12 de abril, de 2024 | 13:00

Violência, uma disciplina crescente no currículo escolar

Ailton Cirilo *


A violência é um mal que se alastrou em todas as esferas da sociedade não poupando as escolas. Em um cenário idealizado, as escolas seriam lugares seguros e acolhedores para crianças e jovens se desenvolverem cognitiva, intelectual e socialmente. Contudo, os problemas de segurança escolar são sérios e persistentes, afetando comunidades em todo o mundo.

Dados recentes revelam que os casos de bullying, agressões físicas, ameaças, abusos e até mesmo episódios de violência armada têm sido frequentes em instituições de ensino. Uma realidade que não deve ser ignorada, pois além da segurança dos alunos, impacta também o bem-estar emocional e o desempenho acadêmico desses jovens.

Em função disso, o mês de abril é dedicado ao combate ao bullying e à violência nas escolas conforme estabelecido pela Lei nº. 13.277/2016. Desde 2016, o dia 7 de abril é dedicado ao combate ao bullying escolar, uma oportunidade não apenas simbólica, mas efetiva para refletirmos sobre as medidas que podemos tomar para tornar nossas escolas lugares mais seguros e inclusivos.

Embora não seja fácil, é fundamental combater o bullying. Estratégias de prevenção, como programas de conscientização, promoção da empatia e estímulo à denúncia são essenciais para criar um ambiente escolar mais saudável. Além disso, é crucial investir na formação de professores e funcionários para identificar e lidar adequadamente com situações de violência.
“É crucial investir na formação de professores e funcionários para identificar e lidar adequadamente com situações de violência”



Mas a responsabilidade não se limita às escolas. Pais, responsáveis, autoridades e toda a sociedade têm um papel a desempenhar na proteção de nossas crianças e jovens. Devemos promover uma cultura de respeito, tolerância e diálogo de forma a criar um espaço seguro que não deixe o bullying prosperar.

É crucial que toda a comunidade escolar esteja envolvida nesse processo de combate à violência escolar. Os alunos devem ser incentivados a se manifestar e buscar ajuda sempre que necessário, sem medo de serem retaliados ou de julgamentos. Os pais e responsáveis devem estar atentos aos sinais de que algo está errado e também devem apoiar seus filhos de maneira ativa e amorosa. As autoridades, por sua vez, devem garantir que as leis de proteção às crianças e adolescentes sejam cumpridas e que medidas efetivas sejam tomadas contra os agressores.

Abril é um mês de oportunidade para que possamos unir esforços em prol da conscientização e da ação efetiva em busca de um ambiente escolar mais seguro e acolhedor a todos os alunos. A violência nas escolas é um desafio que pode ser superado de forma conjunta, visando a construção de um futuro onde nossas escolas sejam verdadeiros refúgios de aprendizado e crescimento para nossas crianças e jovens.

Com a participação de todos os atores envolvidos, poderemos criar um ambiente escolar verdadeiramente seguro e acolhedor, com cada aluno sendo respeitado e valorizado. E que o mês de abril não seja apenas um período de conscientização, mas sim o início de uma mudança real e duradoura em nossas escolas.

* Especialista em Segurança Pública

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário