11 de maio, de 2022 | 16:37

Mercadores do Templo: MPMG e PC esclarecem desdobramentos da operação e orientam vítimas

Divulgação
Segundo o MPMG, membros da organização criminosa utilizavam a fé como principal meio de obter investidores para os supostos serviços financeiros que ofereciam. O chefe do grupo, inclusive, apresentava-se como ''Homem de Deus''Segundo o MPMG, membros da organização criminosa utilizavam a fé como principal meio de obter investidores para os supostos serviços financeiros que ofereciam. O chefe do grupo, inclusive, apresentava-se como ''Homem de Deus''

No dia 5 de maio, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), núcleo Paracatu, em conjunto com a Polícia Civil, deflagrou a operação “Mercadores do Templo”. O objetivo da ação foi desarticular um esquema criminoso desenvolvido em uma complexa composição piramidal para captação de recursos financeiros sob a promessa de lucros exorbitantes, conforme já noticiado pelo Diário do Aço.

Conforme a investigação, os membros da organização criminosa utilizavam a fé como principal meio de obter investidores para os supostos serviços financeiros que ofereciam. O chefe do grupo, inclusive, apresentava-se como “homem de Deus”, honesto e de conduta ilibada. Com sua oratória afiada e se utilizando de passagens bíblicas, jargões de cunho religioso e, até mesmo, músicas gospel, ele conseguia ludibriar as vítimas, convencendo-as a aportarem suas economias nas fraudes.

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva nas cidades de Unaí, Belo Horizonte, Contagem, Guanhães, Belém/PA e Brasília/DF.

O MPMG e a PCMG esclareceram que a investigação alcança a modalidade ilegal de captação e divisão de lucros constituída por meio de pirâmide financeira e crimes conexos, entre eles, lavagem de dinheiro. “O pagamento dos ‘juros’ era conduta essencial para manutenção da credibilidade da suposta pirâmide financeira, que visava, sobretudo, a obtenção de novos ‘investidores’, sem que estes, a princípio, aderissem voluntariamente ao modo ilegal de captação de recursos”, explica o promotor de Justiça Nilo Alvim, coordenador do Gaeco de Paracatu.

Segundo ele, as ações desencadeadas na Operação Mercadores do Templo visam a preservação do patrimônio em favor dos credores (investidores), a análise da contabilidade empresarial, a devida prestação de contas e a detida conferência do patrimônio constituído para instrução do processo. Ele explica que a movimentação financeira apurada chega a mais de R$ 62 milhões. “Refere-se ao valor transacionado pelos investigados, e não ao valor bloqueado. Os valores bloqueados serão disponibilizados em audiência pública, através de procedimento próprio, assim que todas as Instituições financeiras comunicarem os dados”, ressalta.

O MPMG e a Polícia Civil alertam a população sobre a importância de se evitar a desinformação sobre o caso, procurando os canais oficiais de comunicação. “O formulário disponibilizado pela PCMG e MPMG visam não somente a obtenção de informações, mas, também, a habilitação dos credores para a contabilização dos eventuais valores pendentes de recebimento”, afirma o promotor. Acesse aqui.


Foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva nas cidades de Unaí, Belo Horizonte, Contagem, Guanhães, Belém/PA e Brasília/DFForam cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva nas cidades de Unaí, Belo Horizonte, Contagem, Guanhães, Belém/PA e Brasília/DF
Além disso, os órgãos alertam que eventuais interferências nas investigações em relação à organização criminosa podem constituir o crime previsto no art. 2º, §1º da Lei de Organização Criminosa (nº 12.850/13), que prevê pena de três a oito anos de reclusão, bem como coação no curso do processo, previsto no artigo 344 do Código Penal, com pena de um a quatro anos.

Mercadores do Templo

O nome da Operação faz alusão ao momento bíblico em que Jesus expulsa do Templo de Jerusalém os mercadores que estavam usando a casa de Deus para fazer negócios e roubar o dinheiro do povo.

Orientação às vítimas

As vítimas do grupo criminoso não precisam aguardar notificação formal. O comparecimento espontâneo na sede do Ministério Público em Unaí, situado na Rua Prefeito João Costa, nº 209, 6º andar - Centro ou na 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil - Cachoeira e o preenchimento do formulário são “medidas de grande auxílio para a celeridade dos procedimentos instaurados, qualificação dos credores e individualização dos valores investidos para futura restituição”.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário