15 de junho, de 2024 | 07:30

Infratores já receberam multas por incêndios e queimadas no Vale do Aço, mas nenhum foi preso até o momento

Arquivo DA
Já são cinco registros deste crime durante os seis primeiros meses de 2024 Já são cinco registros deste crime durante os seis primeiros meses de 2024

Por Isabelly Quintão - Repórter Diário do Aço

Nos dias anteriores o Vale do Aço tem enfrentado aumento no número de queimadas e incêndios em áreas verdes, em função da ação dos incendiadores e do tempo seco, que facilita a propagação das chamas. A situação eleva apreensão aos moradores das proximidades dos locais onde a vegetação é incendiada. Leitores do jornal Diário do Aço questionam se os infratores têm sido identificados e se recebem algum tipo de punição pela prática criminosa.

A ação é tão comum nesta época. Na noite de quinta-feira (13), um incêndio criminoso, de grande proporção, consumiu toda a vegetação de uma encosta entre os bairros Cidade Nobre e Village Nobre, em Ipatinga. O fato gerou prejuízo à coletividade com o gasto do dinheiro público no combate ao fogo e houve intranquilidade entre os moradores das casas próximas ao local onde o fogo se alastrou. E, como em tantos casos, neste incêndio também não foi identificado o responsável pelo crime ambiental.

Os dados oficiais mostram que, até esta primeira quinzena de junho, o número de ocorrências relacionadas a essa infração já praticamente alcançou a quantidade contabilizada durante todo o ano que passou, segundo informações apuradas pelo Diário do Aço junto ao comandante do Pelotão da Polícia Militar de Meio Ambiente, Allan Teles.

Já são cinco registros durante os seis primeiros meses de 2024 e, durante todo o ano de 2023, o total foi seis. Em todos os casos os criminosos identificados foram multados, mas não foram presos.

“Muitos destes incêndios, em que não há autoria definida, são registrados pelo Corpo de Bombeiros. A investigação policial ocorre por meio da Polícia Civil com o intuito de identificar o autor. Essa prática, em quase sua totalidade, é criminosa. E se observa uma premeditação: os autores escolhem dias e horários propícios para cometerem o delito para não serem detidos em flagrante pela PM”, explicou Allan Teles.

Autuações
Tanto para incêndios quanto para queimadas, há autuações a serem aplicadas. Por se tratar de incêndio sem controle e colocar em risco recursos naturais, flora, fauna e segurança das pessoas, o incêndio florestal é proibido, não havendo autorização a ser expedida pelo órgão ambiental.

Já a queimada controlada, comumente usada em práticas agrícolas, pode ser feita em algumas épocas do ano, a depender de condições meteorológicas favoráveis. Desde que precedida de autorização do Instituto Estadual de Floresta (IEF), conforme estabelece a Resolução Conjunta SEMAD/IEF, nº 2.988, de 24 de julho de 2020.

“No caso de incêndios florestais, estando o autor em flagrante, ele será preso. A pena aplicada depende da conduta praticada. Se o crime ocorreu de forma dolosa, a pena prevista é de dois a quatro anos, de acordo com o Art. 41, da Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. O autor será conduzido à delegacia de Polícia Civil”, afirmou o comandante do Pelotão de Meio Ambiente.

Ele ainda acrescentou que, se a prática ocorreu de forma culposa (negligência), a pena prevista é de seis meses a um ano, de acordo com o Art. 41, da Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. “Neste caso, o criminoso é conduzido até uma unidade policial, onde é lavrado o Termo Circunstanciado de Ocorrência – TCO. Posteriormente ele será intimado pelo Juizado Especial Criminal para responder pelo fato”, detalhou.

“Além das medidas criminais adotadas, o autor é autuado administrativamente com a aplicação da penalidade multa, pelo cometimento de infração ambiental, variando o valor entre R$ 923,95 a R$ 15.839,10, por cada hectare ou fração de hectares queimados, a depender da localização da área. As medidas administrativas adotadas estão previstas no Decreto nº 47.383, de 2 de março de 2018”, alegou o responsável pela 12ª Companhia de Polícia Militar de Meio Ambiente (MAMB).

Quanto às queimadas, fogo controlado que não evolui para incêndios, Allan Teles pontuou que há “somente a aplicação de multa administrativas nos termos do Decreto nº 47.383, de 2 de março de 2018. Variando o valor entre R$ 791,96 a R$ R$ 10.559,40, por cada hectare ou fração de hectares queimados, a depender da localização da área”, concluiu.

As práticas criminosas
Queimadas e incêndios florestais são problemas ambientais que geram consequências críticas para o meio ambiente, se agravando em determinados períodos do ano que coincidem com a ausência ou diminuição acentuada de chuvas.

Embora incêndios controlados feitos para limpar terrenos ou renovar pastagens sejam comuns, geram riscos se não forem monitorados. Há ainda outros fatores que levam a ocorrência do fogo não controlado, como os naturais.

Contudo, a maior parte é resultado de atividades humanas, a partir de descuidos com fogueiras ou cigarros, por exemplo.

Tudo isso é capaz de causar a destruição de habitat, a emissão de gases de efeito estufa e a erosão do solo. Além dos impactos na saúde humana, como prejuízo na qualidade do ar e a visão dos veículos em circulação no trânsito, atrapalhando a segurança e deslocamento.

Colaboração da população
Em caso de incêndio ou queimada, as denúncias podem ser feitas por meio do 190 ou do disque-denúncia 181. O anonimato é garantido.

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Jane

08 de julho, 2024 | 22:13

“Se for aplicada a inteligência policial na investigação se descobre a motivação e o causador. Na virada do ano o quê deveria ser alegria e comemoração virou uma queimada na região entre Vila Celeste e Forquilha graças a foguetes e os tais Fogos de artifício que caíram no mato seco e começaram o incêndio na vegetação.

O que era para ser alegria acabou virando tristeza para quem viu a cena.
Claro que há as pessoas que não se importam, que tem aquele pensamento arcaico de que é "tudo mato"..

Mas ali dentro desse lugar que a pessoa acha que é "tudo mato" tem animais vivendo e tendo filhotes, pequenas nascentes de água. , E essas pessoas não sabem que essa vegetação está seca e está viva. Está apenas hibernando, ela não está morta. Morta ela fica com a queimada..

Também os tolos não sabem que o solo quanto mais queimado mais impermeabilizado fica ou seja absorve menos água. E em caso de chuvas fortes a água desce com maior velocidade em solos que foram queimados causando aqueles alagamentos, barro descendo o morro e às vezes descendo o próprio morro em cima da casa de alguém.

Enfim se quiser resolver o problema é seguir o dinheiro. Quem ganha com as queimadas? O quê as pessoas pretendem com essas áreas destruídas?
Afrouxamento da legislação ambiental para ganhar dinheiro com a destruição?

Minerar, lotear? Eu custo acreditar que uma pessoa vai gastar o tempo dela colocando fogo se não for para uma intenção financeira. Claro que tem uma doença mental chamada piromania em que a pessoa gosta de pôr fogo mas eu penso que isso deve ser uma minoria.
Mas nada que uns tempos pagando multa e ficando na cadeia não cure.

Quem fuma perto de área de vegetação deveria ter a decência de carregar uma latinha de refrigerante com pelo menos uns dois dedos de água para servir de cinzeiro. Alô motoristas dois dedinhos de água numa latinha de refrigerante dentro do carro não "empestia" o carro com cheiro de cigarro e evita destruíção de matas. Fica a dica.

Quantas multas foram emitidas e a pergunta que não quer calar Será que essas multas São pagas?
Por que ninguém é preso?
Porque todos os anos acontecem mais ou menos os mesmos lugares? Praticamente eu só ficar de Campana esperando que se consegue pegar os meliantes.

Por que na região nós normalizamos a destruição numa região que já está ficando cada dia mais feia em termos ambientais, mais seca, com diminuição de nascentes e consequentemente de diminuição da água disponível., rips que dependem de vegetação cada vez mais rasos.

Quem ganha com a destruição, eis a pergunta de um milhão de dólares que resolve o enigma.

Enfim porque entra a entra ano e saí ano e esse problema nunca é resolvido na região? O que falta ser feito efetivamente para resolver pelo menos regionalmente o problema.

Sabemos que política de Tolerância Zero em relação a qualquer tipo de crime reduz a criminalidade de uma forma geral. Que tal começarmos por crime ambiental e de trânsito.”

Não Sei

17 de junho, 2024 | 09:18

“Multas emitidas
Multas pagas (?)
Presos 0”

Chaves

16 de junho, 2024 | 02:51

“Tem que colocar esses infelizes é na cadeia, tem muitos cidadãos que tem problema de respiração e tem que passar por isso”

Envie seu Comentário