06 de maio, de 2022 | 17:38

Levantamento aponta redução do índice de Aedes aegypti em Ipatinga

Divulgação
Nesta segunda verificação de 2022, foram vistoriados 4.405 imóveis na cidade, entre os dias 2 e 5 de maio Nesta segunda verificação de 2022, foram vistoriados 4.405 imóveis na cidade, entre os dias 2 e 5 de maio

O 2º Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) de 2022 apontou infestação de 2,6% na cidade, o menor já registrado para o período nos últimos cinco anos, conforme divulgado pela Secretaria Municipal da Saúde de Ipatinga.

Nesta segunda verificação de 2022, foram vistoriados 4.405 imóveis na cidade, entre os dias 2 e 5 de maio. De posse dos resultados, a Secretaria de Saúde realiza o planejamento de várias ações nos principais pontos críticos identificados.

O secretário de Saúde de Ipatinga, Cléber de Faria, destaca que os resultados demonstram o empenho de toda a equipe do Departamento de Vigilância em Saúde (DEVS) no trabalho de combate ao mosquito. “É preciso ressaltar que a queda dos números é uma conquista de todos. É o reconhecimento do trabalho dos agentes de Saúde e Endemias, bem como da sociedade em geral. Vamos continuar desenvolvendo ações de combate ao mosquito”, disse.

Queda

Entre todos os bairros vistoriados, o levantamento apontou que o Vila Celeste foi o que apresentou maior redução dos índices. No LIRAa anterior, a incidência no local foi de 10,3%. E ela baixou para 2,1%, uma queda de mais de 200%.

“Realizamos durante todo ano uma força-tarefa para diminuir os índices do Aedes aegypti, intensificamos as ações de bloqueio com bomba costal e o Aerosystem, aumentamos as vistorias de imóveis e a busca ativa de casos suspeitos de Dengue, Chikungunya e Zika”, relatou a diretora do DEVS, Laressa Almeida.

Níveis de incidência por região

A vistoria revelou os bairros e regiões que apresentaram maiores índices de infestação: Bom Jardim, Ferroviários, Horto, área industrial, região próxima à Usipa - 5,4%; Imbaúbas, Bom Retiro, Bela Vista, Das Águas, Cariru, Castelo, Vila Ipanema, Centro, Novo Cruzeiro e Parque Ipanema - 4,1%; Caravelas e Jardim Panorama - 3,7%; Limoeiro, Chácaras Madalena, Córrego Novo, Chácaras Oliveira e Barra Alegre - 3,4%; Esperança e Ideal - 2,9%; Veneza e Vila Celeste - 2,1%; Cidade Nobre e Iguaçu - 0,9%; Canaã - 0,7%, e Granjas Vagalume e Bethânia - 0,5%.

Dicas

A principal recomendação aos moradores ainda é ter atenção especial quanto aos recipientes que acumulem água, potenciais focos de proliferação de larvas, ressalta a Secretaria. Quando não puderem ser descartados, a orientação é que sejam devidamente vedados ou tratados. A vistoria de criadouros deve abranger locais menos convencionais, como calhas de chuva, ralos externos, vasilhas de animais, bandejas de ar-condicionado e geladeiras, além de vasos sanitários desativados.

Serviço

Para mais informações, esclarecimento de dúvidas e denúncias, o contato deve ser feito com o Centro de Controle de Zoonoses de Ipatinga, pelos telefones (31) 3829-8383 ou 3829-8313.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário