04 de julho, de 2024 | 16:15

Lula reinstala comissão sobre mortos e desaparecidos políticos

Valter Campanato/Agência Brasil
Ainda existem 144 pessoas desaparecidas na ditadura militarAinda existem 144 pessoas desaparecidas na ditadura militar

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil - Brasília
A Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos foi reinstalada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O despacho com a medida está publicado na edição do Diário Oficial da União desta quinta-feira (4). O documento restabelece o colegiado nos mesmos moldes previstos de quando foi criada, em 1995, pela Lei nº 9.140/1995.

Encerrada em dezembro de 2022, no governo de Jair Bolsonaro, a comissão tem como atribuição tratar de desaparecimentos e mortes de pessoas em razão de atividades políticas no período de 2 setembro de 1961 a 15 de agosto de 1979. Entre outros pontos, cabe à comissão mobilizar esforços para localizar os restos mortais das vítimas do regime militar e emitir pareceres sobre indenizações a familiares.

Em 2002, a comissão especial passou a examinar e reconhecer casos de morte ou desaparecimento ocorridos até 5 de outubro de 1988, data de promulgação da Constituição Federal. E, em 2004, os critérios para reconhecimento das vítimas da ditadura militar foram ampliados para reconhecer pessoas mortas por agentes públicos em manifestações públicas, conflitos armados ou que praticaram suicídio na iminência de serem presas ou em decorrência de sequelas psicológicas resultantes de torturas.

No início do governo Lula, em 2023, o Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania adotou medidas administrativas e jurídicas para o restabelecimento da comissão. O Ministério Público Federal também recomendou a reinstalação considerando que a extinção da comissão ocorreu de forma prematura, já que existem casos pendentes de vítimas, incluindo os desaparecimentos da Guerrilha do Araguaia e as valas encontradas nos cemitérios de Perus, em São Paulo, e Ricardo Albuquerque, no Rio de Janeiro.

Em julho do ano passado, a Coalizão Brasil por Memória Verdade Justiça Reparação e Democracia, grupo formado por dezenas de entidades de defesa dos direitos humanos, já havia cobrado do governo federal ações efetivas de políticas públicas de memória, verdade, justiça e reparação.

Marcelo Vigneron/Memorial da Resistência
Recuperação de ossadas de presos políticos no Cemitério Dom Bosco, em Perus, São PauloRecuperação de ossadas de presos políticos no Cemitério Dom Bosco, em Perus, São Paulo

Até hoje, existem 144 pessoas desaparecidas na ditadura militar.

Composição
Lula também dispensou quatro membros da comissão, o presidente, Marco Vinicius Pereira de Carvalho, representante da sociedade civil; Paulo Fernando Mela da Costa, também representante da sociedade civil; Jorge Luiz Mendes de Assis, representante do Ministério da Defesa; e o deputado federal Filipe Barros (PL-PR), que ocupava o cargo de representante da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.

Por outro lado, o presidente da República designou como membros Eugênia Augusta Gonzaga, representante da sociedade civil que presidirá a comissão; Maria Cecília de Oliveira Adão, representante da sociedade civil; Rafaelo Abritta, representante do Ministério da Defesa; e a deputada federal Natália Bastos Bonavides (PT-RN), representante da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados

O decreto com as dispensas e nomeações também estão na edição de hoje do Diário Oficial da União.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Tião Aranha

04 de julho, 2024 | 19:55

“Reabrir o submundo dos porões da ditadura militar é pura perda de tempo. O que precisa ser revisto e esquecido é o apego a esse sistema capitalista injusto - imposto ao país depois de 1964. O agravamento da crise política é certo. É nossa obrigação alterar o curso da História numa ordem baseada na verdade, na Justiça, na caridade e na lei moral. E só podemos mudar a ordem material das coisas ajudando as pessoas e sem pedir nada em troca. Quando Cristo falou: "Eu vim para que todos tenham vida, que tenham vida plenamente e em abundância", ele não falou para os mortos. Ele falou foi para os vivos! (...)Qualquer pessoa depois que morre ela só quer mesmo é tão somente o descanso eterno! Até o Fidel quis ser esquecido. Tá na Constituição de Cuba: qualquer homenagem ao mesmo. Qualquer citação do seu nome é proibido por lei. Por que aqui é diferente? Rs.”

Envie seu Comentário