13 de junho, de 2024 | 06:00

Polícia Federal abre investigação sobre leilão de arroz

Suspeita de sabotagem: Conab também instaurou apuração interna, sobre empresas sem histórico de mercado que venceram certame público

Com informações da Agência Brasil
Ilustração
A compra internacional de arroz visa frear a disparada de preços promovida por atravessadores depois da catástrofe ambiental no Rio Grande do Sul A compra internacional de arroz visa frear a disparada de preços promovida por atravessadores depois da catástrofe ambiental no Rio Grande do Sul

A Polícia Federal (PF) instaurou, na tarde desta quarta-feira (12), um inquérito policial para investigar possíveis irregularidades no leilão realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a compra de arroz importado. De acordo com a corporação, o pedido de averiguação foi feito pela própria presidência da Conab, por meio de ofício, "diante de denúncias de que empresas sem histórico de atuação no mercado de cereais venceram o certame".

A Conab também solicitou à Controladoria-Geral da União (CGU) e à Corregedoria-Geral da própria empresa a imediata abertura de processo de apuração de todos os fatos envolvendo o leilão para a compra do arroz, que tem o objetivo de garantir estoques e evitar uma escalada de preço do produto, em decorrência da ação de atravessadores depois da calamidade pública no Rio Grande do Sul, o maior produtor do grão no país.

"Estas medidas têm como objetivo garantir toda a transparência neste processo, bem como prestar contas e dar a tranquilidade que a sociedade brasileira merece", informou a Conab.

A decisão do governo federal de anular o leilão da Conab foi anunciada dia 11/6, cancelando a compra das 263,3 mil toneladas de arroz que seriam importadas para o país. Também no mesmo dia, o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e Pecuária, Neri Geller, pediu demissão após suspeitas de conflito de interesse.

Matéria do jornal Estadão revelou que o diretor de Abastecimento da Conab, Thiago dos Santos, responsável pelo leilão, é uma indicação direta do secretário. Além disso, a FOCO Corretora de Grãos, principal corretora do leilão, é do empresário Robson Almeida de França, que foi assessor parlamentar de Geller na Câmara e é sócio de Marcello Geller, filho do secretário, em outras empresas.

Mais cedo, nesta quarta, o ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira, disse que o edital do novo leilão de arroz importado deve sair no prazo de uma semana até dez dias.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Jovino

13 de junho, 2024 | 21:21

“Gildazio, está transparente que Lula e refém, ele quer o poder pra curtir as viagens com a deslumbrada da janta, faz o que pode, e não quer perder o poder, infelizmente, este é um governo daquele cara que bêbado domina a situação, e ninguém percebe, tenho minha dúvida se este governo chega ao fim, Alckmin esta doidinho pedra, pra sentar cadeira definitivamente, quem viver verá.

Enquanto a fogueira das vaidades de Lula, continuar em alta, a base comprada, continua eternamente em festa.”

Gildázio Garcia Vitor

13 de junho, 2024 | 17:38

“Senhor Jovino, quem é o Senador relator da PEC Praias? Então! Tem jeito de esquecer o desgoverno Bolsonaro e sua familícia? Lira e Ciro são bolsonaristas.”

Jovino

13 de junho, 2024 | 15:41

“Só falta colocar a culpa bolsonaro, kkk. Este governo é nonsense, não tem jeito, tem que mandar esquecer bolsonaro e tocar o barco, tem muito cacique, e a base que apoio esse governo, só funciona a base de emenda, a PEC praias, se não fosse a PIOVANI, jogar no ventilador, ia passar batido, madeira in lira e Ciro Nogueira, tudo pelo nordeste, já estava tudo dominado.”

Gildázio Garcia Vitor

13 de junho, 2024 | 11:06

“Não tinha pensado na possibilidade de sabotagem, para mim era só incompetência mesmo. Mas pelo que vem ocorrendo, desde antes do primeiro turno das eleições de 2022, pode até ser.”

Envie seu Comentário