Campanha para traslado de ipatinguense alcança resultado

Família busca recursos para sepultar, no Brasil, corpo de Camila Mendes, assassinada pelo companheiro dela em Portugal

Álbum pessoal


Camila, de 30 anos, foi assassinada pelo companheiro em Portugal

Moradora do bairro Bethânia, em Ipatinga, a família de Camila da Silva Mendes, de 30 anos, faz uma campanha para arrecadar fundos suficientes para o traslado do corpo da ipatinguense, assassinada essa semana pelo companheiro dela, o também ipatinguense, Robson Mandela, de 38 anos, no distrito de Arruda dos Vinhos, em Portugal.

Os dois eram primos e moravam juntos havia em torno de cinco meses, em Ipatinga. Há menos de um mês decidiram ir para Portugal, onde Robson trabalhava na construção civil. Camila trabalhava em um restaurante. Ela deixou em Ipatinga uma filha de dez anos, fruto de outro relacionamento. Veja atualização da notícia: Família consegue doações para traslado de Camila Mendes.

Álbum pessoal


Para a polícia portuguesa, Robson Mandela matou a mulher por motivos passionais

Em entrevista ao Diário do Aço na tarde dessa sexta-feira, um dos irmãos, Werleis Silva disse que a família está desconsolada e muito abalada com toda a situação. A necropsia deve ser concluída na próxima segunda-feira. A partir daí começa a contagem de dez dias para que a família faça o traslado do corpo. Para isso, a família precisa de aproximados R$ 16 mil, de custo do serviço funerário. Com a finalidade de arrecadar fundos, a família lançou uma campanha nas mídias sociais em que pede ajuda financeira. Quem puder contribuir pode fazer a doação por uma conta no Banco Bradesco. Agência 2107. Conta 671570-2.

“Toda ajuda será bem-vinda. Na semana que vem o governo português nos informar do valor exato, mas o que sabemos nesse momento é que não fica por menos de R$ 16 mil”, observa Werleis.

Saiba mais:
Ipatinguense é preso em Portugal acusado de matar a mulher
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Moreira 09 de Outubro, 2019 | 05:33
Não tem os dados bancários do titular da conta??
Anonimo 07 de Outubro, 2019 | 10:00
Acho desnecessário enviar para o Brasil um custo exorbitante, pq não enterra aqui... Juntem a grana é dêem pra família em ajuda com a filha...
Bolson 05 de Outubro, 2019 | 17:33
RESUMINDO NÓS BRASILEIROS SOMOS UM POVO ENCURRALADOS. QUANDO A PESSOA ACHA UMA SAÍDA HONESTA VEM UM VERME DESSE E FAZ O QUE ESTA AÍ.
COMO SEMPRE A FAMÍLIA É CHORA.
Vitória 05 de Outubro, 2019 | 07:28
Eu não sei como e viver fora do Brasil que uma terra sem justiça,mas com certeza ele vai ficar preso por algum tempo,mas uma pessoa que eu conheço morava lá e o marido dela foi preso por ter mantido um caso amoroso com uma adolescente de 13 anos ele ficou preso por quatro anos ou menos e agora está de volta no Brasil ,vai saber se não vai fazer coisa pior aqui ,
Jovem Aprendiz 05 de Outubro, 2019 | 02:45
Juvenal, a questão a que me referi não é o crime passional em si, mas o fato de as pessoas irem para o exterior com aquela mentalidade de se tornarem milionárias ao voltarem para o Brasil. Muitos nem retornam, devido ao alto custo de vida encontrado em terras estrangeiras e pelo fato de não terem conseguido "fazer um gordo pé de meia" no país que escolheram para morar, isso é fato e com certeza você conhece casos de pessoas próximas ou de amigos seus assim. Quanto a morte da garota, compartilho contigo a pena de que o assassino custeie a herdeira legítima da vítima, no caso a filha, os custos com educação, moradia e lazer até a idade média que o brasileiro vive, ou seja, caso o assassino sobreviva na cadeia, que trabalhe na penitenciária e o salário seja revertido a filha da vítima até que ela complete 80 anos de idade. É claro que isso não vai trazer a mãe da menina de volta, mas pelo menos vai amenizar a perda da Ipatinguense e o sofrimento da pré-adolescente.
Juvenal 04 de Outubro, 2019 | 20:10
Jovem aprendiz.seus comentários são respeitados mas convém lembrar que crime passional não importa o lugar. Neste caso sendo em Portugal é possível que o assassino cumpra a pena devidamente e diminuir a revolta dos familiares. Aqui no Brasil está sujeito o júri absorver já que existe advogado que até chora no tribunal para .32impressionados isto quando não põe a culpa em quem perdeu tudo que tinha. O BOLSONARO EM QUEM NÃO VOTEI E ME ARREPENDO POR ISSO. CRIOU A LEI QUE OS CUIDADOS MÉDICOS NA REDE PÚBLICA NO CASO DESTE SERÁ COBRADO DO ASSASSINO.ACHO QUE DEVE SER COBRADO DESTE SUJEITO NESTE CASO PENSÃO ATÉ A CRIANÇA DELA COMPLETAR 18 ANOS.QUEM VAI COBRIR PSICÓLOGO PARA ESTA CRIANÇA COM SONHOS DESTRUÍDOS? QUEM VAI CUSTEAR ALIMENTAÇÃO SAUDE E EDUCAÇÃO? ??
FRANCAMENTE ESTA NA HORA DE MUDAR AS COISAS MESMO.
Jovem Aprendiz 04 de Outubro, 2019 | 16:03
É uma ilusão as pessoas irem para o exterior com o intuito de juntar dinheiro. O custo de vida lá é tão alto quanto no Brasil, pode ser que a qualidade de vida seja melhor, mas não tem como fazer um pé de meia gordo e ajudar os parentes nas "Terras Tupiniquins". Até hoje não vi uma família que teve um ente querido assassinado ou morto no exterior que tivesse condições financeiras para trasladar o corpo, sem que fosse obrigado a fazer campanha para arrecadar fundos e assim fazer um funeral digno na cidade de origem aqui no Brasil.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO