Expo Usipa 2024 02 - 728x90

09 de maio, de 2024 | 17:35

Hospital é condenado a pagar indenização a pai impedido de ver o nascimento da filha

Divulgação
TJMG entendeu que Casal deverá receber R$ 30 mil por danos moraisTJMG entendeu que Casal deverá receber R$ 30 mil por danos morais

A 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) modificou sentença da Comarca de Ipatinga e condenou uma instituição, mantenedora de um hospital, a indenizar um casal em R$ 15 mil, para cada um, por danos morais, após impedir o pai de acompanhar o nascimento da filha.

Em maio de 2022, por volta de 1h40, a mulher deu entrada na unidade de saúde. Ela foi atendida às 2h26, quando a médica que a examinou entendeu que o parto não era imediato e recomendou que fosse para casa. Entretanto, a gestante se recusou e permaneceu na sala de triagem. Por volta das 3h, a paciente começou a sentir fortes dores. As enfermeiras a levaram para a sala de parto, onde a filha nasceu às 3h20, mas a entrada do marido só foi permitida às 3h33.

O casal ajuizou ação pleiteando indenização por danos morais sob o argumento de que o homem foi impedido de dar suporte à esposa e assistir ao nascimento da filha. Além disso, alegou que a paciente teve o direito a um acompanhante desrespeitado durante o trabalho de parto.

A fundação mantenedora do hospital se justificou sustentando que "a conduta da equipe assistencial foi correta, não constando no prontuário a orientação de ir para casa, ao contrário, constou que a requerente seria reavaliada em três horas".

Ainda segundo a ré, o trabalho de parto da paciente "evoluiu de forma incomumente rápida", tendo a equipe adotado todos os tratamentos adequados. Solicitou a impugnação do pedido de indenização por danos morais, sob a justificativa de que não houve falha na prestação do serviço.

Em 1ª Instância os pedidos da autora foram indeferidos. Com isso, o casal recorreu. O relator, desembargador Amorim Siqueira, modificou o entendimento adotado em primeiro grau. Segundo o magistrado, a lei do acompanhante garante à mulher um acompanhamento durante o procedimento de parto.

O desembargador ressaltou que se configurou o dano moral porque o homem foi impedido de estar junto da esposa e de “presenciar momento tão importante, tanto para ele quanto para a parturiente, que permaneceu sem qualquer acompanhante durante o procedimento”.

O juiz convocado Fausto Bawden de Castro Silva e o desembargador Pedro Bernardes de Oliveira votaram de acordo com o relator.

(Com informações da Diretoria Executiva de Comunicação – Dircom Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Joseph

10 de maio, 2024 | 19:20

“Hoje, quando damos entrada em um hospital, temos de rezar e pedir a Deus, para sermos atendidos por um profissional competente, porque o que ocorre atualmente, são muitos erros, por incompetência das equipes de médicos(a), enfermeiros(a) e auxiliares. Então, temos que pedir a Deus, para que não aconteça com a gente, como vimos nesse caso reportados.”

Envie seu Comentário