06 de agosto, de 2022 | 14:00

Atividades para acalmar crianças autistas

Luciana Brites *

Lidar com as emoções nem sempre é fácil. Para as crianças pode ser ainda mais complicado. Já quando estas são autistas, torna-se um grande desafio. Além disso, elas podem ter dificuldade em reconhecer suas emoções e vinculá-las aos eventos que as causaram.

Muitas crianças com autismo possuem dificuldade em organizar, interpretar e responder apropriadamente às informações sensoriais. Assim, eles têm sistemas sensoriais que reagem de forma exagerada ou insuficiente. Com isso, podem reagir de maneira inesperada a sons, toque e textura.

Pessoas com autismo podem sofrer com uma sobrecarga sensorial. Ela descreve a experiência que uma criança com autismo pode sentir quando recebe muitos estímulos ao mesmo tempo, mais do que pode processar. Assim, seu cérebro fica sobrecarregado. A sobrecarga sensorial pode fazer com que se tenha um colapso.

“A distração é uma forma de acalmar o autista. Ensinamos técnicas
para se distraírem e se esquecerem do que está incomodando. Para
isso, dê preferência a coisas que são do interesse dele”


Alguns sinais para reconhecer uma sobrecarga sensorial são: mãos nos olhos ou nos ouvidos, com o objetivo de se esquivar do estímulo, aumento dos comportamentos repetitivos, fuga, andar de um lado para o outro, falar consigo mesmo ou bater as mãos, cutucar a pele ou se beliscar e esbarrar em móveis ou buscar um espaço pequeno para se “esconder”.

Muitas vezes esses comportamentos são tentativas para se acalmar ou sinais de ansiedade. Por isso, é de fundamental importância que os pais, professores e cuidadores saibam como acalmar crianças com autismo.

A distração é uma forma de acalmar o autista. Ensinamos técnicas para se distraírem e se esquecerem do que está incomodando. Para isso, dê preferência a coisas que são do interesse dele. Outra dica é criar rotina. As rotinas trazem uma sensação de calma e familiaridade para os autistas.

Mais uma forma de acalmar é usando cobertores pesados. Este é um método de tratamento de pressão. Eles ajudam no processo de acalmá-las, oferecendo segurança e fornecendo as sensações que seus corpos precisam. A próxima dica é mudar o ambiente. Se for possível, retire a criança do ambiente e leve-a para um lugar tranquilo, assim ela irá se acalmar.

“Muitas crianças com autismo possuem dificuldade em organizar, interpretar
e responder apropriadamente às informações sensoriais. Assim, eles têm
sistemas sensoriais que reagem de forma exagerada ou insuficiente”


Outra técnica é soprar bolinhas de sabão, pois estimula a respiração consciente. Esse método é fundamental para acalmar a criança. Mas, pode ser difícil de ensinar. Por isso, fazer bolinhas de sabão é uma ótima maneira de fazê-las respirar profundamente.

Brincar com massinhas de modelar aciona os estímulos sensoriais da criança. Elas criam uma distração rápida e podem ser muito eficientes no processo de acalmar crianças com autismo. Lembre-se que cada criança é única! Por isso, é importante conhecê-la para saber quais técnicas funcionam melhor.

*CEO do Instituto NeuroSaber (www.neurosaber.com.br), Luciana Brites é autora de livros sobre educação e transtornos de aprendizagem, palestrante, especialista em Educação Especial na área de Deficiência Mental e Psicopedagogia Clínica e Institucional pela UniFil Londrina e em Psicomotricidade pelo Instituto Superior de Educação ISPE-GAE São Paulo, além de ser Mestra e Doutoranda em Distúrbios do Desenvolvimento pelo Mackenzie.

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Tião Aranha

06 de agosto, 2022 | 20:48

“Bom texto, está dentro dos sintomas comuns e gerais apresentados pela maioria, sendo importante nunca tratar o autismo como doença, mas sempre respeitando as suas limitações no que tange às emoções sensoriais. Dos três tipos de autistas, cada um deve ter uma maneira especial de aprender. Risos.”

Envie seu Comentário