Expo Usipa 2024 02 - 728x90

09 de maio, de 2024 | 14:18

Câmara aprova regras menos rígidas para plantação de eucalipto

CNA/Wenderson Araujo/Trilux
Texto segue para sanção presidencialTexto segue para sanção presidencial
Por Agência Brasil* - Brasília
O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nessa quarta-feira (8), projeto de lei que exclui a silvicultura da lista de atividades consideradas potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais. O texto altera a Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6.938/1981) e segue para sanção presidencial.

A aprovação em plenário ocorreu horas após a aprovação de caráter de urgência para apreciação do tema. Entre outras definições, a silvicultura compreende o cultivo de florestas plantadas para fins comerciais, como a produção de eucaliptos, pinus e mognos.

Divergência
O projeto gerou divergência entre grupos do agronegócio e ambientalistas porque ele permite dispensar o licenciamento ambiental prévio para atividades da silvicultura. De acordo com o artigo 10º da Lei 6.938, que instituiu a Política Nacional de Meio Ambiente, tal licenciamento é exigido de negócios “utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores”.

Ao excluir a silvicultura da lista de atividades potencialmente poluidoras, o texto permite dispensar o licenciamento ambiental de produções em larga escala de culturas como o eucalipto e o pinus, usados na fabricação de papel, celulose e madeira.

“Onde está o eucalipto é o chamado de deserto verde. Ali não prolifera nenhuma planta, nenhum animal, absorve uma quantidade excessiva de água”, disse Patrus Ananias (PT-MG). Para ele, o plantio do eucalipto deve estar conciliado com o equilíbrio ambiental.

Segundo o deputado Domingos Sávio (PL-MG) ser contra a silvicultura é ser contra o plantio de florestas. “Você precisa de madeira, ela faz parte da vida das pessoas. A madeira da silvicultura evita o desmatamento e ajuda a diminuir o aquecimento global”, disse ele, durante a sessão de votação.

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Antônio Madeira de Almeida

13 de maio, 2024 | 16:21

“A plantação de eucaliptos em grande escala torna toda a região vulnerável à seca,tudo vira um deserto com o tempo

Eucalipto só para a.agriculura familiar.”

Zé Doido

09 de maio, 2024 | 15:34

“Brasil sendo flexível com as leis ambientais enquanto isso, o meio ambiente dá seu recado, aumento do nível das águas dos oceanos, aquecimento global, falta de chuvas em certos locais, excesso de chuvas em outros, desmoronamentos de terras devido ao desmatamento nas encostas, enchentes, terras desérticas e por aí vai e por fim o que está acontecendo no RS, acham que é porque Deus quis, acham que é por acaso?
Fico pensando, pra que valerá tanto dinheiro, tanta riqueza nas mãos de pouquíssimos se nem oxigênio e um lugar habitável teremos num futuro bem próximo?
O verdadeiro animal são os humanos.”

Branca

09 de maio, 2024 | 15:10

“Ouvi vários comentários dos meus pais e avós, que onde planta eucaliptos a região fica desértica, visto que o eucalipto suga a água do solo, e embaixo dele nada produz! Com tudo que está acontecendo no Sul os deputados ainda aprova esse projeto, isso quer dizer mais derrubadas de árvores para plantio de eucaliptos! Que tristeza!”

Envie seu Comentário