ao Vale do Aço

Técnicos farão diligências a grandes empresas com potencial poluidor em busca de resposta para mau cheiro que assustou a população

A investigação sobre o mau cheiro no Vale do Aço terá sequência nesta terça-feira (18). Uma equipe do Núcleo de Emergências Ambientais (NEA) de Belo Horizonte, ligado ao Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, se reunirá com a Polícia Militar de Meio Ambiente, onde juntos, realizarão diligências em empreendimentos, especialmente, os que já foram fiscalizados na semana passada pela polícia. A chegada dos integrantes está prevista para as 9h. A informação é do comandante da companhia de Meio Ambiente, Átila Porto.

Na terça-feira (11), moradores de diversos bairros em todas as cidades da Região Metropolitana do Vale do Aço (RMVA) e também do Colar Metropolitano, reclamaram de um forte odor que tomou conta do ar na região, que para muitas pessoas ficou irrespirável até a madrugada seguinte.

Em mensagens publicadas, principalmente nas mídias sociais, pessoas relataram ardência nas narinas, dor de cabeça e náuseas. Além de Timóteo, Coronel Fabriciano, Ipatinga e Santana do Paraíso, leitores do Diário do Aço relataram que também se sentiram sufocados pelo mau cheio em Ipaba, no distrito de Revés do Belém (Bom Jesus do Galho) e até Pingo D’Água.

“Serão analisados documentos e registros de monitoramento de odor lançados na atmosfera, no sentido de desvendar a causa do mau cheiro, registrado entre os dias 11 e 12, de forma a buscar uma resposta para a comunidade. Sempre que ocorre um caso como esse, buscamos apoio no Núcleo, que tem aparato adequado para tal. Eles colhem amostras, documentos e a partir da análise, irão emitir um parecer com suas constatações. Assim, poderemos tomar as devidas providências”, avalia o comandante Átila.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Pedrin Perito 18 de Fevereiro, 2020 | 07:53
Deveriam ter feito igual a Dilma que ensacolou o vento, seria uma. alternativa né não? Bastava ensacolar o odor que tava no ar*, deram mole, agora o núcleo vai gastar dinheiro publico e nao vai achar nda in loco, ou seja, tem 5% de chances de localizar a fonte do odor,até porque ela sumiu no mapa...

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO