10 de maio, de 2024 | 17:28

Fabricianense está na lista de presos mineiros foragidos depois da saidinha

Com informações do Ministério Público de Minas Gerais
O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça Criminais do Estado de Minas Gerais (Caocrim), inseriu no “Programa MPMG Busca” 24 condenados que receberam o benefício da saída temporária, em dezembro de 2023 ( o benefício também é conhecido como “saidinha de fim de ano”), porém não retornaram às unidades prisionais até o momento.

São procurados autores de crimes graves, como tráfico de drogas, crimes contra o sistema nacional de armas, homicídio, roubo, latrocínio, estupro, estupro de vulnerável, corrupção ativa, ocultação de cadáver.Eles estavam presos em unidades prisionais de Ribeirão das Neves, São Joaquim de Bicas, Bom Despacho, Teófilo Otoni, Muriaé, Nanuque, Ponte Nova, Coronel Fabriciano, João Monlevade, São João del-Rei e Mariana

O “MPMG Busca” objetiva a difusão e a interlocução interinstitucional a fim de promover a prisão de pessoas foragidas ou evadidas do sistema prisional consideradas como alvos prioritários em razão das particularidades de cada caso.

Com a providência, foram produzidos e divulgados cartazes contendo as fotografias, nomes, crimes cometidos e o nome da unidade prisional de onde os presos evadiram.

As instituições parceiras das forças de segurança pública de todo o país, incluindo as Polícias Civil, Federal, Militar, Penal, Rodoviária Federal e Interpol foram acionadas pelo Caocrim com pedido de colaboração para a captura dos foragidos

Beneficiados
Em dezembro de 2024, foram concedidas saídas temporárias a 3.760 no estado. Desse total,142 não retornaram às unidades prisionais de onde saíram no prazo fixado pelo Poder Judiciário, o que motivou ações de busca e captura pelas forças policiais.

Atualmente, 24 condenados ainda são procurados. A lista dos procurados está disponível no site do MPMG.

Canal de denúncias
Qualquer cidadão que tem informações sobre a localização de procurados pode denunciar à Ouvidoria do Ministério Público de Minas Gerais pelos telefones 127 e (31) 3330-9504 ou ainda por meio do portal da instituição. A denúncia é sigilosa.

Reprodução

Reprodução
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Oliveira

12 de maio, 2024 | 19:46

“Não podemos xingar o juiz que solta se estiver seguindo a lei. Quem faz as leis são os políticos. Então senhora palhaça, você deve lembrar em quem votou e a ideologia de seu representante.”

Chico Loko

11 de maio, 2024 | 09:28

“Praticaram crimes graves e foram beneficiados com saidinha temporária?
É isso que fomenta a prática de crimes e afins...infelizmente.”

Me Sentindo Palhaça

10 de maio, 2024 | 21:44

“O que mais assusta nessa merd@ toda é que esses bandidos cometeram os piores crimes que um verme possa cometer: ESTUPRO, LATROCÍNIO, HOMICÍDIO, TRÁFICO DE DROGAS...como pode, esse tipo de gente andar livremente entre nós? Como esses fdp que mandam soltar, conseguem dormir? Ah, é que tanto os políticos que fazem essas leis, qto os juízes que liberam esses bandidos, tem seguranças, vivem em suas bolhas de fortaleza. Estão cag@ndo para nós, meros mortais.”

Envie seu Comentário