16 de abril, de 2024 | 17:39

Chacreantes reclamam de desligamento de energia em Santana do Paraíso

Enviado por leitor
Cemig alega que desligamento é uma ação de combate a ligações irregulares no local Cemig alega que desligamento é uma ação de combate a ligações irregulares no local

Moradores de um chacreamento no município de Santana do Paraíso estão há cerca de 15 dias sem energia elétrica. O grupo reclama que o desligamento do serviço foi feito de forma truculenta e desrespeitosa pela Cemig. Os populares movem uma ação coletiva por danos morais e materiais contra a prestadora de serviço.

Um morador, que prefere não se identificar, procurou a reportagem do Diário do Aço para relatar que no último dia 2 de abril a Cemig cortou a energia de mais de 40 casas do Chacreamento "Córrego do Garrafinha", próximo ao Aeroporto Regional do Vale do Aço. Na reclamação, afirma que o serviço foi realizado de forma truculenta e arbitrária, sem nenhum aviso ou conversa com os moradores.

"A Cemig não avisou nada, chegou com a Polícia Militar, não conversando com ninguém e tratando alguns moradores com desprezo e arrogância como se todos fossem bandidos, cortando os cabos do poste e abrindo os padrões para recolher todos os medidores. Não houve respeito com os moradores, todos são pessoas de bem, trabalhadores e alguns são comerciantes em Ipatinga, geram emprego e fonte de renda, e nem assim foram respeitados".

A denúncia diz também que, além de ficarem sem luz, os residentes teriam ficado sem água, pois a água consumida é retirada de poço artesiano, que precisa de energia elétrica para funcionar. A segurança das casas durante a noite é outro ponto de preocupação, pois a comunidade fica isolada do centro urbano e todos têm ficado no escuro.
Enviado por leitor
Residentes alegam que empresa, sem nenhum, aviso foi cortando os cabos e recolhendo todos os medidoresResidentes alegam que empresa, sem nenhum, aviso foi cortando os cabos e recolhendo todos os medidores


Instalações
Os moradores garantem possuírem instalações regulares, que foram sendo colocadas pela própria companhia. O morador denunciante disse também que a comunidade realiza o pagamento da tarifa todos os meses, há cerca de sete anos. "A Cemig alegou que nossa energia foi ligada de maneira clandestina, mas ela mesma fez a ligação da luz e pagamos as contas todo mês, e a energia estava ligada gerando conta há mais de sete anos. No chacreamento tem pessoas especiais que necessitam de energia para máquinas vitais e geladeiras ligadas o tempo todo para manter medicamentos instáveis. Moradores estão com dificuldade de alimentar animais com poços artesianos sem energia", reclamou.

Posicionamento
Por meio de sua assessoria de comunicação, a Cemig declarou que executou ação de combate a ligações irregulares no local, após apurar que havia diversos padrões de energia ligados de forma clandestina na rede elétrica da companhia. E assim, com o apoio da Polícia Militar, foram retirados os medidores da companhia, bem como a fiação clandestina conectada ao sistema da Cemig.

Sobre a afirmação dos moradores com relação a estarem com instalações regulares, a empresa alega desconhecer casos de clientes regulares afetados por esta ação. "Nesse caso, é necessário informar o número de instalação do cliente reclamante para que a situação seja apurada. Trata-se de uma informação presente na conta de luz", argumentou a Cemig.

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Gilmar

19 de abril, 2024 | 18:47

“Como clandestino , se tem os medidores da Cemig , só se o erro saiu de dentro da própria Cemig , aí ela teria que abrir uma investigação dos funcionários responsáveis por essas ligações .”

Oliveira

17 de abril, 2024 | 12:10

“? fácil, é só provar a legalidade das ligações. O curioso é a Cemig chamar a polícia. Estando errada, estaria fazendo prova contra a empresa.”

Envie seu Comentário