04 de fevereiro, de 2024 | 13:00

Opinião: Todos somos olhos, caras e bocas

Marli Gonçalves *


Todos somos olhos, todos somos repórteres? É perceptível a guinada que vem ocorrendo especialmente nos noticiários de tevê que observam, dão espaço e fazem render a ânsia que agora as pessoas têm de se mostrar, participar, dar pitacos.

Antes, no tempo do onça, para se comunicar com algum veículo de imprensa era preciso mandar uma carta para a Seção do Leitor, ou mesmo tentar ir à redação fazer seus apelos pessoalmente. Tempos bem idos lá longe porque hoje as redações estão como se hermeticamente fechadas, quando antes eram mais vivas, acessíveis.

Até contato telefônico por números fixos basicamente impraticável. Com o advento do e-mail ficou mais simples um pouco. Mas principalmente na tevê, novas mudanças: primeiro disponibilizaram um número de WhatsApp, e agora pelo menos a Globo inovou: o telespectador é encorajado a acionar um QR Code, fazer um cadastro e voilà. Pode mandar mensagens, vídeos, fotos e etceteras dos fatos que acompanhou ou quer denunciar. As pessoas comuns estão na tevê, via câmeras de celular, e por mais simples que sejam aparecem de seus cantos, casas e barracos mostrando a realidade que vivenciam.

Assistimos assim, literalmente, a vida ao vivo. Assaltos, sequestros, cenas de violência filmadas de janelas. O desespero das falhas no transporte público e a falta de apoio, tudo registrado, e negando no ar, na hora, as tais providências alardeadas pelas autoridades. Os carros boiando em enchentes e o momento até da queda de aeronaves. Milhares de Grandes Olhos vigiando tudo, além das câmeras das ruas e das casas. Fico imaginando como é feita – e se é feita, dada a rapidez da informação, a checagem de milhares de mensagens que devem chegar diariamente.

Tenho refletido muito sobre a imprensa, como jornalista há mais de 45 anos e vinda de uma escola, o extinto Jornal da Tarde, que prezava acima de tudo os fatos ocorridos na cidade, São Paulo no caso, e a busca de uma visão sempre mais humana em bons textos e imagens. Assim, consigo ver muitos aspectos positivos nessas mudanças, e reparado como vem sendo grande também a busca por levar ao ar muito mais prestação de serviços – agendas de lazer, explicação de preços e fatos políticos, sociais e econômicos de forma mais simplificada – além do registro das condições e realidade (repara: há repórteres que parecem estar se especializando nisso, pé na lama, só não sei se de bom grado ou se sempre obrigados por chefias).

“Assistimos assim, literalmente, a vida ao vivo.
Assaltos, sequestros, cenas de violência filmadas de janelas”


Em artigo anterior, Influenciadores e Influenciados, foquei no absurdo aumento de todos os tipos de influencers, e acabou surgindo uma discussão sobre se seria isso jornalismo. Um debate. Insisto que não. Jornalismo é coisa séria, requer regras e ética, técnicas, experiência, embora pareça que andam esquecendo de ensinar muito disso nas poucas universidades que ainda restam. Mas não posso deixar de notar que, por outro lado, cada vez mais os “influencers” têm criado notícias e estas invadem os portais e jornais.

Sem compromisso, têm cara de pau que jornalistas não têm para fazer coisas e muitas vezes formular perguntas, e que nem poderiam, até por muitas beirarem insanidade, desrespeito ou alguma curiosidade exótica. Os influenciadores, produtores de conteúdo como se denominam, têm. E conseguem respostas que acabam virando notícias reconhecidas. Confidências sexuais, fofocas, desavenças, os tais flagras que chegam até a ser engraçados porque muitas vezes quase teatrais, armados, ensaiados, pensados.

A imprensa séria, oficial, no geral, está em crise, e buscando de todas as formas sobreviver e se reinventar, mas seu campo é limitado. Seus espaços, os profissionais limitados, o papel, e até o lugar onde habitualmente é vendida, as bancas, virando verdadeiras lojas de badulaques e onde agora ocupam cantinhos. Apostam tudo nas edições digitais, assinaturas, ofertas. Na tevê, agora, também em simpatia, proximidade e descontração.

Para completar, ultimamente têm precisado esconder sua cara de tacho depois que as intensas coberturas cheias de certeza de anos a fio estão sendo arruinadas. A Lava Jato, o juiz justiceiro, os acordos de leniência, as delações premiadas, as prisões, as gravações, muito do que se noticiou – tudo indo por água abaixo. E ainda precisando duelar diariamente com as fake news cada vez mais perigosas, mesmo que tolas, e que se espalham mais do que qualquer notícia séria. Pior, com gente achando graça.

* Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon). Vive em São Paulo. [email protected] / [email protected]

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]
MAK SOLUTIONS MAK 02 - 728-90

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário