Expo Usipa 2024 02 - 728x90

15 de maio, de 2024 | 12:00

Sinais que as mídias sociais prejudicam a saúde mental e estratégias para manter uma relação saudável

Julio Cerquetane *


Preventivamente, precisamos ter um olhar consciente para as mídias sociais. Usadas de uma forma equilibrada, elas oferecem soluções produtivas e proveitosas. Porém, utilizando as redes como meio de entretenimento ou ferramenta profissional, de toda maneira acessamos a vitrine do mundo em tempo real, vemos a vida de pessoas que têm uma realidade totalmente diferente. Se a mente está condicionada a ver somente o que as crenças permitem, o frequentador das redes pode acreditar que 100% daquilo que está exposto é real, que não há nenhum tipo de edição, que a vida é sempre linda e isso pode ser perigoso, principalmente para quem sofre de depressão.

Abaixo, listo alguns sinais de alerta que evidenciam que o uso excessivo das redes sociais está prejudicando a saúde mental do usuário.

1) Isolamento social – veja como é paradoxal. Apesar de serem chamadas de redes sociais, uma das primeiras características de alguém que se torna “dependente digital” é deixar de lado a vida social. Então, recomendo atenção redobrada para a pessoa que você ama e que, aos poucos, tem ficado cada vez mais tempo em um canto, sem interagir, restrita ao microuniverso do telefone celular;

2) Descompromisso com os relacionamentos – outro termômetro que indica a proximidade da pessoa com a depressão é o momento em que ela prioriza as redes sociais e não se preocupa com as consequências que isso pode acarretar aos seus relacionamentos. Por exemplo: casais que se sentam à mesa para almoçar e, na verdade, só fazem “navegar”. Antes que a depressão se instale, o caminho é reduzir o distanciamento social, passando a interagir, viver e conviver;

3) Agressividade – proponha retirar o celular de alguém ou observe o comportamento da pessoa quando a internet cai. Se qualquer dessas situações deixar a pessoa agressiva, o sinal de alerta está aceso.

4) Bullying digital – estamos acostumados a ouvir ou ver esse tema debatido presencialmente, quase sempre no ambiente escolar. Entretanto, é nas redes sociais que os nossos filhos interagem e, uma vez lá, podem ser ofendidos pela aparência, pelo estilo ou por razões diversas. As pessoas que frequentam as redes sociais podem ser bem cruéis, o que deixa para nós, pais e educadores, o compromisso de entender “de quem” os nossos filhos são “amigos” e se recebem dessas pessoas o merecido respeito;

5) Comparação digital – cuidado com as associações e comparações involuntárias. Cada ser é único por essência, mas não é fácil legitimar essa unicidade, uma vez que vemos nas redes pessoas mais magras, mais belas, mais ricas, mais isto e mais aquilo. Lembre-se de algo que há de fazer toda a diferença no sentido de que você não se aproxime da depressão: a única pessoa que pode fazer comparações é você. Ou seja, ninguém vai forçar você a se comparar e, além disso, é possível ser feliz e manter a alegria do jeitinho que você é, com aquilo que possui e com as pessoas que escolheu para viverem ao seu lado.
“Apesar de serem chamadas de redes sociais, uma das primeiras características de um dependente digital é deixar de lado a vida social”


Cinco estratégias para estabelecer uma relação saudável com as redes sociais. Listo orientações simples, mas que fazem toda a diferença, e cabe ainda lembrar de que o óbvio, muitas vezes, não é tão evidente para quem enfrenta os males que afetam a mente.

1) Gestão do tempo – a maioria, quando quer navegar pelas redes, pega o celular ou o computador e começa, sem método ou controle. A dica é que estabeleça e respeite horários para navegar. Além de não ficar refém dos posts e dos vídeos, essa estratégia há de permitir que consiga tempo para as demais pessoas e áreas da vida que precisam de atenção;

2) Gestão de lugar – por mais que a empresa permita o uso de telefone celular ou das redes sociais no trabalho, cabe ao profissional o bom senso de evitá-las pela perspectiva pessoal. Ou seja, se está usando as redes para divulgar o produto ou serviço da empresa, sem problemas. Contudo, usar o horário que deveria ser dedicado ao trabalho para verificar posts pessoais é uma ação que não prejudica somente a empresa ou o patrão. Pelo contrário, o profissional prejudica a sua imagem, produtividade e carreira como um todo;

3) Excesso de grupos – observe que, nos últimos meses, decerto você foi convidado (em alguns casos, convocado) a fazer parte de um ou vários grupos das redes. Em dado momento, cabe estudar a hora de gentilmente se desligar, pois os grupos são os principais ladrões de tempo e escondem ainda um perigo: quase todo grupo tem protagonistas, opiniões acaloradas, ofensas, coisas positivas e outras nem tanto. Ao identificar o instante em que determinado grupo deixou de fazer bem a você, não hesite, nem se sinta obrigado a manter-se ali porque aprecia quem o incluiu. Certamente, a pessoa vai entender que você deseja sair para focar outras áreas importantes;

4) Respeito ao não uso das redes – há um certo preconceito em relação àqueles que decidiram usar pouco ou não usar as redes sociais, que preferem uma vida analógica e regada ao convívio presencial. Por mais que sejamos antagônicos sobre essa decisão, precisamos estar cientes de que é um direito da pessoa, que não pode nem deve ser julgada por isso, pois ela não está certa ou errada, simplesmente fez uma escolha e sente-se bem assim;

5) Redução – não é um assunto fácil, mas deve ser retratado. Às vezes, alguém nos pede amizade porque há amigos em comum e aceitamos. Com o tempo, descobrimos por meio das postagens que discordamos da maneira com que essa pessoa enxerga o mundo, a vida, as convicções e, sem querer, passamos a ter na rede uma pessoa de comentários tóxicos, inconvenientes, sempre disposta a embates desrespeitosos. Se esse é o caso, a recomendação é que não mantenha dentre os seus “amigos” alguém cujo conteúdo não lhe faz bem.

* Formado em Ciências Contábeis desde 1997. É empresário do segmento ceramista, é empreendedor social e fundador do Projeto “Eu Posso”. (@julio.cerquetane.oficial)

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Gildázio Garcia Vitor

15 de maio, 2024 | 12:27

“Excelente artigo! Parabéns!
Segundo Humberto Eco, "Às redes sociais deram o direito à palavra (voz) a uma legião de imbecis, que, antes só falavam nos bares, após um copo de vinho, e não faziam nenhum mal para a coletividade".
Entre as várias consequências da expansão das redes sociais estão as fake news e a propagação de bobagens que desvalorizam a Ciência e suas conquistas, como, por exemplo, o Terraplanismo e as vacinas "chipadas".”

Envie seu Comentário