06 de junho, de 2024 | 06:52

Justiça suspende leilão para compra de arroz importado

Aquisição é para conter preço do alimento, que subiu em até 40%; Deputados da oposição ao governo Lula representaram contra a medida

Com informações da Agência Brasil
Yandex / Divulgação
O arroz importado vai ser destinado ao setor varejista em geral e a proposta é que seja vendido a R$ 20 o pacote de 5 quilos; atualmente custa de R$ 25 a 42O arroz importado vai ser destinado ao setor varejista em geral e a proposta é que seja vendido a R$ 20 o pacote de 5 quilos; atualmente custa de R$ 25 a 42

A Justiça Federal em Porto Alegre suspendeu o leilão para compra de até 300 mil toneladas de arroz importado, marcado para esta quinta-feira (6) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O procedimento de compra foi adotado pelo governo federal para reduzir o preço do produto, que chegou a aumentar em até 40% por causa das enchentes no Rio Grande do Sul. O estado é responsável por 70% da produção nacional.

A decisão foi proferida pelo juiz Bruno Fagundes de Oliveira, da 4ª Vara Federal da capital gaúcha. O magistrado aceitou pedido de suspensão do leilão protocolado por deputados de oposição ao governo federal.

Apesar da disparada dos preços após a catástrofe climática do Rio Grande do Sul, no entendimento do juiz, não há comprovação de que o arroz nacional sofrerá impactos negativos esperados pelo governo em razão das enchentes no estado.

"Não é demais ressaltar que o estado do Rio Grande do Sul ainda sofre com os impactos diretos da enchente, o que justificaria, inclusive, dificuldade prática e precariedade, por parte dos produtores e entes locais, de manifestar adequadamente os seus pontos de vista perante os entes federais responsáveis pela importação do produto, o que justifica, ainda mais, a necessidade de suspensão do leilão, a fim de preservar a isonomia e a livre concorrência", argumentou Oliveira.

Cabe recurso contra a decisão do magistrado da primeira instância. A Agência Brasil entrou com contato com a Conab e Advocacia-Geral da União (AGU) e aguarda retorno.

Preço
Com a realização do leilão, o governo pretende vender o arroz em uma embalagem específica e a R$ 4 o quilo. Desta forma, o consumidor final pagará, no máximo, R$ 20 pelo pacote de 5kg. Atualmente os preços variam de R$ 25 a R$ 42 o quilo do pacote, mas com uma tendência de alta.

O arroz importado vai ser destinado a pequenos varejistas, mercados de vizinhança, supermercados, hipermercados, atacarejos e estabelecimentos comerciais em regiões metropolitanas, com base em indicadores de insegurança alimentar.

Para a Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul, não há risco de desabastecimento no país. Os produtores alertam para a qualidade do arroz estrangeiro e a manutenção das condições para consumo.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Antonio Carlos Cabral

06 de junho, 2024 | 14:21

“Infelizmente existe muita gente de caráter duvidoso. Vejam que alguns (muitos) aproveitam das tragédias para ganharem dinheiro. Alguns vendem até as doações recebidas. Povo danado. Os produtores e varejistas já estavam se preparando para ganhar em cima do povo com o preço do arroz. Na primeira semana já sentimos o impacto nos supermercados. A indústria dos boatos já estava movimentando. Se o governo não agisse rápido, já estaríamos pagando o cereal a mais de R$ 50,00.”

Antonio Carlos Cabral

06 de junho, 2024 | 14:15

“? óbvio que o varejista não vai se preocupar em importar. Eles sabem que repassam o aumento para o consumidor e o consumidor que se vire para comprar. O Governo precisa entrar sim nesta briga. O governo tem que olhar e fazer o que for melhor ou menos oneroso para o povo, principalmente os mais pobres.”

Gildázio Garcia Vitor

06 de junho, 2024 | 12:26

“Como já era esperado, o TRF-4 suspendeu a liminar e o governo pode realizar a compra do arroz.”

Feliz

06 de junho, 2024 | 11:50

“Cara na minha opiniao o arroz nacional ta caro mais sera por que .falta fiscalizaçao nos sup.o fertilizante. Aumentou .ou sera imposto que ta muito alto. Quando vc comp ta pagando emposto.o diesel pra trazer ele
1 e a distribuidora que compra do produtor e paga imposto. Sera que baixar. O imposto nao seria a solucao”

Gildázio Garcia Vitor

06 de junho, 2024 | 09:38

“Concordo parcialmente com o Sr. Homem Da Primeira Hora.
Mas não podemos deixar de levar em consideração que, tanto os rizicultores do RS quanto a oposição, também, estão fazendo "politica barata com esta tragédia". Além disso, se o princípio básico do capitalismo é a lei da oferta e da procura, para evitar o sacrifício de todos, com as elevações especulativas dos preços, provavelmente, pelos "atravessadores", uma das soluções emergenciais é a importação.”

Homem da Primeira Hora

06 de junho, 2024 | 07:36

“Vou falar aqui, não sei se vai sair, vou procurar moderar minhas palavras, claro e cristalino que o governo quer fazer política barata, com essa tragédia, quase 30 dias depois foi baixar o imposto de importação do arroz, um mecanismo eficiente de regulação preço do mercado, não tem aqui, o varejista compra no exterior, simples assim, por que o governo tem comprar arroz, tirem duas conclusões sem viés político.”

Envie seu Comentário