18 de junho, de 2024 | 08:30

Consulta pública fará levantamento de espécies exóticas invasoras em Minas Gerais

Divulgação/Faperj
Espécies invasoras são plantas ou animais que não aparecem naturalmente em determinado localEspécies invasoras são plantas ou animais que não aparecem naturalmente em determinado local

Uma consulta pública pretende levantar espécies exóticas invasoras no estado. A iniciativa contará com o apoio do Instituto Estadual de Florestas (IEF). As atividades serão feitas pelo Instituto Hórus e o resultado do levantamento embasará a elaboração da Lista de Espécies Exóticas Invasoras de Minas Gerais.

Segundo o IEF, espécies invasoras são aquelas que ocorrem fora de sua área de distribuição natural e que podem provocar impactos negativos à biodiversidade e ao equilíbrio dos ecossistemas.

“Esse levantamento é o primeiro subsídio para a definição de diretrizes de orientação quanto ao uso, comercialização, posse e criação dessas espécies, e para ações de vigilância e monitoramento para detecção precoce e medidas rápidas de controle”, afirma a diretora de Conservação e Recuperação de Ecossistemas do IEF, Marina Dias.

O envio dos dados pode ser feito até o dia 19 de julho por meio da planilha, disponível no site no IEF ou pelo aplicativo "Invasoras BR Instituto Hórus", disponível pelo Google Play. O aplicativo é ideal para observações em campo, uma vez que é adaptado para receber fotos oriundas de celular. Artigos publicados sobre espécies exóticas invasoras em Minas também são aceitos e podem ser enviados para: [email protected]

“Esse trabalho também norteará atividades de educação e conscientização da população sobre os riscos associados às espécies invasoras e as vias introdutórias”, complementa a diretora de Proteção à Fauna, Laura Oliveira.

Espécies invasoras
Conforme dados do IEF, espécies invasoras são primariamente espécies exóticas, ou seja, plantas ou animais que não ocorrem naturalmente em determinado local, sendo introduzidas de alguma forma. Isso inclui até mesmo espécies do mesmo país inseridas em biomas ou ambientes diferentes de seu habitat original. Embora espécies exóticas façam parte do cotidiano, como plantas ornamentais e agricultura, o uso descontrolado dessas espécies pode resultar em impactos negativos nos ecossistemas locais.

Ainda conforme o instituto, atualmente, as espécies exóticas invasoras representam um dos principais fatores que causam impactos negativos à biodiversidade, ao equilíbrio dos ecossistemas e aos serviços ecossistêmicos, afetando diretamente a saúde e a economia. Um relatório recente da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos revelou dados alarmantes, destacando a urgência de abordar esse problema de forma mais incisiva em todas as esferas.

Ações do IEF
Em Minas Gerais, algumas espécies são reconhecidas pelo alto potencial invasor. Na flora, destaca-se o capim-braquiária, capim-meloso, leucena, lírio-do-brejo, pinus e eucalipto. Na fauna, as espécies mais problemáticas incluem o caramujo-africano, mexilhão dourado, javalis (ou javaporcos), bagre-africano, tucunaré, tilápia, e o mosquito da dengue, cujos impactos são enfrentados atualmente.

O IEF reforça que tem se concentrado em suas unidades de conservação, adotando medidas de prevenção, controle e manejo de espécies invasoras. Além disso, a participação em debates nacionais, como a Estratégia Nacional para Espécies Exóticas Invasoras do projeto Pró-Espécies, e a colaboração de outros estados por meio da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema) são essenciais para compartilhar experiências e promover políticas e normas eficazes.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Plínio o Câmara

20 de junho, 2024 | 15:30

“O eucalipto e o pinus podem ser exóticos mas, tem o lado bom que salva nossas matas da serraria certo, o mosquito sim tem que ser combatido : sugestão, colocar armadilhas com produtos para não prosperar o ovo e atrair a fêmea ok”

José Maria Ribeiro

19 de junho, 2024 | 16:25

“Ação acertada, visto o que outros estados, e minas vem sofrendo principalmente com javalis, e precisa urgentemente de um controle efetivo, pois acabam com lavouras, nascentes e até com espécies nativas, parabéns”

Tadeu Olimpo

18 de junho, 2024 | 09:49

“Invasor é o ser humano e sempre será. Abre matas e desmatas para o cunho financeiro, vide loteamentos desenfreados em todo o vale do aço e regiões.”

Envie seu Comentário