10 de abril, de 2022 | 15:00

Com legalização dos jogos, Brasil poderá ter até 33 cassinos

Câmara dos Deputados aprova texto-base para liberação dos cassinos no Brasil e agora aguarda próximos passos; Cada estado poderá contar com ao menos um estabelecimento

Divulgação
 Atualmente, os jogos de azar são proibidos no país, o que engloba o jogo do bicho, as apostas esportivas e os cassinos Atualmente, os jogos de azar são proibidos no país, o que engloba o jogo do bicho, as apostas esportivas e os cassinos
Com a tecnologia, as apostas pela internet estão com tudo, atraindo diariamente diversos jogadores. Porém, no Brasil tudo vai se encaminhando para que a população tenha uma opção a mais, vivendo a expectativa da legalização dos cassinos físicos. Atualmente, os jogos de azar são proibidos no país, o que engloba o jogo do bicho, as apostas esportivas e os cassinos, por exemplo.

Dessa forma, resta para quem busca apostar do Brasil realizar as operações através das plataformas online. O Cassino Leovegas é um dos operadores mais populares atualmente e é possível jogar neste operador e em outros similares de forma simples: basta criar uma conta, colocar saldo e usufruir do entretenimento. Outra opção possível é viajar até um local que tenha a liberação dos jogos, como o Uruguai, por exemplo.

Em contrapartida, esse cenário deverá mudar em breve, com uma possível aprovação da legalização dos jogos, que já vem sendo debatida pela Câmara dos Deputados. Com um final feliz, a expectativa é que o país passe a contar com até 33 cassinos físicos.

Câmara aprova Projeto de Lei e anima apostadores

Em fevereiro, a Câmara dos Deputados aprovou um texto-base sobre a legalização dos jogos no país, entre eles, os cassinos. O relator do PL é Felipe Carreras, do PSB-PE, que conta com o apoio de diversos apoiadores.

Porém, o assunto ainda é polêmico, e na votação foram 246 votos favoráveis contra 202. O texto revoga a Lei de Contravenções Penais, de 1946, e estabelece alguns critérios para a implementação dos cassinos no Brasil.

Uma das situações é o limite de acordo com a população por estado. Dessa forma, quem teria mais cassinos é São Paulo, com três. Em seguida, Minas Gerais e Rio de Janeiro contariam com dois, enquanto os demais estados e Distrito Federal ficam com uma unidade cada.

A ideia é integrar os cassinos em resorts, favorecendo para o turismo e movimentando a economia nacional. Porém, para que isso seja possível, os estabelecimentos precisam ter espaços para restaurantes, bares, reuniões e contar com ao menos 100 quartos para acomodação de alto padrão. Outro ponto é que o cassino não poderá ter mais de 20% da área construída do local.
Deputado Felipe Carreras. Foto Câmara dos DeputadosDeputado Felipe Carreras. Foto Câmara dos Deputados

Apesar de já contar com bastante definições, ainda existem algumas para debater, entre elas, as tributações. Alguns parlamentares defendem valores na casa dos 30%, outros menores.

Em meio a algumas indefinições, os apostadores e apoiadores aguardam os próximos passos, já que o Projeto de Lei será votado no Senado e também passa pela aprovação do presidente Jair Messias Bolsonaro.

Aspectos positivos da legalização para o Brasil

Com a possível legalização, existem diversos aspectos positivos para serem explorados pelo Brasil. O principal é voltado para a economia, onde segundo o deputado Felipe Carreras, o país poderá arrecadar cerca de R$ 20 bilhões por ano em impostos.

Outro ponto é que o Brasil passará a atrair mais turistas para os cassinos, consequentemente, consumindo no local e em comércios da região, movimentando a economia. Além disso, a liberação gera mais empregos, já que as empresas precisam contratar pessoas para manter o funcionamento. Ainda segundo Carreras, a expectativa é de formalizar 450 mil empregos.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário