Expo Usipa 2024 02 - 728x90

06 de junho, de 2024 | 07:00

Os óculos de Miguilim

Ana Rosa Vidigal *


Uma das passagens mais lindas da literatura brasileira, a meu ver, é esta da descoberta do mundo por uma criança, chamada Miguilim, que põe os óculos pela primeira vez e se vê encantada com tudo ao seu redor. Narrada por Guimarães Rosa, com grande simplicidade e profundidade, como o olhar mesmo de uma criança, esse trecho nos diz muito sobre o maravilhamento que pode ser notado no que parece ser o mais comum no nosso cotidiano.

Para quem não conhece o trecho, conto aqui em poucas e singelas palavras: Miguilim era um menino que vivia com sua família em um interior isolado do sertão. Cresceu ali, junto aos pais, tio, avó e irmãos, além de trabalhadores do sítio. Entre montanhas, um lugar distante, sem avistar na estrada por semanas um outro viajante.

Um belo dia, passa por ali um senhor que descobre em Miguilim sua limitação de visão. Faz o convite para o menino colocar os óculos que ele mesmo estava usando. Tira-os do rosto, e os põe no menino. Miguilim fica deslumbrado, claro, com tamanha nitidez de tudo. Vê, então, até “a pele da terra”. O coração bate descompassado, há uma escolha a ser feita: ficar ali com a família, na condição de sua limitação, ou fazer a sua própria travessia, enxergando as coisas ‘com outros olhos’.

Fico pensando sobre a capacidade que temos de enxergar coisas com a amplitude simbolizada pelos óculos de Miguilim. Mas também, pelo lado oposto, nossa dificuldade em fazer isso. E em escolher, muitas vezes, a limitação. Acredito que seja um aprendizado constante, esse ‘aprender a ver’, a observar, a mirar, a fitar e a apreciar as coisas mais comuns do nosso dia a dia. E ver muita beleza ou potencialidade nelas.

Talvez, como Miguilim, precisamos de um incentivo para isso. Pessoas que nos impulsionam a ver coisas que antes passavam despercebidas. Sobretudo aquelas coisas que nos edificam, nos acrescentam e nos enriquecem a vida de alguma forma. O entusiasmo é partilhado: tanto de quem dá a oportunidade de observar por um novo olhar, quanto de quem recebe a oportunidade de descobrir essa nova visão.

Da ocasião inspirada pelos ‘óculos’ oferecidos e gentilmente ‘emprestados’ por alguém, vêm junto as possíveis ‘lentes’ de que podemos dispor a nosso favor. Lentes de generosidade. Lentes de coletividade. Lentes de amor.
“O entusiasmo é partilhado: tanto de quem dá a oportunidade de observar por um novo olhar, quanto de quem recebe a oportunidade de descobrir essa nova visão”


Na calçada, ouço um senhor idoso, à minha frente, cantarolando uma música antiga, cuja letra é uma poesia em si. Ouço por alguns segundos e sou embalada pela melodia. Permiti ‘ver’ a canção ali, na voz de alguém de um tempo saudoso, em que serenatas eram comuns e permitiam encontros diferentes de hoje em dia. Lentes de intergeracionalidade.

Mais adiante, um coletor de lixo transbordando, espalhando objetos e detritos para a rua e passeio, impossibilitando a passagem segura de pessoas, veículos, bicicletas. Quais lentes nos faltam, nesses momentos, para que nossa urbanidade seja ‘vista’ e entendida, por nós mesmos, como contribuição de cada um para o bem coletivo?

Ainda, no mesmo dia, quantas oportunidades podem surgir se acionamos as lentes da prosperidade, e observarmos, em muitas situações, ocasiões de novas conexões para alavancar projetos e criar novas parcerias? E, para o céu imenso sobre nós, sol, aves, árvores, jardins que podemos cultivar com o olhar, pelas lentes da abundância, e perceber que tudo isso está pleno de lições de generosidade e comunhão?

Tal como disse a mãe do menino “que carregava água na peneira”, em Manoel de Barros, prevendo, com ternura, no amor que ele emana, a sua manifestação em ser quem é, assim também o menino de Guimarães Rosa, ouviu da mãe a permissão para escolher ver mais além, e viver profundamente quem se é: “Vai, meu filho”.

Um empurrãozinho afetuoso de que necessitamos todos, uns pelos outros, para nos reabrirmos continuamente ao mundo: “é a luz dos teus olhos” que precisa ser acesa e assim permanecer, iluminando desde as pequenas às grandes coisas, para que possamos caminhar, com e como humanidade, ainda mais adiante.

* Professora, consultora pedagógica, psicopedagoga e jornalista. Doutora em Língua Portuguesa pela PUC Minas e Université Grenoble III, França. Atua na formação de gestores, professores, líderes e equipes, ministrando palestras e cursos nos domínios da Educação, da Comunicação e do Socioemocional, suas interfaces nas relações humanas e na construção do vínculo. Publica às quintas-feiras, na Editoria Opinião do Jornal Diário do Aço, temáticas relacionadas ao desenvolvimento humano na vida cotidiana. Instagram: @saberescirculares, email: [email protected]

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Warley

06 de junho, 2024 | 14:07

“Eu agradeço pelo convite em oportunidades únicas de aceitar a travessia. O convite ao novo. Ao inesperado. Ao sensível. O convite de ver com olhos que possam ver de verdade. Agradeço o emprestar desses óculos para ver além do meu mundo limitado. Por meio dessas palavras singelas e tão fundamentais nos tempos menos afetivos de hoje, que me levam a tocar uma outra possibilidade de vida. Fica aqui o meu muito obrigado por essa contribuição e proposta de aprendizagem.”

Heloisa Nogueira

06 de junho, 2024 | 13:28

“"Miopia de Miguilim", título dado a este trecho pelas professoras do grupo miguilim, foi muito importante para mim, afinal, marcou a minha entrada no Grupo Miguilim, por isso guardo um carinho especial por ele.
Além de ser o primeiro texto de Guimarães Rosa em que narrei, ele se tornou ainda mais especial por fazer jus àquele momento da minha vida (a passagem da infância para a adolescência), a troca de escola, os interesses que já eram outros... narrar este trecho me ajudou a enxergar e viver de forma mais plena todas aquelas mudanças.”

Daisy Cristiane

06 de junho, 2024 | 12:47

“Belíssima passagem!
Agradeço a você, Ana Rosa, por 'emprestar suas lentes', impulsionando  a quem estiver disposto, a releitura e reflexão do mundo externo e por consequência, interno.
Dessa partilha ampliamos conhecimentos, multiplicamos saberes que bem utilizados nos fortalece enquanto humanidade. 
Clareza, consciência, intenção e ação.”

Rogério Magalhães

06 de junho, 2024 | 12:31

“A busca pelo desenvolvimento pessoal é uma jornada constante em nossas vidas, uma busca pelo crescimento e aprimoramento de nós mesmos e a importância de cultivar esses valores em nossas vidas e acreditar na bondade e na evolução do ser humano. Como disse a própria Doutora Ana Rosa Vidigal ?Um empurrãozinho afetuoso de que necessitamos todos, uns pelos outros, para nos reabrirmos continuamente ao mundo?. Que bom ler um texto tão maravilhoso numa quinta de outono, Parabéns professora!”

Wilson Albino Pereira

06 de junho, 2024 | 11:55

“Bom dia, Professora Ana Rosa! Esplêndidos: o artigo e o livro. Uma vez mergulhado neste universo de vivências simples, roceira, contidiana, impossível sair ileso... Há passagens neste livro que provocam profundas reflexões sobre a natureza humana, sobretudo no âmbito familiar. Excelente!”

Gildázio Garcia Vitor

06 de junho, 2024 | 11:04

“Obrigado pelas considerações com os leitores-comentaristas!
Excelente artigo! Parabéns! Ainda mais sobre Guimarães Rosa e palhinha do Manoel de Barros, o Rosa da Poesia.”

Ana Rosa Vidigal

06 de junho, 2024 | 08:33

“E ainda gostaria de dizer que, agora, relendo o artigo, vi que nao mencionei um detalhe importante na história de Guimarães Rosa:

o viajante, que empresta os oculos a Miguilim, faz o convite para ele ir morar na cidade, comprar seus proprios óculos e frequentar uma escola. Assim, ver realmente a vida com outros olhos..

Por isso, torna-se simbólico o convite exatamente de um 'viajante', para essa 'travessia' singular de Miguilim, o movimento de incentivo da mãe do menino, o 'empurrãozinho', mencionado no texto, de que precisamos tanto, vez ou outra, para irmos mais adiante em nossa evolução particular de 'ver' o mundo sempre com lentes de descoberta e de virtude.

Bom, é isso.. Agradeço novamente as interações por aqui e por outros canais que vocês escolhem para divdir e multiplicar comigo a grande travessia que é a própria Vida.

Um abraço apertado e até a vista.”

Ana Rosa Vidigal

06 de junho, 2024 | 08:21

“Olá a todos!
Gostaria de agradecer os comentários de todos vocês aqui nesta coluna às 5afeiras. São contribuições importantes para fazer circular saberes, condição primeira, a meu ver, do nosso viver compartilhado neste planeta. Então, minha gratidão a vocês : )”

Envie seu Comentário