03 de julho, de 2022 | 11:41

Consumidor sente no bolso a alta nos preços da ração para animais de estimação

Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) aponta que o setor enfrenta desafio com a alta de custos

Arquivo pessoal
Esses são alguns dos cães da Thays se alimentando, é comida para uma ?tropa?Esses são alguns dos cães da Thays se alimentando, é comida para uma ?tropa?
(Stéphanie Lisboa - Repórter do Diário do Aço)
Quem tem algum animal em casa, como gato e cachorro, já deve ter percebido que a alimentação dos bichos ficou mais cara de uns tempos para cá. Aumenta um pouquinho aqui, aumenta um pouquinho de lá, e no fim do mês os gastos acabam sendo maiores do que o previsto. Esse é o caso, por exemplo, de Thays Silva. Moradora do bairro Bethânia, em Ipatinga, tem 13 cães e 3 gatos. Cuidar com todo carinho e responsabilidade desses animais gera uma despesa cada vez mais alta todo o mês.

Com um número expressivo de pets no imóvel, ela afirma que percebeu nitidamente o aumento de preços na hora de comprar o alimento para os seus bichos. “Aumentou muito há pelo menos 6 meses. Eu gasto aqui em casa 40 quilos por mês de ração para os cães e 10 quilos para os gatos. As de cães aumentou mais de 60 reais no pacote de 20 quilos”, avaliou Thays.

A ração que ela compra para doações também teve reajuste. “As rações inferiores, que compro pra doar, também aumentaram significativamente”, observou.

Adaptação
Thays até tentou trocar a marca e o tipo da ração que tem o hábito de servir aos cachorros, mas não deu certo. “Eu tentei trocar a ração, mas como meus cães são mais debilitados (vieram de resgate) eles não adaptaram e comecei a ter problemas com a saúde deles, então tive que abrir mão de outras coisas e manter a mesma ração”, contou.
O jeito encontrado foi fazer substituições e cortes em alguns produtos para os animais, como por exemplo, os petiscos. “Antes eu os levava no pet shop agora eu mesma dou banho em casa, fiz um curso de banho e tosa pra cuidar deles, o remédio de verme tive que comprar agora um mais em conta, petiscos precisei cortar”, relatou.

Outros produtos
Além da alimentação, a Thays percebeu que outros produtos que ela tem o costume de comprar também acabaram encarecendo. “Aumentou também produtos para o banho deles, os medicamentos para pulgas e carrapatos”, apontou.

Ingredientes
A Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) afirma que os reajustes no valor pago pela ração têm motivos. Uma das explicações apresentada é de que o preço dos ingredientes necessários para a produção de alimentos para animais de estimação sofreu diversas variações durante o período da pandemia, principalmente em 2020 e 2021.
Arquivo pessoal
Todo cuidado da Thays com os animais de estimação volta em amor e carinho dos pets Todo cuidado da Thays com os animais de estimação volta em amor e carinho dos pets


A Abinpet deu exemplos. “Entre 2020 e 2021, a soja teve alta de 40%. Milho, 57% e o trigo processado, 21% de alta. Já as proteínas de origem animal, também amplamente utilizadas na produção de pet food chegaram a registrar mais de 160% de aumento”.

A variação cambial do dólar também influenciou o preço, segundo a associação. “Mesmo que os fabricantes tenham repassado o mínimo possível para o varejo, e consequentemente para os consumidores, houve alta no preço do pet food”, justificou.

O início da guerra entre Ucrânia e Rússia também mexeu com os valores. “O preço de commodities, que também são ingredientes do pet food, como farinhas de cereais tais como milho, e óleos de algodão e soja, também pressionaram os preços internacionais, e consequentemente o valor do produto em mercados do mundo todo”, esclareceu.

O balanço completo do ano de 2021, calculado pela Abinpet, apontou um crescimento do pet food em 33%, mas ainda segundo a associação, a defasagem em relação aos preços das matérias-primas foi maior, de cerca de 40%. “Para os produtores de alimento completo para animais de estimação, os gastos cresceram mais do que o faturamento”, explicou.

Indústria pet
Os números da indústria pet por segmento mostram que o setor de alimentação corresponde a grande porcentagem da receita. O alimento completo industrializado (pet food) representa 78% da receita (R$ 28,1 bilhões); produtos veterinários (pet vet), 15% (R$ 5,3 bilhões) e produtos de higiene e bem-estar animal (pet care), 7% ou R$ 2,3 bilhões.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário