11 de maio, de 2024 | 11:00

O que o empreendedor precisa saber sobre Economia?

Bruno Trindade *


Muitos empresários de grandes e pequenas empresas se deparam com uma verdadeira enxurrada de dados financeiros e sopas de letrinhas como SELIC, IPCA, CDI, KPI´s, PIB, DRE´s demonstrativos de resultados, balanços etc. Então, o que é realmente importante saber de economia para conseguir gerenciar uma empresa?

O empresário precisa saber em qual o ambiente econômico está inserido. Existem três indicadores básicos para observar: Crescimento do País (PIB), Inflação e Taxa Básica de Juros (no Brasil, a SELIC).

O Crescimento Econômico PIB (Produto Interno Bruto) nos mostra se o país está expandindo ou não. O PIB do Brasil aumentou 2,9% em 2023 e a previsão é de 2,05% em 2024. Nesse ambiente, significa que o seu negócio terá mais facilidade de crescer também. O contrário é verdadeiro: PIB negativo, será mais difícil.

Já a inflação, mede simplesmente o aumento de preços dos produtos e serviços. Mas quais são eles? São os produtos mais consumidos pelos brasileiros desde alimentos, transportes, habitação, vestuário, saúde e comunicação. Todos são colocados em uma média e resumidos em um índice. O mais utilizado no país é o IPCA (Índice de Preços ao consumidor amplo) que é medido e divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O nosso IPCA foi de 4,62% em 2023, ou seja, os produtos e serviços, em média, subiram de preços neste valor. Em um ambiente de inflação positiva, é possível aumentar seus preços de venda, mas também, é importante ficar de olho nos custos das compras.
“O melhor momento para investir na empresa (ampliações, reformas, novas unidades ou novos processos) é quando as taxas de juros estiverem baixas”


No contrário, quando a inflação é negativa (deflação) é um momento difícil para aumentar os preços de venda, mas abre um bom momento para cortar gastos.

Além disso, a Taxa Básica de Juros, SELIC (Sistema Especial de Liquidação e Custódia), definida pelo Banco Central é utilizada principalmente para controlar a inflação. Como? O BC altera essa taxa e os bancos se balizam por ela para definir os juros dos financiamentos às empresas. Ou seja, se a SELIC sobe, fique ciente que os empréstimos ficarão mais caros. Assim, o empresário pensa duas vezes antes de “pegar dinheiro” no banco. Isso limita obras, compras de equipamentos e novas contratações, “esfriando” a economia que consequentemente reduz os preços. Redução de preços já vimos que é o mesmo que deflação. Porém, isso também causa redução de crescimento (PIB). O contrário também é verdade: queda de juros causa queda de inflação e aumenta crescimento.

Portanto, o melhor momento para investir na empresa (ampliações, reformas, novas unidades ou novos processos) é quando as taxas de juros estiverem baixas. Neste cenário, espera-se eu os empréstimos estarão atrativos, a inflação prevista estará baixa e o crescimento esperado (PIB) estará alto.

Em resumo, os empresários de sucesso entendem esses ciclos e conseguem aproveitar os cenários, direcionando a empresa para expandir nos momentos positivos ou reestruturando em momentos difíceis.

* Consultor-Sócio da Avante Gestão, tem mais de 20 anos de atuação em consultorias como Falconi e Instituto Aquila, atendendo a clientes no Brasil, Canadá, Portugal e Bolívia.

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário