Identificado corpo carbonizado encontrado na estrada dos Cocais

Vítima é um jovem morador do bairro JK, em Coronel Fabriciano, que se encontrava desaparecido desde o último domingo

Enviada para o WhatsApp Portal Diário do Aço


Webert Diniz morava no bairro JK, em Coronel Fabriciano

Webert Diniz Soares de Souza, de 24 anos, o “MC Betin”, é a vítima cujo corpo foi encontrado jogado em um matagal à margem da estrada de Cocais dos Arruda, na zona rural de Coronel Fabriciano.

Na manhã desta quarta-feira (29), os familiares estiveram no Instituto Médico-Legal (IML) de Ipatinga e confirmaram a identidade do cadáver achado no fim da tarde de segunda-feira (27).

O pai de Betin realizou o reconhecimento oficial do corpo do filho no IML de Ipatinga. A tia do jovem informou que leu a reportagem do Diário do Aço e desconfiou que poderia ser o sobrinho desaparecido desde o último domingo. Com a informação que o jovem encontrado morto tinha a tatuagem de uma bola em um dos braços, a família procurou mais detalhes com os profissionais do IML e confirmou a identidade.

A vítima, que morava no bairro JK, em Coronel Fabriciano, deixou uma filha recém-nascida e trabalhava com o pai como ajudante de pedreiro. Os familiares não quiseram falar sobre qualquer suspeição a respeito da morte de Webert, mas informaram que vão procurar a polícia para ajudar na tentativa de esclarecer o crime.

Queimado vivo

O Diário do Aço apurou que MC Betin estava vivo, quando foi queimado. Ele morreu asfixiado em decorrência do fogo que foi ateado em seu corpo envolvido em uma manta com a estampa de onça. Um pedaço deste tecido ficou intacto junto à cabeça do jovem, que apresentava ferimentos possivelmente provocados com uma faca.

O corpo de Webert foi localizado após uma ligação recebida pela Polícia Militar de um homem se dizendo chamar “Bruno”. Ele indicou que nas proximidades da caixa d’água que atende ao bairro Caladão, à margem da estrada dos Cocais, havia um corpo carbonizado. O caso está em investigação por parte da Polícia Civil.

Comentários

Sorriso®®® 30 de Maio, 2019 | 14:23
Respondendo a Emilly:
Isso vai acabar quando um bando de intelectuais maconheiros safados pararem de usar, quando o governo resolver tratar dependente químicos ao invés de prender, quando o playboysinho para de procurar drogas em bocas, quando o pai e mãe perder o medo de tratar seu filho como filho....
Rodrigo Pessoa 30 de Maio, 2019 | 10:07
Quem fez isso com o moleque não vai ficar impune pode tratar de meter o pé da cidade porque moleque era meu parente e vou correr atrás e prender esse tal pai que matou o garoto ,vou sair do rio com equipe em breve para apura esse crime isso nao pode ficar assim, será levado a justiça quem fez isso e aqui no rio ja recebi algumas informações desse crime quem foi,covardia queimar depois de esfaquear,pode contar essa bagunça na cidade vai acabar.
Morador Indignado 30 de Maio, 2019 | 08:09
O tráfico de drogas no Bairro JK, está um absurdo, tem tanta gente estranha, tantas bocas de fumo que dá medo até sair na rua. Na famosa biquinha então, o dia todo é um entra e sai de zé droguinha e o maior absurdo é que enchem a cara na droga depois assumem a direção de motos e carros, correndo o risco de causar acidentes.
Emilly 29 de Maio, 2019 | 16:27
Meu Deus quando isso vai acabar povo covarde jesus?????

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO