08 de junho, de 2024 | 07:15

Agronegócio do café é alvo de operação contra o trabalho escravo em MG

Em ações coordenadas, a Polícia Federal, o Ministério do Trabalho e Emprego e o Ministério Público do Trabalho deflagraram uma operação conjunta de combate ao trabalho análogo ao de escravo em municípios da região de Santa Rosa da Serra e Campos Altos, em Minas Gerais.
Divulgação
PF, MPT e MTE atuaram contra o trabalho escravo em MG no fim de semana e 16 trabalhadores foram resgatados em uma operação conjunta.PF, MPT e MTE atuaram contra o trabalho escravo em MG no fim de semana e 16 trabalhadores foram resgatados em uma operação conjunta.


As operações foram iniciadas no dia 3 de junho de 2024, quando foram desencadeada após denúncias que apontavam fortes indícios de condições análogas à escravidão na cultura do café. Em resposta às denúncias, uma força-tarefa foi montada para investigar e coibir essa prática criminosa, resultando no resgate de 16 trabalhadores que viviam em condições degradantes e insalubres.

Os trabalhadores resgatados foram aliciados no interior da Bahia e encontrados em situação de vulnerabilidade, sem acesso a condições mínimas de segurança, higiene, saúde e dignidade.

Durante as operações, foram realizadas inspeções nas propriedades rurais denunciadas, e os responsáveis por tais práticas ilegais foram identificados e podem ser investigados pelos crimes de redução a condição análoga à de escravo, além de outras infrações trabalhistas. Os empregadores serão notificados e investigados pelos atos praticados.

Sexta-feira (7), os 16 trabalhadores receberam cerca de R$ 90 mil em verbas salariais e rescisórias. Os trabalhadores também terão direito a três parcelas de seguro desemprego e tiveram seu retorno aos locais de origem (interior da Bahia) garantido. O Ministério Público do Trabalho ainda está em negociação de indenização por danos morais individuais em favor dos trabalhadores. (Com informações da Comunicação Social da Polícia Federal em Minas Gerais).
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Gildázio Garcia Vitor

09 de junho, 2024 | 17:27

“Eita Zé Doido! Vosmicê que me matar de susto?
Enxerquei um Q no lugar do O. Na que citaste o nosso MST, é que descobri.
Ando lendo com os pensamentos,
principalmente depois das inúmeras cachorradas dos agrotrogloditas golpistas do Sul e do Centro-Oeste.
Parabéns pelo comentário! Gostei do "está lá quem quer."”

Zé Doido

09 de junho, 2024 | 07:52

“Uai, o Agro não é POP?
POP é a agricultura familiar, o MST, lá não tem trabalho escravo, está lá quem quer.”

Gildázio Garcia Vitor

08 de junho, 2024 | 14:04

“O MPT precisa, em primeiro lugar, instruir os cafeicultores sobre as ilegalidades cometidas por eles na contratação e oferta de alojamentos para esses trabalhadores, que ocorrem em grande quantidade de maio a julho, período das colheitas, oriundos principalmente do Nordeste.
Tenho certeza, que muitos cafeicultores de Orizânia e de São João do Manhuaçu, incluindo os muitos parentes, não têm nenhuma noção dos Direitos Trabalhistas que um "colhedor" de café tem. Provavelmente, nem sabem que existe uma tal CLT.”

Envie seu Comentário


MAK SOLUTIONS MAK - 300X250