Expo Usipa 2024 02 - 728x90

09 de junho, de 2024 | 14:00

Amigos e familiares se despedem de Martha Azevedo

Silvia Miranda/Arquivo DA
Marha Azevedo tinha 78 anos, foi a mais importante colunista da história do Diário do Aço, no fim dos anos 1970 e anos 1980 e também foi produtora de shows artísticos  Marha Azevedo tinha 78 anos, foi a mais importante colunista da história do Diário do Aço, no fim dos anos 1970 e anos 1980 e também foi produtora de shows artísticos

Familiares e amigos despediram-se no fim da tarde de domingo (9), no cemitério Senhor do Bonfim, em Coronel Fabriciano, da jornalista, produtora de eventos e ex-colunista do Diário do Aço Martha Azevedo.

Considerada a mais influente colunista social que já atuou no Vale do Aço, Martha morreu na noite de sábado (8), aos 78 anos. Familiares informaram que ela estava internada no Hospital Metropolitano Unimed em função dos efeitos de um câncer contra o qual lutava há alguns anos. No fim de semana, ela não resistiu e seu quadro evoluiu para óbito.

Em setembro de 2021, a jornalista Silvia Miranda foi a autora da reportagem "As histórias artísticas de Martha Azevedo". Em entrevista à repórter, Martha rememorou os momentos de glória, ao lado de Xuxa Meneghel e outros artistas de expressão nacional.
Sílvia Miranda
Último registro de Martha feito pelo Diário do Aço, pela repórter Sílvia Miranda, em junho de 2022Último registro de Martha feito pelo Diário do Aço, pela repórter Sílvia Miranda, em junho de 2022

Além de atuar como jornalista, Martha foi também produtora de eventos artísticos de peso na região. Da sua amizade mais famosa com Xuxa, com o piloto Ayrton Senna e atores famosos, Martha relembrou como foram os anos de glamour vividos no Rio de Janeiro e viajando por todo o Brasil.

Atribui-se a ela a promoção de uma das primeiras apresentações ao vivo de Xuxa Meneghel, em um show produzido por Martha em Ipatinga.

Martha Azevedo era natural de Belo Oriente, morou em Belo Horizonte, onde formou-se em Jornalismo e seu primeiro trabalho foi no extinto Diário da Manhã, no Vale do Aço, na década de 1970. Também chegou a atuar no Diário do Aço, por vários anos.

"Logo no início, fiz um show do Roberto Carlos, no Campo da Usipa, com a renda destinada à Cidade do Menor, comandada pelo bispo Dom Lara. O Rei (Roberto Carlos) ainda estava começando a sua carreira e por isso a estrutura do evento foi pequena e ele veio de ônibus”, contou.
Arquivo pessoal
O primeiro “Xou da Xuxa” foi em Ipatinga, em 1985, e ocorreu devido a iniciativa de MarthaO primeiro “Xou da Xuxa” foi em Ipatinga, em 1985, e ocorreu devido a iniciativa de Martha


De um dos trabalhos mais importantes, ela destaca a cobertura da visita do Papa João Paulo II a Belo Horizonte, em 1980. “Tenho até hoje a credencial da cobertura da vinda do papa. Eu guardo com muito carinho, como se eu estivesse guardado a foto de um santo, porque eu tenho muita fé e isso foi uma marca pra mim”, falou com emoção.

Segundo Martha, ao todo foram 21 anos de jornalismo, passando por vários jornais e com destaque no trabalho das colunas sociais. Deixou o jornalismo em 1986 para dedicar-se exclusivamente à produção de shows, pois não conseguia mais conciliar os dois trabalhos, devido às muitas viagens que fazia, vindo ao Vale do Aço a cada três meses apenas. “Fazer Coluna Social na época era contar sobre a vida da sociedade e era uma disputa muito grande para quem aparecia mais e eu fazia muitos eventos”, relembrou.

Legado
Para o irmão, João Azevedo, o principal legado deixado por Martha é o seu lado humanitário. “A lembrança é da permanente preocupação que tinha com as pessoas. Ajudava a todos que necessitavam e gostava muito de fazer isso. Tinha esse lado filantrópico dela, inesquecível”, enfatiza.

Martha tinha 29 irmãos, entre aqueles do primeiro e do segundo casamento do seu pai. Nos últimos três meses, Martha recebeu cuidados em sua residência, no Cidade Nobre, da sobrinha, Karina Azevedo.
Arquivo pessoal
Entre tantas amizades com artistas, a mais famosa foi com a modelo e apresentadora Xuxa Meneghel e consequentemente com o piloto Ayrton SennaEntre tantas amizades com artistas, a mais famosa foi com a modelo e apresentadora Xuxa Meneghel e consequentemente com o piloto Ayrton Senna

Depoimentos de amigos e ex-colegas de trabalho enfatizam dedicação nos afazeres e cuidado humano



Em seu perfil no Instagram, a empresária, produtora e diretora de TV Marlene Mattos postou uma homenagem em que lamenta a partida de Martha Azevedo. “Hoje, 9 de junho, perdemos a companhia de uma amiga muito querida. Ela foi a pessoa que comprou o primeiro show de um trabalho ainda começando. Extraordinária pessoa! Fomos amigas por uma vida. Partiu hoje para a viagem que todos faremos. Descansou, porque estava em sofrimento. Vá em paz”.

Diário da Manhã
“A rainha do jornalismo do Vale do Aço, a incomparável Martha Azevedo acaba de nos deixar. No que tange a mim, ela nunca estará ausente, tão amigos, queridos e fiéis que fomos. Tive o prazer de tê-la como minha colunista social no Diário da Manhã. Por mais de uma década. Nunca conheci pessoa mais competente e extremamente obcecada pela sua profissão. Não tenho receio algum em afirmar que Martha Azevedo está agora sob a guarda de Jesus Cristo”. Este é o testemunho do ex-patrão e amigo dela, José Rodrigues do Amaral, o Carioca.
Sílvia Miranda
Duas lendas da comunicação: O ex-editor do Diário do Aço, João Senna do Reis, em visita a Martha Azevedo em 2021Duas lendas da comunicação: O ex-editor do Diário do Aço, João Senna do Reis, em visita a Martha Azevedo em 2021

Diário do Aço


Para João Senna dos Reis, ex-editor chefe do Diário do Aço, Martha Azevedo estava à frente do seu tempo. Assim que arrefeceu o período da pandemia, em 2021, ele conta que foi ao encontro dela fazer uma visita. “Ficamos horas lembrando das dificuldades de se fazer um jornal, no caso o Diário da Manhã, quando Ipatinga vivia o apogeu da indústria siderúrgica, e tudo o mais parecia ser irrelevante. Dessa persistência, vieram no rastro assessorias de imprensa, escolas de jornalismo e outras atividades inerentes à área da comunicação”, conta.

Senna acrescenta que Martha Azevedo era engajada em causas sociais es sempre usou o prestígio adquirido com muito trabalho e credibilidade em prol de instituições e pessoas necessitadas.

“Vieram as novas tecnologias e Martha continuou no topo, uma prova inequívoca da sua visão futurista para fugir ao trivial de futilidades do mundinho fashion de alguns colunistas. Estava afastada há muito das suas atividades laborais, mas o seu legado é perene. Como prova disso, o Diário do Aço tem recebido mensagens comovidas de leitores de todas as camadas sociais, desde a publicação de sua passagem, no fim da noite de sábado”, conclui.

A reportagem completa sobre Martha Azevedo pode ser lida no link 👉As histórias artísticas de Martha Azevedo
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

José Carlos Domingos

10 de junho, 2024 | 07:30

“Deus a tenha em ótimo lugar Mathinha, foi sempre uma ótima profissional, não consegui pessoalmente, mas sempre nutrir um grande respeito pelo trabalho e pessoa que é”

Antônio Marques

09 de junho, 2024 | 23:06

“Tive o privilégio de trabalhar ao lado de Martha Azevedo no extinto Diario da Manhã, onde eu atuava com chefe de oficina na área da tipografia, E por muitas vezes andei ao lado da Martha no seu chevette de cor creme. Que Deus a receba em Seus braços.”

Gildázio Garcia Vitor

09 de junho, 2024 | 17:08

“Retorno a este nobre espaço, que o Portal Diário do Aço disponibiliza para os leitores, com o objetivo de justificar o meu comentário para alguns analfabetos políticos das nossas Esquerdas.

Pedirei uns versos emprestados so Poeta.

"O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia.
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
[ ... ]
O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.

Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.
E por isso, porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
[ ... ]
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.

O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele."
(Fernando Pessoa)

Entenderam ou querem que desenhe?
Há mais de 100 anos, ou seja, um século, Lênin nos presenteou com um dos seus vários e importantes textos: "Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo".
A palavra "nossa", utilizada como justificativa por mim, é de cunho afetivo. De um admirador das possibilidades e conquistas do ser Humano, de todos eles. Não só da Martha Azevedo, que foi uma, entre tantos, que nos deixa grandes lições sobre esse admirar, que encanta os que sabemos o que é ser um Humanista.”

Edson Kenji

09 de junho, 2024 | 11:44

“Meus sentimentos, ela foi a primeira pessoa verdadeira a receber minha família em Ipatinga-MG.”

Luiz Guilherme Jr

09 de junho, 2024 | 11:43

“Uma pessoa muito autêntica e muito especial e que revolucionou o "Colunismo Social" do Vale do Aço!
Descanse em paz minha amiga e que Deus a receba de braços abertos!”

Suely Maria Braganca Melo Silva

09 de junho, 2024 | 10:12

“Vinda de Belo Oriente, Marta foi inicialmente e por um curto período funcionária da Bragança Móveis. Sua empatia e alto dom em comunicação logo a guiaram para o caminho que a levaria ao seu melhor destino, o de Colunista Social. Logo ela conquistou a sociedade Fabricianense e consequentemente todo o Vale do Aço.
RIP (Rest In Peace) Marta. Que o Céu a receba em festa e de braços abertos, assim como você recebeu aqueles com quem conviveu.”

Tião Aranha

09 de junho, 2024 | 10:07

“Ninguém é insubstituível; mas essa aí no ofício artístico da palavra será mesmo muito difícil de substituir. Pessoa comunicativa que marcou a história do jornalismo enquanto coluna social do Vale do Aço - numa linguagem clara que idosos e jovens compreendiam. Rs.”

Rômulo Ras Cantor

09 de junho, 2024 | 09:58

“Que pena! Marta Azevedo foi e sempre será uma referência de eficiência, profissionalismo e credibilidade...tive a honra e o prazer de fazer aberturas em grandes shows que ela produzia. Sempre serei grato!”

Valquíria Edilane da Silva

09 de junho, 2024 | 09:17

“Que Jesus abençoe e receba Martha Azevedo de braços abertos. Ficamos tristes de perder uma pessoa tão especial é dedicada, que corria atrás dos seus objetivos. Meus sentimentos a toda a Família é amigos.”

Luizcarlos Nunes

09 de junho, 2024 | 08:34

“Tive o prazer e orgulho de trabalhar com ela como fotógrafo ,é com pesar que venho deixar meu carinho e que Deus conforte o coração ?? da família amigos!”

Regis Castro

09 de junho, 2024 | 08:19

“Eu o Daniel Cristiano tivemos o privilégio de conhecer, trabalhar e sermos amigos da Marta Azevedo. Tivemos nossa primeira escola de esportes, RD Sports, em parceria com a Marta e foi uma troca de experiência incrível. Foram 4 anos de parceria que gerou uma amizade eterna. A Marta tinha um coração gigante, pensa numa pessoa que amava ajudar o próximo sem esperar nada em troca. Na última vez que nos encontramos numa festa e fizemos uma Foto juntos tiradas pelo Francisco Neto, ela me disse: vamos combinar eu, você e o Daniel para a gente comer o Mc Donalds e bater muito papo gosto muito de vocês, achei isso sensacional. Gratidão Marta Azevedo pelo ensinamentos e descanse em paz.”

Welisson Souza

09 de junho, 2024 | 07:58

“Cresci vendo Martha frequentar minha casa e o estúdio do meu pai.
Era uma pessoa competente e divertida.
Sem dúvida foi a maior colunista social que passou pelo Vale do Aço.”

Adamastor de Oliveira

09 de junho, 2024 | 07:20

“Foi, sem dúvida, a mais importante colunista social do Vale do Aço. Essa sabia, de fato, diferenciar quem realmente estava por cima e quem fingia que estava. Colunismo social não é fofoca, não é projetar falsos "ricos". Esse era o diferencial dela.”

Sebastião Botelho Dornelas

09 de junho, 2024 | 07:11

“Tive o prazer de conhecer a Martha e no curto período de convivência pude perceber o quanto era carismática e alto astral. Humana e humilde. Que Deus lhe conceda o descanso eterno”

Gildázio Garcia Vitor

09 de junho, 2024 | 05:11

“Apesar de nunca ter sido muito fã de colunas e de colunistas sociais, nem dos grandes jornais e grandes colunistas, como o imensurável, em todos os sentidos, Inbrhim Sued, mas.pela Marta, talvez por ser '"nossa", nutria grande admiração.
Perda irreparável! Meus sinceros sentimentos à família e aos amigos.
Que os deuses, em que acreditam, lhes confortem e acalmem o coração!”

Envie seu Comentário