Cantora capixaba é encontrada em Matipó

Renata Ribeiro foi dopada com medicamento para dormir e errou destino de viagem ao fazer transbordo de ônibus em Realeza; ela não tem sinais de agressão nem teve bens roubados

Reprodução


Renata Ribeiro Cardoso, 30 anos

A cantora capixaba Renata Ribeiro Cardoso, de 30 anos, que estava desaparecida desde sábado (9), foi encontrada desorientada em uma estrada de Matipó, na Zona da Mata mineira, fora da rota que ela deveria seguir para fazer uma apresentação.

Ela seguia de ônibus para um show em Itanhomi, no Vale do Rio Doce, mas não chegou ao desatino. Renata saiu de Marechal Floriano, na região serrana do ES, com destino a Manhuaçu, de onde seguiria para Governador Valadares.

O irmão da cantora, Ritieli Cardoso, informou que Renata foi localizada por um policial à beira de uma estrada na cidade de Matipó por volta das 9h30 desta segunda-feira (11) e encaminhada para o hospital da cidade.

No local, uma enfermeira a reconheceu por meio das reportagens publicadas informando o seu desaparecimento.

O familiar disse que Renata apresentava-se muito confusa, desorientada e com a voz fraca. Ela foi medicada e liberada ainda na segunda-feira. Os familiares a levaram para casa, em seguida.

Sem sinais de agressão

À imprensa capixaba, os familiares informaram que Renata está bem, descansando em casa com os dois filhos, um de um ano e outro de sete, não teve nenhum bem roubado e não tem quaisquer sinais de agressão.

O irmão da cantora informou que Renata disse ter embarcado em um ônibus e sentado ao lado de uma mulher, que seguia de Viana para Manhuaçu e essa mulher lhe ofereceu um remédio para dormir e informou que, para fazer efeito, deveria tomar uma alta dose.

Renata disse que ficou muito sonolenta mas, de Manhuaçu foi para o distrito de Realeza, onde embarcaria em outro ônibus para Governador Valadares. Ela pode ter se confundido e foi parar em Matipó.

Alegou a mulher, que sentindo-se muito cansada, procurou um hotel onde passou a noite de sábado para domingo. Alega que não conseguiu sair da cama nem se alimentar no domingo. Somente na segunda-feira conseguiu se levantar e ir para a rodoviária de Matipó, ainda desorientada, quando foi amparada por um policial militar e levada para o hospital. Ao dar entrada, foi diagnosticada com pressão baixa.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Palhaço 11 de Novembro, 2019 | 13:51
Será que doparam ela? Talvez alguém dentro do ônibus ofereceu algo a ela, e como começou a ser divulgado, liberou a moça..

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO