Usiminas recebe 12 mil mudas de espécies da Mata Atlântica

As novas plantas beneficiarão os 54 municípios que fazem parte do programa no trabalho de recuperação de nascentes e áreas degradadas

Divulgação


Plantas beneficiarão 54 municípios que fazem parte do programa no trabalho de recuperação de nascentes e áreas degradadas

O Programa Mobiliza Todos pela Água, realizado pela Usiminas em parceria com a Associação e Consórcio dos Municípios do Vale do Aço (AMVA/CIMVA), recebeu uma doação de 12 mil mudas de árvores nativas da Mata Atlântica. A doação foi formalizada na última segunda-feira (15), em almoço oferecido ao engenheiro ambiental Ivan Leal, doador das mudas produzidas no Viveiro Mata Verde, em Santana do Paraíso.

As novas plantas beneficiarão os 54 municípios que fazem parte do programa no trabalho de recuperação de nascentes e áreas degradadas. Foram doadas mudas de lobeira, boleira, papagaio, pau-viola, aroeira pimenta, paineira, pau-d’alho e sangra d’água. Essas espécies foram selecionadas por terem grande potencial de fixação no solo, baixa perda durante o plantio e manejo e por promoverem a recomposição vegetal e a recuperação de áreas degradadas. “Aumentei a minha produção de mudas e, vendo a situação da nossa região e bom trabalho que vem sendo realizado, decidi contribuir com o programa”, informa Leal.

As parcerias fazem parte de um ponto chave do projeto, conforme conta o coordenador do Programa pelos Caminhos do Vale, Henrique Hélcio. “É essa mobilização que faz esse programa ter esse alcance. Além dos nossos parceiros, temos que mobilizar a comunidade. Essa doação mostra a credibilidade tanto do Mobiliza pelos Caminhos do Vale e do Todos pela Água, devido a seus resultados, além de ser um legado para as próximas gerações”, afirma o coordenador.

Mobiliza Todos pela Água

O programa surgiu a partir da contrapartida solicitada pela Usiminas das cidades que recebem a doação do agregado siderúrgico da empresa para a pavimentação de estradas rurais por meio do Mobiliza pelos Caminhos do Vale. No âmbito da ação, as nascentes são identificadas e mapeadas pelo Instituto Interagir, de Ipatinga. Logo após, é realizada uma caracterização ambiental e um estudo das suas bases cartográficas. Esse estudo já identificou as nascentes que receberão as 12 mil mudas, que estão sendo repassadas aos municípios. Cada um deve receber entre 500 e mil mudas.

Para receber as mudas, o proprietário da área onde a nascente está localizada assina um termo com o CIMVA, a Usiminas e a prefeitura municipal. As árvores devem ser plantadas nos locais indicados para a recuperação das nascentes com o objetivo de aumentar sua produção de água.

Mais:
Evitando o desperdício de água
Má conservação do Pico da Ana Moura causa indignação de moradores

Comentários

Jaimar de Castro Coura 17 de Abril, 2019 | 07:06
Plantar mudas de arvores no inverno quando não chove é o mesmo que irrigar o deserto. Plantas se desenvolvem e sobrevivem com mais facilidade na temporada de chuvas que começa no final da Primavera até o verão. Todo ano é a mesma coisa, órgãos públicos e privados inventam de plantar mudas no período da seca e o resultado é pouco expressivo.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO