13 de maio, de 2022 | 14:19

Inadimplência de alguns deixa todos os moradores do Residencial Nova Esperança sem água

Enviado por leitor
Sem água, moradores relatam dificuldades para lavar louças ou limpar a casaSem água, moradores relatam dificuldades para lavar louças ou limpar a casa

Um pedido de ajuda foi recebido pelo Diário do Aço esta semana. Mães, em pânico, denunciam que o condomínio residencial Nova Esperança, no bairro Nova Esperança, em Ipatinga, está sem fornecimento de água há uma semana. O problema, conforme relatos, é que o medidor das residências é único e, como alguns proprietários não pagaram a conta, aqueles que estão em dia foram penalizados e todos tiveram o serviço interrompido. O conjunto habitacional do Programa Minha Casa Minha Vida foi inaugurado em 2019 e tem 15 blocos de apartamentos, com 16 unidades cada, somando 240 unidades.

Uma das moradoras afirma que a situação é de calamidade. “O medidor é um só, tem os hidrômetros na porta de cada apartamento e tentamos que fosse cortado apenas de quem não pagava, mas não deu certo. A leitura da Copasa chega só para o medidor principal. O rateio é feito pela administração do condomínio de acordo como consumo individual. A síndica do condomínio não diz muito pra gente, apenas informa que a Copasa vai religar somente quando pagarem a dívida, que está em mais de R$ 130 mil”, aponta uma das moradoras.

Ainda conforme explicou, muitos moradores foram contemplados com os apartamentos há anos e, desde quando se mudaram para o local, não pagam a conta de água. “Até concordamos com o corte de serviço dessas pessoas, mas a gente não tem culpa, eu pago em dia, muitos pagam. Não podemos ser penalizados”, lamenta.

“O que está acontecendo aqui é uma calamidade, não é possível que isso permaneça. A água aqui é conjunta e a Copasa veio no sábado, dia 7, e tirou o relógio que mandava água pra cá. Alguns condôminos estão se mudando, por não enxergarem perspectiva de solução para o problema. Não tem como ficar sem água muito tempo. Existem pessoas acamadas que precisam de cuidados e estão tomando banho com lenço umedecido. É desumano”, afirmou outra moradora.

Em dívida

Procurada, a Copasa informou que o corte no fornecimento de água no condomínio Nova Esperança, em Ipatinga, se deve à inadimplência. Há contas em atraso desde 2021. Nesse caso, a retomada do fornecimento de água pela companhia depende da quitação dos débitos em aberto.

A companhia esclarece que não há possibilidade técnica de solicitar uma ligação de água com medição individualizada por apartamento. Mas, será avaliada pela empresa a possibilidade de individualizar por blocos, desde que sejam realizadas adequações na estrutura do condomínio, de acordo com as normas da companhia.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Antonio Dimas Guedes Otoni

15 de maio, 2022 | 09:55

“quanta irresponsabilidade dos administradores municipais, fizeram essa gambiarra, ganharam votos etc.... Na politica é assim " Ninguém é melhor que ninguém, uns são piores que os outros".”

Jorge

13 de maio, 2022 | 19:34

“Para acabar com o problema ,coletar a água da chuva,com isso economiza água.”

Ailton

13 de maio, 2022 | 19:06

“Célio concordo com vc, mas no caso acima a COPASA apenas ligou de acordo com o projeto apresentado pela prefeitura antes de 2021.
Como foi interrompido os cortes de água e luz durante o período da pandemia, o povo acho que nao precisavam mais pagar as contas.
Agora essas empresas estão com alto índice de inadimplência de seus usuários.
Em se tratando de medição individualizada, o condomínio que é responsável por executar todo sistema hidráulico para tal sistema”

Errado

13 de maio, 2022 | 17:23

“Engraçado os que nao pagaram a conta sao aqueles que so pegaram o apartamento mas nao moram ai ou seja ja tem casa e outra pegaram e alugaram ou ja venderam agora e uma oportunidade da prefeitura investigar pois os que ficaram sem agua sao os que realmente precisam de uma casa. Eu conheço gente solteira que tem apartamento ai e que alugaram e moram na casa dos pais.”

Errado

13 de maio, 2022 | 17:11

“Ola gostaria de salientar que deveria ter uma fiscalizaçao da prefeitura pois muitos pegaram apartamento e nao tao morando ai ou alugaram ou venderam a preço de banana.e quem realmente precisa ficou sem um apartamento conheço gente que tem apartamento ai e nem familia tem e outra tao tentando pegar outro”

Celio Cunha

13 de maio, 2022 | 15:35

“Boa tarde! Caro redator, olhando sua matéria não pude deixar de observar que '' algo não esta certo no reino politico'' ; se existe legislação própria que obriga a empresa de saneamento - copasa- a fazerem ligação individualizadas e não coletiva. Contudo a reclamação dos usuários trata-se de algo feito fora dos padrões legais e mesmo assim querem colocar na conta dos moradores a ''conta'' de consertarem o serviço mal feito. Senão vejamos há uma legislação obrigando que o serviço seja individualizada e proibindo de qualquer cobrança caso já tenha sido feito, Das duas uma ou o poder publico quando da construção do edifício foi induzido ao erro ou foi contumaz conivente com tal irresponsabilidade, que hodiernamente causa tamanho prejuízo a essa população, mas que alguma coisa tem que ser feito . segue textos das legislações em vigência ; A Lei Federal nº 13.312/2016, publicada em 12/7/2016, tornou obrigatória a instalação de hidrômetros individualizados nos condomínios a partir de 12/7/2021,ou seja, após cinco anos de sua publicação, abrangendo apenas as NOVAS edificações, conforme se extrai de seu texto, in verbis: ?Art. 1o Esta Lei torna obrigatória a medição individualizada do consumo hídrico nas novas edificações condominiais?.
Tal determinação também consta do Novo Marco Legal do Saneamento Básico, Lei Federal nº 14.026/2020, em seu artigo 29º, parágrafo 3º, como reproduzido a seguir.

?Art. 29. Os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada por meio de remuneração pela cobrança dos serviços, e, quando necessário, por outras formas adicionais, como subsídios ou subvenções, vedada a cobrança em duplicidade de custos administrativos ou gerenciais a serem pagos pelo usuário, nos seguintes serviços:
§ 3º As novas edificações condominiais adotarão padrões de sustentabilidade ambiental que incluam, entre outros procedimentos, a medição individualizada do consumo hídrico por unidade imobiliária, nos termos da Lei nº 13.312, de 12 de julho de 2016.?”

Cidadão

13 de maio, 2022 | 15:06

“Uma situação complicada. Tem algumas pessoas que já tem a oportunidade de receber um lugar pra morar sem precisar pagar e ainda não conseguem honrar as dividas.”

Envie seu Comentário