16 de junho, de 2022 | 10:00

Retorno das festas juninas cria cenário positivo para lojas de aluguel de fantasias

Stéphanie Lisboa
Cida Marques, proprietária da loja Cavalinho de Pau Fantasias, está grata com a volta dos eventos Cida Marques, proprietária da loja Cavalinho de Pau Fantasias, está grata com a volta dos eventos

Depois de dois anos consecutivos sem a realização das tradicionais festas juninas, devido as medidas restritivas para enfrentamento da pandemia de covid-19, as festividades voltaram a todo vapor em 2022. E se tem um item que marca a festança é o figurino, que deixa a comemoração ainda mais colorida e bonita.

Em Ipatinga, por exemplo, lojistas que trabalham com o aluguel de fantasias estão otimistas com a busca de peças durante a temporada junina. “As pessoas têm procurado fazer as reservas com antecedência. Há muita procura”, declarou animada Cida Marques, dona da Loja Cavalinho de Pau Fantasias, no bairro Canaã.

Pandemia

A volta das festas é motivo de comemoração para os profissionais do ramo de eventos, que passaram por um período bem restrito. No caso das fantasias, quase não havia demanda, uma vez que não eram promovidas grandes celebrações.

Com 25 anos de experiência no mercado, a artesã Geralda Maria, que é proprietária da GM Fantasias, localizada no bairro Vila Celeste, precisou se reinventar. Durante a pandemia o trabalho foi impactado. “Totalmente parado”, contou. O jeito foi montar e comercializar acessórios, como tiaras, laços e mini chapéus.

Realidade complicada também vivida por Cida. “Durante a pandemia estivemos praticamente sem clientes”, lembrou.
Na Faz de Conta Fantasias, localizada no bairro Ideal, não foi fácil. “A loja começou há quatro anos, ficamos parados dois anos durante a pandemia”, recordou Meire Alves, responsável pela loja.

Festa junina

Em 2022 as festas juninas vão movimentar e aquecer o aluguel de trajes típicos. Cida, no setor há 13 anos, está otimista. “Creio que o movimento será maior ainda que nos anos anteriores, superando as expectativas”, estimou.
O sentimento da artesã Geralda também é positivo. “Esperança de começar a melhorar”, declarou. E realmente já há sinais de melhora, como ela mesma conta: “O pessoal já começou a procurar”.

Na loja da Meire, a demanda pelas peças já superou o período pré-pandemia. “Esse ano a procura de aluguel aumentou, está maior que antes da pandemia”, informou. O trabalho tem sido intenso por lá. “Agora minhas roupas juninas não estão dando conta, tem dia que atendo cliente até às 22h. Estou confeccionando mais e mesmo assim não dou conta. Graças a Deus a festa junina está sendo o meu Natal”.

Procura

Na loja de Geralda, o aluguel de trajes infantis sai na frente. “Devido às escolinhas”, explicou. Já para Cida, a demanda tem sido pelas saias. “Temos tido uma procura muito grande de sainhas, sainhas com cropped”.

E essa procura pelo aluguel de peças juninas não deve ficar restrita apenas ao mês de junho, deve se estender até o mês de agosto, é o que acreditam as proprietárias.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Marcia de Souza Marques

16 de junho, 2022 | 12:47

“Bela reportagem para incentivar, o mercado de aluguel de fantasias. Mesmo porque as restrições durante a pandemia, setor foi muito atingido. Nem as festas familiares, foram feitas.”

Envie seu Comentário