Presidente do Ipatinga renuncia e afirma ter saído com a certeza do dever cumprido

O dirigente, que em outros mandatos já atuara como diretor de marketing e assessor da presidência, justificou a renúncia

Wôlmer Ezequiel


Cristiano Aráujo em um dos momentos de alegria, com o troféu de campeão mineiro da Terceira Divisão em seu primeiro ano de mandato

Encerrada dentro de campo a temporada do Ipatinga Futebol Clube com a vitória de 4 a 2 sobre o Serranense, em Nova Serrana (seus gols foram de Andrey, 2 e Érick, 2) e a permanência no Módulo B do Campeonato Mineiro com o 6º lugar geral, o clube terá que passar por uma transformação também fora de campo. Tão logo ficou definida a permanência na divisão de acesso, o presidente Cristiano Araújo confirmou ao Diário do Aço a sua renúncia ao cargo, assim como o vice-presidente Vanderli Mendes e todos os diretores. O mandato, iniciado em 2017, se encerraria no final de 2020.

Problemas pessoais

O dirigente, que em outros mandatos já atuara como diretor de marketing e assessor da presidência, justificou a renúncia.

"Não dava mais para conciliar os afazeres, em minha empresa, com o futebol. A função requer dedicação integral, solução de demandas dia e noite. Acrescente-se a isto uma série de outros problemas pessoais pelos quais vinha passando desde o início do ano. Para não prejudicar uma instituição importante, marcante no futebol mineiro e brasileiro, que tem uma camisa de peso, prefiro me afastar com a certeza do dever cumprido", afirmou Cristiano.
O ex-presidente disse que, ao anunciar sua decisão de sair ao vice Vanderli, este também preferiu deixar o cargo, o que provocou a renúncia coletiva da diretoria, ficando a eleição de sua sucessão marcada para o dia 10 de maio próximo.

"Saio de cabeça erguida e pronto para continuar contribuindo com o Ipatinga, do qual acho que nunca vou me afastar por completo, seria sempre um colaborador e incentivador", completou Cristiano.

Avanços

Cristiano Araújo afirma que assumiu o clube na Terceira Divisão do Campeonato Mineiro, sem crédito perante fornecedores e profissionais do futebol, sem um centro de treinamentos equipado, dentre outras dificuldades, e entregará ao seu sucessor em outro patamar. Garante ter se valido da habilidade de negociar com todos os setores da sociedade para levar adiante o desafio de comandar o único clube em Minas Gerais que é campeão das três divisões de profissionais da Federação Mineira de Futebol. "Confesso que consegui ter muito jogo de cintura, aprendi muito, e um dos feitos da gestão é a de não ter atrasado os salários dos funcionários e do departamento de futebol", falou orgulhoso.

"Muito embora não tenhamos atingido o objetivo de chegar à elite do Campeonato Mineiro, o que seria possível e só não ocorreu por alguns errinhos nossos mesmo nos bastidores, deixamos o clube em uma situação que posso dizer, boa. Estamos no Módulo B, não temos dívida de minha gestão, não temos nenhuma ação trabalhista contra a gente, temos um centro de treinamentos de excelência, incluindo o estádio Sérgio Leite, estamos com a categoria de base em atividade e com a cidade novamente abraçada com a agremiação. Não tenho dúvidas de que, em breve, o Tigre será novamente destaque em níveis estadual e nacional. Está tudo no caminho certo", pontuou o agora ex-presidente ipatinguense.

Cristiano faz questão de citar a série de apoios que recebeu nesse seu período de gestão, sem os quais não seria possível cumprir com os compromissos e reinserir o clube no contexto do futebol mineiro. "Sou eternamente grato à Usiminas, ao Usisaúde, ao Luiz Carlos Miranda, à AAPI, à Nippon Steel, à Prefeitura de Ipatinga, ao Colchões Polar, à Convaço, ao Super Vale, dentre outros, que abraçaram a causa do Ipatinga e o fizeram novamente grande, provando que ele é uma marca, um produto da cidade", afirmou em entrevista ao Diário do Aço Cristiano Araújo. Disse esperar que esses mesmos parceiros sigam apoiando o clube, pois o sucesso será garantido

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO