Com o sonho de voltar a andar, timoteense busca ajuda para comprar prótese

Com isso, ela precisa de ajuda financeira para comprar uma prótese, que tem o custo aproximado de R$ 30 mil

Álbum pessoal


Fabíola Ribeiro informou ao Diário do Aço que deseja adquirir uma prótese

Após sofrer um acidente de motocicleta no início desse ano, a timoteense Fabíola Ribeiro Jardim, de 44 anos, perdeu sua perna esquerda, que precisou ser amputada. Com isso, ela precisa de ajuda financeira para comprar uma prótese, que tem o custo aproximado de R$ 30 mil.

O acidente envolvendo Fabíola ocorreu em janeiro deste ano e foi divulgado pelo Diário do Aço na época. Ela ficou hospitalizada em estado grave no Hospital São Camilo/Vital Brazil, em Timóteo. Ela era a passageira de uma motocicleta que se envolveu em uma colisão com um carro na avenida Acesita, no bairro Olaria II, no dia 29 de janeiro.

Em entrevista ao Diário do Aço, Fabíola contou que saiu do hospital em março, com um quadro de saúde estável, mas precisou lidar com a perda da sua perna esquerda. “Foi uma situação muito complicada. Ainda mais que corri risco de morte após o acidente. Como o carro esmagou a minha perna esquerda, rompeu a minha artéria. Então perdi muito sangue. Mas foi feita a amputação e sobrevivi. No entanto, demorei a superar tudo isso. Só tive coragem de olhar para meu membro amputado quatro dias depois da cirurgia. Atualmente, já aceito o que aconteceu e fico grata por ter sobrevivido”, afirmou.

Superação

Fabíola também ressalta que ainda precisa acostumar-se com a realidade de não ter uma das pernas e busca se adaptar diante dessa situação, por isso ela precisa da prótese o quanto antes. “É uma realidade bem diferente da qual já estava acostumada a viver. Mas estou disposta a passar por todos os obstáculos. Recebo também a ajuda de muitas pessoas. Recebo atendimento psicológico e faço fisioterapia. Como estava desempregada quando sofri o acidente, ficou um pouco mais complicada a minha situação. Além disso, vou receber auxílio-doença só até janeiro de 2020”, explicou.

Dificuldade financeira

Conforme Fabíola, ela enfrenta dificuldades financeiras e não tem dinheiro suficiente para comprar a prótese, que custa cerca de R$ 30 mil. “Eu não tenho carro para me locomover e até hoje resolvo algumas coisas do acidente. Então uso muito serviço de transporte por aplicativo. E para eu voltar para o mercado de trabalho não será fácil. Além disso, até hoje o motorista responsável pelo acidente não me procurou para ajudar. Desse modo, por meio de amigos, surgiu a campanha para eu comprar uma prótese específica para minha amputação. Se for pelo Sistema Único de Saúde (SUS), demora muito. E quanto mais atrasa, pior é para mim. Então gostaria muito da ajuda das pessoas para eu voltar a andar”, relatou.

Doações

Os interessados em fazer algum tipo de doação, em dinheiro, podem depositar na conta 57.495-3, agência 2864-9, operação 51, beneficiária Fabíola Ribeiro Jardim, no Banco do Brasil. Ou então, podem contribuir por meio site www.vakinha.com.br. O número do ID da campanha de Fabíola é 604881 e tem como título “Voltando aos primeiros passos”.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Célio 17 de Junho, 2019 | 10:46
Porque comprar ?meu pai perdeu também perna acidente de moto e o estado lhe da prótese e de tanto em tanto tempo troca a prótese .
Elson 16 de Junho, 2019 | 16:59
Se aqui as leis fossem sérias, os causadores do acidente teriam de arcar com todas as despesas de tratamento, prótese e adaptações, até o fim da vida. Mas...
Perito 16 de Junho, 2019 | 11:52
Deus a abençoe que consiga sim , e possa caminhar para os caminho de Jesus. Pois é melhor entrar no céu com um olho do que ir pro inferno com os dois. Sei bem o que tá passando pois minha vó tive que amputar a perna por casa da diabetis, então acompanho um caso de perto e e muito doloroso.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO