18 de junho, de 2022 | 10:58

Criminoso se passa por funcionário de banco e dá golpe em comerciante em Timóteo

Um comerciante de Timóteo foi vítima de golpistas e teve prejuízo com retiradas indevidas em sua conta bancária. Foi o que relatou um homem de 59 anos. Ele procurou a sede da 85ª Companhia da Polícia Militar para informar que no dia 3 de junho recebeu uma ligação por meio do aplicativo de mensagens WhatsApp.

Do outro lado da linha, um indivíduo apresentou-se como seu novo gerente de contas no banco. Não era verdade, era um estelionatário que armava um golpe.

Pois o suposto funcionário do banco em que o comerciante possui conta avisou que precisava realizar uma operação de atualização do “novo sistema internet banking Bradesco” e disse que a operação seria necessária para "ativar o chat on line” para comunicação direta com o gerente. Pura lorota para ludibriar a vítima.

O comerciante foi convencido pelo interlocutor a efetuar um passo a passo pelo aplicativo do internet banking. Enquanto isso, o suposto gerente, que na verdade era um criminoso, efetuou transferências bancárias, de R$ 3.740 e R$ 5 mil.

As retiradas, entretanto, só foram percebidas posteriormente pela vítima, que acionou o banco para que fossem tomadas providências. Entre outras medidas, o comerciante foi orientado a registrar a ocorrência policial do golpe.

Alerta

Os bancos têm avisado que não realizam esse tipo de operação e que os clientes devem evitar clicar em qualquer link que seja enviado por terceiros.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

João Batista Trevenzoli

19 de junho, 2022 | 09:56

“Nesse jogo de gato e rato, com desvio de gordos valores das contas bancárias de clientes que, diga-se, confiaram nas normas de segurança alardeadas pelas instiuições financeiras no ato da contratação do serviço, os bancos se conssideram vítimas ao lado dos clientes. Puro engodo. Colocam no mercado uma tecnologia supostamente destinada à higidez dos serviços e o que se vê não é nada disso ante o colossal volume de fraudes. Só as agências e os falsários lucram.”

Envie seu Comentário