Expo Usipa 2024 02 - 728x90

25 de março, de 2024 | 18:50

Paciente morre após instalar balão intragástrico e família denuncia negligência médica

Arquivo
Paciente de clínica foi socorrida e levada para a UPA, mas seu quadro de saúde piorou e ela não resistiu Paciente de clínica foi socorrida e levada para a UPA, mas seu quadro de saúde piorou e ela não resistiu

Uma mulher de 40 anos morreu em Ipatinga após sofrer uma parada cardiorrespiratória, horas depois de ter realizado um ajuste de balão intragástrico. A família de Francirley Maria denuncia um suposto erro ou negligência médica por parte da clínica onde o procedimento foi realizado.

Segundo os familiares da vítima, na tarde de terça-feira (19), Francirley passou mal durante o procedimento, teve uma parada cardiorrespiratória, após uma crise asmática, e precisou ser reanimada pela médica responsável pelo procedimento. Após ficar em observação por 30 minutos, ela foi liberada da clínica.

Francirley saiu com receita médica e medicamentos, mas foi orientada a procurar um hospital se as dores continuassem. Horas depois, já em casa, ao tomar um caldo de estrogonofe, a mulher passou a sentir fortes dores. A situação piorou na madrugada de quarta-feira (20).

Após entrar em contato com a clínica, os familiares resolveram levar a mulher ao Hospital Márcio Cunha. Lá, o médico plantonista, depois de fazer exame de raios-x e medicar a vítima, com Plasil e Tramadol, a orientou que procurasse novamente a clínica onde havia realizado o procedimento.

Assim que Francirley ganhou alta médica, a irmã e uma prima a levaram para a clínica localizada no bairro Iguaçu. Lá, ela recebeu medicação, mas não teria sido examinada pela médica responsável. Os familiares pediram para constar no relatório médico sobre a intercorrência durante procedimento, pois o laudo não citava o problema.
Na madrugada de quinta-feira (21), a vítima sofreu uma nova parada cardiorrespiratória e faleceu. O Samu chegou a ser acionado, mas a ambulância teve um pneu furado, o que atrasou o socorro e o deslocamento para a UPA, no bairro Canaã.

No percurso, após a troca de ambulância, os profissionais do Samu tiveram que parar para realizar uma massagem cardíaca por cinco minutos na paciente. Em seguida, continuaram o trajeto para a UPA onde a mulher foi atendida.
A paciente recebeu atendimento, mas não resistiu e morreu depois dos esforços dos profissionais. A certidão de óbito entregue à família indicou a causa da morte como “desconhecida” e que o local do óbito foi “em domicílio”.

O que é

Balão intragástrico é uma prótese gástrica de silicone, que é introduzida no estômago por meio de procedimento endoscópico para o tratamento da obesidade ou de doenças metabólicas. Não é considerado um procedimento cirúrgico. Trata-se de um tratamento temporário, que pode durar em média seis meses.

Caso levado para a polícia

A família da vítima registrou um boletim de ocorrência na Polícia Militar, acionando uma viatura na UPA. O prontuário médico da vítima foi apreendido pelos policiais.

Por determinação do plantão da Polícia Civil, o corpo da vítima foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML) de Ipatinga para ser necropsiado.

Fontes ouvidas pela reportagem do Diário do Aço informaram que a causa da morte da mulher foi uma perfuração no estômago, que pode ter provocado o óbito da vítima.

O sepultamento do corpo de Francirley Maria, após ser velado na capela do Grupo Zelo, ocorreu no fim da tarde de sexta-feira (22), no Cemitério Parque Senhora da Paz, no bairro Veneza II. O inquérito aberto pela Polícia Civil vai investigar a denúncia da família de que houve falhas no atendimento à paciente desde o começo do tratamento.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Verdade Nua e Crua

27 de março, 2024 | 16:54

“absurdo!!!! até um leigo no mínimo encaminharia a paciente ao hospital após uma parada cardiaca. e pior, fiquei sabendo q teve omissão no relatório da clínica, prova a intenção de omissão, e isso pode ter custado a vida da mulher, pois os médicos do hmc, upa e samu não sabiam desta condição, certamente acreditaram que não iria dar em nada mas a paciente só foi evoluindo e chegou a morte. JUSTIÇAAAAAA”

Hemelly

27 de março, 2024 | 13:06

“Um absurdo completo, negligência médica evidente! Uma parada cardiorrespiratória e ser mandada para casa? Loucura dessa profissional, que Deus conforte a família e que a justiça seja feita!”

Juliene

26 de março, 2024 | 19:24

“Deus conforte a família”

Seara

26 de março, 2024 | 15:14

“Infelizmente, aconteceu este ocorrido com esta paciente. Meus sentimentos. Que Deus conforte à família. Ano passado, minhas duas filhas, passaram por este procedimento. O apoio recebido da médica foi até ao momento que foi colocado o balão. O balão rompeu no estômago de uma de minhas filhas. Minha filha não teve assistência devida. O que causou uma ferida, gastrite forte e bactéria H.P. e o gasto com a medicação na época foi muito alto. A mesma orientou a equipe a comunicar minha filha que qualquer intervenção, ela teria que pagar a proxima consulta.
Após a retirada do balão, a médica não deu a assistência devida, devido o rompimento do mesmo.
Foi um investimento muito alto. Ilusão. Como foi citado acima, existem outros meios para perder peso.
Querem fazer este procedimento, procure uma clínica que tenha UTI.
Se ame. Aquele contrato que você assina no momento do procedimento, leia com bastante atenção. Porque depois se precisar de buscar socorro na justiça, esse contrato não te dará nenhum respaldo. Graças a Deus minhas filhas retiraram o balão e estão muito bem. Foi negligência.”

Charliene

26 de março, 2024 | 09:39

“Provavelmente a medica responderá um processo, e nao dara em nada, continuará atendendo pacientes e atuando como medica "Blogueira" e provalmente nao carregara nenhum remorço por ter cometido um erro medico, pois o que importa sao os lucros ne.. os pais que perderam uma filha que fica assim sofrendo e tendo que correr atras de justica”

Triste

26 de março, 2024 | 09:17

“A dor da perda de um ente querido é sentida profundamente...e dessa moça respingou em todos a sua volta...o filho de 6 aninhos autista..que chama a mãe a todo instante, procurando por ela em casa!!Fico chocado,por não expor a médica e a clínica...Pensam somente em lucrar...triste!!”

Sacapó

26 de março, 2024 | 08:02

“Há uma dúvida aí.
A introdução desse produto, não fura estômago.
A sonda é macia e flexível.
Não seria um úlcera existente?
Deveria ter feito exames antes.”

Nile

26 de março, 2024 | 05:22

“Essa médica foi muito irresponsável, a família ligava e falava que ela estava passando mal e ela mandava tomar rivotril que era ansiedade, mesmo sabendo da parada cardiorespiratoria que ela sofreu na hora do procedimento.”

Fico Pasmado

26 de março, 2024 | 05:08

“O caso tem uma sucessão de erros e desentendimentos que nunca vi: primeiro a clínica particular, procedimento seguido de várias incongruências, depois hospital, depois UPA, ambulancia do Samu sem condições de roda. Laudos falhos. Cruzes.”

Homem da Primeira Hora

26 de março, 2024 | 04:43

“Que história, fez procedimento particular, depois foi Márcio Cunha, depois UPA.”

Valdecir

25 de março, 2024 | 20:55

“Absurdo! Poderiam ter feito exames para detectar o problema. Preferem enxer o paciente com medicamentos e mascarar o problema. Estamos nas mãos da máfia branca.”

Xisto

25 de março, 2024 | 20:50

“Primeiramente me solidarizar com a família, pela perda imensurável de seu ente querido. Mas, não posso deixar de comentar aqui sobre impunidade médica. Tentem fazer uma denuncia no CRM, pedem até assinatura da NASA, ao invés de se preocuparem em averiguar a conduta médica. Na nossa sociedade, é raro presenciarmos julgamentos, condenações e prisões em regime fechado por mais de dez anos de médicos. Podem cometer qualquer crime de erro médico seguido da morte do paciente, que são raríssimos os casos em que terminam condenados e cumprem penas em regime fechado. O médico Roger Abdelmassih é uma exceção à regra, um caso raro. A nossa Justiça, infelizmente, possui inúmeros atalhos, recursos, que ajudam os réus a escaparem da condenação.”

Gustavo Henrique

25 de março, 2024 | 20:32

“Consurge sendo consurge ambulância 40 muitos esperando outra pq estava com pneu furado, não é Regional? Pq não chamaram a USA de Fabriciano? Pq Ipatinga não tem mais a capotaram ela, mas isso ninguém conta.”

Cherrinne

25 de março, 2024 | 20:11

“Nunca vi uma pessoa ter uma parada cardíaca e ser liberada pra casa.”

Envie seu Comentário