29 de junho, de 2022 | 08:51

Homem suspeito de furtar carregador de bateria morre em sessão de tortura

Empresário de Araxá e dois funcionários são investigados por envolvimento com o homicídio

Divulgação
Caso é investigado pela Delegacia da PC em Araxá, empregados estão presos e patrão foragido Caso é investigado pela Delegacia da PC em Araxá, empregados estão presos e patrão foragido

A Polícia Civil de Araxá investiga um caso em que dois indivíduos, suspeitos de furtar um carregador de bateria de uma empresa, foram torturados com choques elétricos.

Os acusados de envolvimento no caso são o proprietário de uma fábrica de pisos e dois funcionários. Uma das vítimas, um indivíduo de 31 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu.

Conforme divulgado pela Polícia Civil, o crime foi praticado na noite dessa segunda-feira (27), por volta das 22h. Os dois funcionários da empresa foram presos em flagrante e o empresário está foragido.

O caso veio à tona quando a Polícia Militar foi acionada a comparecer na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Araxá, com a informação que dois homens deram entrada com lesões e queimaduras e um deles já chegou sem vida. Os próprios funcionários da empresa, que confessaram envolvimento na tortura, socorreram as vítimas.

O homem de 37 anos afirmou em depoimento aos policiais militares que ele e o amigo, Dione Rodrigues de Jesus, de 31 anos, foram abordados por três homens em um veículo e levados para um galpão, onde teriam sido torturados com choque da rede elétrica.

O trio que os prendeu e torturou queria que os dois dessem conta de um carregador de bateria que teria sido furtado.

Já os dois homens presos disseram que foram chamados pelo patrão para “dar um susto nas vítimas”, pois o empresário desconfiava que a dupla teria furtado o carregador de bateria automotiva.

O caso ainda está sob investigação e a PCMG ainda não divulgou se os dois homens torturados tinham realmente envolvimento com o furto do carregador.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Marcos Guimarães

29 de junho, 2022 | 17:58

“"Jogando dentro das quatro linhas!"
A Vovozinha caduca e desrespeitada chamada Constituição Federal define que o Brasil não terá pena de morte nem tortura.
Então, surge um Presidente dizendo que o cidadão deve se armar, que o garimpeiro pode explorar as Selvas, que o agricultor pode derrubar as matas e fomentar o agronegócio. Cada morte por arma de fogo e afins é culpa daquele que tem sugerido ao povo: Mata o seu semelhante, pois é sua liberdade que está em jogo, então, a "população de bem" se armou de faca, paus, armas letais e começaram a justiçar os marginais. Essa é a justiça das ruas que vai transformar o Brasil numa enorme poça de sangue.
e dentro das quatro linhas”

Carvalho

29 de junho, 2022 | 11:56

“estao roubando demais, este domingo dia 19 de junho 2022 tive meu gol ROUBADO placa GTY 4453 COR VERMELHA ANO 1996 CARRO DE TRABALHO PINTURA TODA QUEIMADA, NA PORTA DA MINHA RESIDENCIA RUA VILA LOBOS BAIRRO CIDADE NOVA SANTANA DO PARAISO, o que pude fazer foi ligar para policia militar que me atendeu na hora, mais a minha revolta fica, ate agora nada fiquei sem veiculo de trabalho, estes ladroes tem mais e que morrer todos e deixar as pessoas de bem em paz.”

Carla Gomes

29 de junho, 2022 | 10:09

“Só lembrando que justiça com as próprias mãos não é justiça. É justiçamento, o Estado da Barbárie, Terra sem lei.”

Paulo

29 de junho, 2022 | 09:15

“Tempos sombrios, as pessoas querem fazer justiça com as próprias mãos. Quando o estado se mostra ineficaz na aplicação das leis e no seu papel de defender os cidadãos. Diante de um governo que se acovarda nas suas responsabilidades constitucionais e incentiva a população a se defender, teremos notícias como esta repetidamente. Não quero entrar no mérito se o torturado era ou não culpado, mas um estado sem lei provoca injustiça e erros que podem custar a vida de pessoas inocentes.”

Envie seu Comentário