20 de junho, de 2022 | 13:59

José Mauro Coelho pede demissão da presidência da Petrobras

Divulgação
José Mauro Coelho defende o ajuste de preços dos combustíveis ao mercado internacional, para não faltar derivados no Brasil   José Mauro Coelho defende o ajuste de preços dos combustíveis ao mercado internacional, para não faltar derivados no Brasil

Em comunicação enviada ao mercado na manhã desta segunda-feira, a Petrobras anunciou a renúncia de José Mauro Coelho, do cargo de presidente da petroleira.

Coelho foi o terceiro executivo a comandar a Petrobras na gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL). Segundo a empresa, Coelho também deixa o cargo de membro do Conselho de Administração da estatal.

Fernando Borges, diretor executivo de Exploração e Produção da Petrobras, foi nomeado pelo Conselho de Administração como novo presidente interino até a eleição e posse do novo comandante da empresa.

A saída de Coelho ocorre após uma escalada de críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PL).

Sexta-feira, a Petrobras divulgou novos reajustes nos preços, da gasolina e do diesel. Após o anúncio, Bolsonaro defendeu a criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a Petrobras, seus diretores e conselheiros.

Veja também:
Governo federal recebe nesta segunda-feira parcela de R$ 8,8 bilhões do lucro da Petrobras


Turbulência

José Mauro Coelho assumiu oficialmente a presidência da Petrobras em 14 de abril. Ex-secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, foi indicado ao cargo após desistência de Adriano Pires.

Em pouco mais de dois meses, sua gestão foi marcada por pressões e polêmicas sobre o reajuste nos preços dos combustíveis. Sua saída já era esperada desde o dia 23 de maio, quando o Ministério de Minas e Energia anunciou a troca de cadeiras.

Coelho é defensor da política de paridade da estatal, que desde 2016 vincula os preços dos combustíveis às cotações do dólar e do petróleo no mercado internacional.

"Nós temos que ter os preços do mercado doméstico relacionados à paridade de preços de importação (PPI), porque se assim não fosse, não teria nenhum agente econômico com aptidão ou vontade de trazer derivados para o mercado doméstico e poderia ter desabastecimento no país", afirmou o então presidente. Atualmente a Petrobras importa 30% da gasolina consumida no Brasil.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário