23 de junho, de 2022 | 11:00

Autonomia dos cidadãos para baratear conta de luz

Luiz Antônio dos Santos Pinto*

Independentemente do fim da bandeira tarifária de escassez hídrica, devolução do ICMS relativo à PIS/Cofins e outras medidas que dependem do poder público, os consumidores pessoas físicas e jurídicas podem, com independência, autonomia e decisão própria, reduzir de imediato e de modo perene os seus gastos mensais com energia elétrica. Para isso, basta instalar um sistema de aquecimento solar de água. Se vier alguma redução tarifária da eletricidade, melhor, pois a economia será ainda maior para todos.

O consumo de energia no Brasil bateu recorde em março último, de acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). No período, foram consumidos 44,101 terawatts hora (TWh), o maior índice da série histórica
desde 2004, indicando que deverá haver aumento de consumo também no ano todo de 2022 e nos próximos.

A falta de investimentos em energia térmica acaba por pesar no bolso do consumidor. Para se entender melhor a questão, vamos analisar aqui o potencial de economia propiciado pelos aquecedores solares. Para obter essa economia, basta fazer a conta. O consumo de energia elétrica no Brasil em 2021 foi de 500,209 terawatts hora (TWh).

Sendo que cerca de 7% desse consumo é para aquecer água para banho (chuveiros e outros aquecedores elétricos), chegamos ao número 35,015 TWh. Considerando o custo de 700 milhões de reais o terawatt-hora, ou seja R? 0,70/KWh para consumidor residencial, o brasileiro gastou 24,51 bilhões de reais para tomar banho em 2021.

O aquecedor solar pode suprir mais de 90% (fração solar) desse consumo, então a população brasileira desperdiça por ano cerca de 22 bilhões de reais por não ter aquecedor solar em todos os domicílios do país, uma tecnologia 100% nacional.

Se considerarmos outros seguimentos que já utilizam aquecedor solar, mas ainda muito timidamente, como comércio, processos industriais etc., esta economia pode mais que quadruplicar.

O Sistema de Aquecimento Solar é feito de coletores capazes de absorver os raios do Sol, que são gratuitos, para aquecer grande volume de água e mantido em um ou mais reservatórios térmicos por até vários dias, que funciona como uma espécie de bateria de armazenamento. Têm durabilidade de mais de 30 anos e geralmente só exigem uma limpeza simples anualmente.

Residências, comércios e empresas podem reduzir em até 40% ou mais do gasto mensal com eletricidade, organizar seu orçamento e evitar os altos valores das tarifas de eletricidade. O equipamento, a rigor, oferece autonomia para que as próprias famílias e empresas, independentemente de políticas públicas, reduzam suas contas de luz e merece ter seu uso mais conscientizado e incentivado.

* Presidente da Abrasol (Associação Brasileira de Energia Solar Térmica)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário