28 de maio, de 2022 | 08:43

Há muito de belo para se ver: cuidado com o glaucoma

Pedro Duraes *

No dia 26 de maio foi lembrado o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, uma doença oftalmológica que gera perda do campo visual e pode levar à cegueira. A condição, que provoca uma lesão no nervo óptico, atinge cerca de 64 milhões de pessoas entre 40 e 80 anos em todo o mundo – quase um milhão somente no Brasil. Atualmente é uma das principais causas de cegueira, ficando atrás somente da catarata. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esse número global pode passar dos 110 milhões até 2040.

É importante lembrar que, como muitas outras especialidades na saúde, a oftalmologia deve estar na lista de consultas periódicas para qualquer idade. O glaucoma é uma doença que ainda não tem cura, sendo o diagnóstico e o tratamento precoce essenciais para o paciente.

Apesar de qualquer pessoa poder ser diagnosticada com glaucoma, estudos mostram que esta condição é mais comum em alguns recortes populacionais: em geral, pessoas pretas ou que sejam parentes de portadores de glaucoma, idosos, portadores de alta miopia, diabéticos e usuários crônicos de colírios com corticoides têm mais propensão à doença.

"Os sinais mais frequentes de glaucoma ocular
são as manchas escuras no campo visual periférico:
inicialmente, a visão da pessoa fica restrita
ao centro do olhar e prejudicada nas laterais"


Os sinais mais frequentes de glaucoma ocular são as manchas escuras no campo visual periférico: inicialmente, a visão da pessoa fica restrita ao centro do olhar e prejudicada nas laterais, como se ela estivesse olhando por um túnel – essas manchas são chamadas escotomas. Progressivas, à medida que a doença vai aumentando, essas manchas também crescem de tamanho, deteriorando ainda mais a visão. Outros sintomas frequentes e adjacentes à condição são olhos avermelhados e lacrimejantes, maior sensibilidade à luz, dor nos olhos e na cabeça.

O grande risco do glaucoma são seus sintomas iniciais, silenciosos e imperceptíveis. Normalmente, quando o paciente desenvolve os sintomas, o glaucoma já está avançado, com cerca de 50% das células ganglionares já atrofiadas. O diagnóstico final é feito por meio de exames e os mais comuns são a campimetria e a tomografia de coerência óptica. O tratamento, definido caso a caso, tem como objetivo reduzir ou estabilizar a pressão intraocular. Na maioria das vezes, ele é bem simples e envolve a aplicação de colírios, melhorando expressivamente a qualidade de vida do paciente. Em casos mais avançados, o especialista responsável pode recomendar a aplicação de laser ou cirurgia.

O segredo é manter os cuidados de prevenção dos olhos: além de visitar periodicamente seu oftalmologista, não usar colírios sem prescrição médica. Depende de cada um cuidar da própria saúde e não deixar de lado o cuidado com os olhos. Há muitas belezas na vida para perdermos a chance de vê-las.

* Médico oftalmologista e professor do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro – Unisa

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário